close

Guilherme Crespo

Publicidade

11 dicas essenciais para qualquer publicitário

A vida de Publicitário, sobretudo de Redator, me trouxe muitos aprendizados. Muitos deles adquiri sozinho, muitos deles com pessoas importantes com as quais tive o prazer de trabalhar. Logo, fiz uma lista de dicas importantes e que acho que devo passar pra frente. Mas, para não ficar naqueles chatos “10” pontos, trouxe 11. Seguem:

1) Anote tudo: em reunião de briefing, ao sair do chuveiro ou enquanto faz suas necessidades, anote. Mesmo que você tenha memória de elefante!

2) Busque sempre referências: cansou? Busque mais! E entenda que referências devem ser apenas uma inspiração. Faça sua releitura, use sua criatividade!

3) Duas ideias para o cliente: sempre leve para o cliente uma versão que ele pediu e uma versão que você sugere: o cliente deve ser atendido, mas você deve propor sua ideia. #valeuYa

4) Degradê é brega: foi-se o tempo que era bonitinho. Hoje não é mais. Deixe de lado. Não sou Diretor de Arte, mas tenho respaldo de 99% dos que trabalharam comigo. #faleiesaícorrendo

5) Nunca use mais de uma exclamação: nem mesmo se você for do varejão! Jamais utilize três exclamações. Eu já nem gosto de usar exclamação, mas se for usá-la, não use mais de uma, por gentileza. Obrigado.

6) Seja generalista, não mais especialista: o mercado valoriza profissionais que manjam de tudo um pouco, muito mais do que aquele que manja pra cacete de uma coisa só.

7) Se for usar duas telas, saiba que é pra sempre: pois é! Fica a dica. É irreversível.

8) Revise sempre seus textos depois de escrevê-los: você sempre encontrará erros em seu próprio texto. Ideal é que alguém revise seus textos pra você. Relaxa, é natural.

9) Não se apegue aos seus trabalhos. Eles terão alteração: gostou do seu texto? Nem adianta se apaixonar por ele, pois há grandes chances de que ele seja alterado, e nem é por maldade. Às vezes ele não se encaixa na necessidade do cliente.

10) Nunca tome café com açúcar: aprendi quando trabalhei dentro do cliente Nestlé. Atendia Dolce Gusto. E ninguém me deixava tomar café com açúcar. Hoje agradeço. Vai por mim!

11) Descarte sempre a primeira ideia, ela nunca é a melhor: e não é que é verdade?! A primeira ideia é a que todo mundo tem. Aprendi essa com o Renato Barreto, da DM9. Obrigado, Renato. É a mais pura verdade.

Espero que as dicas tenham ajudado. Acredite. Elas me ajudaram e continuam ajudando. E tem mais por aí. Onze é só um número de dicas que vieram à cabeça agora, mas se eu abrir uma cerveja e olhar para o horizonte por uma meia hora vem mais onze. Quem sabe em breve eu não escreva mais onze?

 

Leia Mais
Mídia

“Na mídia programática, exposição indesejada da marca não é e nem nunca foi regra”

Durante algumas décadas em nosso país, quando uma empresa desejava comunicar os reais atributos de seus produtos ou serviços aos seus consumidores finais, os caminhos para fazer essa comunicação eram os mesmos. Além da TV aberta, meio de comunicação com mais de 90% de penetração junto aos brasileiros, as empresas e suas agências de publicidade encontravam, ainda, a mídia impressa e, claro, o forte e importante rádio.

Porém hoje, muitos anos mais tarde, ainda que com o máximo respeito aos veículos e aos profissionais que atuam nessas frentes, devemos entender que é tudo muito diferente de antes. As coisas mudaram e a possibilidade das marcas entenderem o que seus targets realmente querem, como eles querem e onde eles estão tornou-se absolutamente possível.

A exposição paga de marcas no ambiente online trouxe às empresas anunciantes características bastante vantajosas e nunca encontradas até então nas mídias tradicionais, como por exemplo a possibilidade de mensuração de resultados de campanha, a interatividade com seus públicos em real-time, além da importante e tão desejada segmentação de público.

Poderíamos aqui até tratar detalhadamente das questões de interatividade e da mensuração, enormemente importantes e que permitem às marcas serem mais assertivas, estabelecerem um diálogo com seus consumidores e, claro, atuar de forma mais otimizada e rentável. Porém, o que queremos aqui discutir é a característica da segmentação de público.

A mídia programática é uma das mais relevantes formas de atuação em mídia digital e tem atraído bastante a atenção de gestores de marketing não só no Brasil, mas em todo o mundo. É uma mídia inclusive bastante democrática e, por isso, tem levado empresas pequenas e médias a anunciar até pela primeira vez. O fato ainda de possibilitar às marcas anunciantes maior otimização na compra da mídia, na implementação e na mensuração dos resultados obtidos, a torna por consequência também mais assertiva, contribuindo rapidamente para os objetivos de negócio das empresas.

Mas talvez a maior das diferenças esteja no fato de que a mídia programática quebra uma lógica imposta por profissionais de propaganda e publicidade por muitos anos: o foco não está mais no veículo de comunicação e sim, no target. Desta forma, nesse tipo de mídia estuda-se o comportamento das pessoas no ambiente digital e então a marca aparecerá somente para aqueles que desejam e que tenham demonstrado interesse naquele conteúdo. A mensagem de marca surge então, de forma contextualizada, para quem deseja receber aquele conteúdo, no momento que deseja, na frequência ideal e onde esse público estiver. Pode ser num site de esportes, na mídia social preferida ou mesmo dentro de um aplicativo que utilize. Certeza de gol.

Ocorre que nas últimas semanas, acompanhamos pela mídia um verdadeiro massacre ao setor de mídia programática.  O trabalho realizado pela chamada CPI das Fake News identificou e tornou público que o Governo Federal teria exibido ‘milhões de propagandas em sites maliciosos’ nos últimos meses e que isso ocorreu porque a veiculação se deu através de mídia programática.

“Na mídia programática, exposição indesejada de marca não é e nem nunca foi regra. O problema não está no uso da mídia programática. Está no uso inadequado da plataforma. Um planejamento bem feito cria filtros de brand safety, e a mensagem de marca aparece apenas em um ambiente seguro.”, diz Rodolfo Darakdjian, CEO da OPL Digital.

A OPL Digital é uma dessas empresas especializadas no tema. Com sede em São Paulo e também em Miami, nos Estados Unidos, a empresa investiu pesado na compra de tecnologia nos últimos anos, atua com uma DSP própria, e hoje tem como clientes governamentais, sendo alguns deles: Ministério da Saúde, Ministério do Turismo, Prefeitura de São Paulo, Eletrobrás, Caixa e Governo do Estado de São Paulo, além de clientes do setor privado como Schneider Electric,  BRF, Seara, Unilever,  Latam, Porsche, CCR, entre outras.

Para um anunciante que decida por comunicar seus produtos e serviços em mídia programática é extremamente importante que busque por empresas que sejam capacitadas e especializadas no tema. Prover cuidados básicos que impeçam as marcas de aparecerem em ambientes não seguros é essencial para quem trabalha com mídia programática.

Não se pode generalizar, e as recentes notícias que trataram das ações do Governo Federal não podem ‘carimbar’ ou marginalizar todo um mercado, que é composto por empresas e profissionais sérios e comprometidos com os resultados dos clientes. Uma ou duas empresas que tiveram tais equívocos não podem ser vistas como representantes de todo um setor. É importante ressaltar que mídia programática não financia o crime e nem patrocina e nem compactua com nenhum tipo de fake news. Atualmente existem políticas de brand safety que, inclusive, são atualizadas constantemente e que eliminam os sites impróprios ou maliciosos. As chamadas passlists, de uso bastante comum em mídia programática, possibilitam que a marca anunciante escolha exatamente os sites e aplicativos em que serão exibidos os anúncios, evitando destinos indesejados. Segurança na rede é preocupação número um de qualquer marca que esteja na rede.

 

Leia Mais
Marketing

Aumento do consumo digital na pandemia aquece mercado de moda plus size

Empresas do setor se movimentam para alcançar resultados: Brum Curvy agora vende em 8x sem juros.

Com a alta no consumo digital em meio à crise que estamos vivendo, o site de moda plus size Brum Curvy tem sobrevivido graças às diferentes ações que a empresária Ana Brum tem realizado ao longo dos últimos meses. Com a crise, inovar é um diferencial, e ela sabe que somente quem busca alternativas sobrevive em um mercado cada vez mais competitivo e difícil, principalmente onde o público é muito específico.

A Brum Curvy começou o mês de junho com uma Super Liquidação de peças a partir de R$ 29,90, trazendo ofertas incríveis para o seu público. Ainda no mês de junho, a contratação de uma agência de publicidade ajudou a empresa a fortalecer sua marca e melhorar seus números nas mídias sociais, alcançando os 10 mil seguidores no Instagram.

Já no mês de julho, com a Campanha Pitouquinha e o Bazar em Poá, sua terra-natal, a Brum Curvy conseguiu uma visibilidade maior. Na sequência, a marca apostou na criação de um novo layout de site e agora oferece parcelamento em até 8x sem juros (antes oferecia em até 5x).

“Inovar sempre foi parte do propósito da marca, e em meio à pandemia, é mais do que necessário pensar em ações diferentes que façam a Brum Curvy se destacar no mercado”, finaliza Ana Brum, proprietária da marca.

 

SOBRE A BRUM CURVY

A Brum Curvy atende mulheres que usam roupas a partir do tamanho 44. São peças que atendem os mais diversos estilos e ocasiões, com qualidade, beleza e bom atendimento. A Brum Curvy acredita que moda é comunicação, expressão e que a mulher plus size ou curvy pode e deve ter um look do jeito que ela quiser. Para conhecer mais, acesse: www.brumcurvy.com.br

Leia Mais
Publicidade

SKY convida Marcelinho, o fantoche do Youtube, para ação de Dia dos Namorados

A SKY, maior operadora de TV via satélite do país, preparou uma surpresa para o Dia dos Namorados e convidou Marcelinho, fantoche que ficou conhecido no Youtube por ler contos eróticos com seu jeitinho particular, para comentar os filmes da saga Crepúsculo. O filme, criado pela Mirum, será veiculado nos perfis da operadora no FacebookInstagram e Youtube.

A ação integra o novo posicionamento da operadora – SKY, a gente se diverte junto, lançado em fevereiro de 2020, focado na presença da empresa nos micro momentos de diversão do dia a dia de seus clientes. Nos filmes, Marcelinho comenta frases de efeito e os xavecos ditos por Edward Cullen, o vampiro galã do filme interpretado por Robert Pattinson. Expressões como “Se você ficar eu não preciso do paraíso” e “Será que um dia meu coração vai parar de tentar sair do meu peito toda vez que você toca em mim?” não escapam do tom irônico do fantoche.

Os diálogos também podem ser acompanhados pelo público no Megapix (canais 107 e 507). No dia 13 de junho, a partir das 14h, será exibida a maratona com os cinco filmes da saga.

Link para o filme: https://youtu.be/xg7pQdNKsc4

Ficha Técnica
Agência: Mirum Agency
Diretor de criação: Filipe Matiazi
Coordenação Criativa: Victor Keiti
Criação: Carlos Franco e Danilo Nagami
Produtora de áudio e vídeo: Erik Gustavo (Marcelinho)
Producer: Paulo Setti
Atendimento: Patricia Rogoski, Andressa Sucodolski, Ana Oliveira
Estratégia de Mídia: Bruno Seus, Antonela Fabiano e Gustavo Hipolito
Aprovação Cliente: Veronica Leao Guerriere, Gabriela Piffer Rodrigues e Felippe Sampaio Toloi

Leia Mais
Vai e vem

Retail Media reforça comercial

Cleber Alucci chega para realizar atendimento direto a clientes

Mesmo com a retração da situação atual, e com a maioria dos trabalhos sendo realizados remotamente, a Retail Media continua operando com força total e reforçando sua estrutura comercial. A empresa, agora, anuncia a contratação de Cleber Alucci. O executivo chega para reforçar a equipe comercial liderada por Mário Leão.

Cleber Alucci chega para atuar com foco no atendimento a clientes diretos, trazendo grandes experiências em empresas do mercado de comunicação com passagens pela Zoox Smart Data e b.Drops, Helloo, Elemidia e Jornal Valor Econômico.

 

Leia Mais
Publicidade

Rádio Rock 89 lança campanha em prol dos pequenos negócios

A Rádio Rock acaba de lançar a campanha Unidos pelo Pequeno – 89, projeto que irá divulgar de forma solidária os pequenos negócios que estão entre os setores mais afetados durante a pandemia do novo coronavírus. O avanço da crise no Brasil obrigou autoridades políticas a tomarem diversas medidas de segurança para evitar a disseminação do Covid-19. É preciso ficar em isolamento domiciliar.

Entre as principais medidas, está o fechamento de diversos estabelecimentos ao público como bares, cafés, restaurantes, casas noturnas, shopping centers, galerias e estabelecimentos congêneres, academias e centros de ginástica, espaços para festas, casamentos, shows e eventos, além de escolas públicas ou privadas. A recomendação do Ministério da Saúde é de que a circulação de pessoas em todo o Estado de São Paulo se limite às necessidades imediatas de alimentação, cuidados de saúde e atividades essenciais.

Um dos setores mais afetados são os pequenos negócios, que já começaram a sentir os primeiros efeitos da pandemia, sem fluxo de caixa para contas mensais e pagamentos de salários. De acordo com os últimos dados divulgados pelo RAIS ( Relação Anual de Informações Sociais) o total de pessoas empregadas nas pequenas empresas é de de 46,6 milhões. Pensando nesse cenário, a Rádio Rock acaba de lançar a campanha Unidos pelo Pequeno – 89.

Como participar?
Através do direct da página no Instagram @aradiorock, o empreendedor deve enviar seus dados básicos: nome, nome da empresa, o que vende e se faz entrega. O perfil da empresa passará por verificação da equipe 89, que avisará a empresa, caso seja aprovada.

Como funciona a campanha?
Unidos Pelo Pequeno 89 é uma campanha, em parceria com o projeto @unidospelopequeno, fundado nas redes sociais pelo apresentador Dennys Motta. A ideia é ajudar as pequenas empresas a divulgarem seus serviços de forma gratuita.

Onde será a divulgação?
Ao vivo durante a programação da 89 e nos stories da página @aradiorock.

Leia Mais
Publicidade

Me tornei o que eu mais temia

Eu sempre fui o primeiro a chegar no serviço, mas também sempre fui o primeiro a ir embora, ali, no virar das 18h. Sempre fiquei na deprê com a musiquinha do Fantástico e meu ódio pelo Faustão ia muito além de suas piadas chatas e sua mania de interromper as pessoas, mas também pelo fato dele apresentar seu programa no final da tarde na véspera de uma segunda-feira.

Sempre postei memes do tipo: “odeio segunda-feira” ou “sextou”. Me casei com uma workaholic e sempre me olhavam torto nas agências que trabalhei por ir embora no horário, sendo que ninguém me parabenizava por chegar antes de todo mundo e ainda fazer o café. Tenho um irmão obcecado por trabalho e fui criado por um homem que, se deixar, vai trabalhar até depois de morrer. Mas nunca fui um workaholic, embora seja apaixonado pela minha profissão.

Sabe, sou um cara sistemático. Sempre fui muito focado no trabalho e concentrado dentro do meu horário de serviço, é fato. Mas quando dava meu horário eu costumava desligar a chavinha e curtir minha vida pessoal, tomar uma cerveja, ler meus livros, assistir minha televisão, escrever meus textos, namorar, sair…

Até eu abrir minha empresa.

Cá estou eu. De empresa aberta, com meus próprios clientes, jobs intermináveis e fazendo o que amo e sendo meu próprio chefe, me tornei o que eu mais temia: um workaholic. Abro o notebook de sábado, de domingo, acordo às 5h, às 6h, fecho o note às 22h, às 23h, às vezes nem fecho. Às vezes durmo, às vezes acordo de madrugada e vou pro sofá “trabalhar um pouquinho”; afinal, tive uma ideia que não pode esperar amanhecer.

Hoje tomo bronca da esposa – aquela, workaholic –,  acordo antes do chorar do bebê (pensou que fosse me dar baile e tirar meu sono, Nick? Hehe eu acordo antes, meu filho), segundas são domingo, domingos são segundas e por aí vai. Horário de almoço? Nem lembrava que isso existia, como rapidinho pra voltar a produzir. Se isso um dia vai acabar e eu vou voltar a ser um cara normal? É o que eu mais tenho medo de me tornar.

Leia Mais
Publicidade

Dois gigantes do mercado de tecnologia se unem em parceria comercial para a América Latina

A Leyard, líder mundial em painéis de led, passa a distribuir suas soluções através da Anixter, líder global de soluções de network e segurança.

Um acordo latino americano de parceria comercial promete movimentar o mercado de painéis de led e monitores profissionais de grande formato.  A partir de março deste ano a Leyard inicia um novo modelo comercial com a Anixter. O objetivo é aumentar a operação da Leyard em toda a América Latina e consolidar a expansão na região por meio de revendas e integradores especializados.

Para lançar a parceria, convidamos a todos para nosso webinar SOLUÇÕES DE PAINÉIS DE LED E MERCADOS VERTICAIS. Este webinar abordará um panorama mundial de aplicação de mercados e linhas de painel de LED, aproximando os participantes das ofertas disponíveis na Anixter, conhecendo as tendências mundiais de Painéis de LED, Verticais de Mercado e Produtos aplicados na região da América Latina

Inscreva-se no link: https://bit.ly/39E4xQJ

Sobre o apresentador:

Dimas Gustavo de Oliveira atuou na Leyard como Account Manager, Gerente Comercial e Gerente de Produtos e Pré-vendas Brasil e Latam, completando 5 anos no mercado de LED, além de ter participado de projetos internacionais

Leia Mais
Publicidade

McDonald’s vai apoiar micro e pequenas empresas do setor de alimentação no Brasil

Rede compartilhará suas práticas e cursos internos de segurança alimentar para ajudar na prevenção de doenças

São Paulo, 19 de março de 2020 – A Arcos Dorados, maior franquia independente do McDonald’s no mundo, acredita na união de forças para que o país possa superar esse momento de pandemia causada pelo novo Coronavírus. Pensando nisso, a rede decidiu apoiar micro e pequenas empresas do setor de alimentação no Brasil, abrindo turmas de formação gratuita e online voltadas a profissionais que atuam nesse segmento.

Os cursos contarão com uma grade dividida em três pilares principais: Segurança Alimentar, Higiene e Desenvolvimento Sustentável, áreas em que a companhia é reconhecida internacionalmente por sua excelência. Essas são esferas fundamentais para garantir medidas de prevenção de contaminação por microrganismos, incluindo o novo Coronavírus.

“Nesse momento delicado pelo qual estamos passando globalmente e aqui no nosso país, decidimos compartilhar o nosso conhecimento com estabelecimentos que poderão se beneficiar dele da melhor forma e dar uma contribuição inicial para vencermos juntos esse grande desafio”, comenta Paulo Camargo, Presidente da Divisão Brasil da Arcos Dorados.

Além de sua reconhecida atuação no setor, atendendo os mais rigorosos protocolos de segurança do alimento, a Arcos Dorados também busca ressaltar a importância da educação. No Brasil, a companhia conta com um centro de formação, batizado de Universidade do Hambúrguer, que servirá como base para a iniciativa. A empresa investe por ano cerca de 40 milhões de reais em treinamento, contando com estratégias educacionais de ponta.

Com início programado para a próxima semana, os cursos terão inicialmente vagas limitadas. As inscrições serão abertas a partir de 23/03, por meio do site https://trilhas.info/. Poderão participar donos de pequenos estabelecimentos do setor e seus empregados.

“Nossa empresa está comprometida em apoiar a busca de soluções para esse contexto que estamos vivendo e entende que compartilhar sua expertise é uma das maneiras iniciais para contribuir. Estamos atentos e vamos continuar buscando oportunidades de cooperar com as pessoas”, explica Paulo Camargo.

Medidas da Arcos Dorados contra a COVID-19

A Arcos Dorados tem como prioridade proteger a saúde e bem-estar de seus funcionários e clientes. A companhia implementou um comitê focado especialmente em monitorar e agir em torno de diversos assuntos relacionados ao tema. Entre as iniciativas implementadas pela empresa, está o home office ou licença remunerada para seus colaboradores que pertencem ao grupo de risco, em todos os setores, inclusive restaurantes, e a recomendação de trabalho remoto para todos os funcionários da sede administrativa; suspensão de viagens e reuniões presenciais; reforço dos protocolos de higiene em todos os restaurantes da rede, como aumento na frequência da limpeza de equipamentos, totens de atendimento, portas, mesas e cadeiras; ampliação do número de dispensers de álcool em gel nos restaurantes; além da intensificação da comunicação interna com informações educativas sobre o tema.

Leia Mais
Conteúdo

Tudo é óbvio

Tudo é óbvio. Quem diz isso sempre estará certo. Na verdade, a frase faz total sentido se pensarmos que o autor tem razão por ter seus motivos para provar tal argumento. Afinal, com seu ponto de vista e com razões para acreditar em um determinado assunto, por que duvidar de algo que parece tão claro, não é mesmo?

Essa pequena frase é título de um livro que ganhei de um grande amigo há alguns bons anos, e que logo de início já me chamou atenção. Como assim você já chega afirmando que tudo é óbvio sem ao menos saber meu ponto de vista? Tanto me senti provocado pela frase que dei ao título desse artigo essa mesma afirmação.

O livro tratava de diversos assuntos, mas dois pontos me chamaram a atenção de tal modo que me fizeram compor o repertório de assuntos nerds quando necessário. Um deles era sobre o efeito manada, você já ouviu falar? O efeito manada é quando um cidadão é levado por uma multidão a cometer um ato por osmose sem ao menos saber o motivo, como no caso de um linchamento. Na maioria dos casos, a maior parte das pessoas envolvidas em um linchamento está lá linchando o sujeito sem saber o porquê e se, de fato, a pessoa está errada ou não. Isso se chama efeito manada. Parece óbvio, e é!

Outro caso aconteceu na Ucrânia, se não me engano, onde havia um problema a ser resolvido de doação de órgãos. Poucas pessoas eram doadoras, e o Governo não sabia o que fazer para reverter a situação. Ora, por que não mudar as regras? Então eles decidiram que os cidadãos passariam a ser doadores de órgãos por natureza, e quem não quisesse ser doador, teria que solicitar junto ao Governo, e não o contrário, entende? Parece óbvio, e mais uma vez, é!

Aprendi com essas lições que tudo é óbvio, desde que você aprenda a olhar do ponto de vista contrário ao seu. Afinal, todo ponto de vista tem suas razões para estar certo. É o que chamamos de empatia. E na nossa profissão, ter empatia é entender o cliente, é saber o que ele pensa, é descobrir o que ele realmente precisa, sacou? No fim, tudo é óbvio. Parece óbvio, né? E é!

Leia Mais
1 2 3 8
Page 1 of 8