close

Guilherme Crespo

Amigos do Mercado

Confira os vencedores da 4ª edição do prêmio Amigos do Mercado

Terminou às 23h59 desta quarta-feira, 25, a tão disputada votação para a quarta edição do prêmio mais amigável do mercado publicitário. Entre tantos memes e pedidos inusitados de votos, o grupo do Amigos do Mercado movimentou até o meio artístico nas campanhas dos candidatos. Pâmela Araújo, da Ogilvy, foi a vencedora com o maior número de votos, com 682 votos na categoria Mídia. Em diversas categorias, o vencedor só pôde ser de fato confirmado no último minuto.

 

Confira abaixo a lista dos vencedores, por categoria:

 

ANUNCIANTE
Glaucia Martinelli (Vivo) – 369 votos

 

BI
Ricardo Minervino (Disney) – 337 votos

 

CRIAÇÃO
Marília Costa (Leo Burnett Tailor Made) – 269 votos

 

PROFESSOR
Lelo Brito (Mackenzie) – 485 votos

 

ATENDIMENTO E NEGÓCIOS
Sabrina Pozella (Pullse) – 368 votos

 

CONTENT
Jade Gimenez Toledano (Viacom) – 291 votos

 

ESTAGIÁRIO
Carlos Alves (Grey) – 299 votos

 

EXECUTIVO
Vanessa Gregoraci (SBT) – 599 votos

 

OPERAÇÕES
Thais Bilbao (Globo) – 354 votos

 

MÍDIA
Pâmela Araújo (Ogilvy) – 682 votos

 

INTELIGÊNCIA DE MERCADO
Jemerson Farias (R7) – 278 votos

 

PLANEJAMENTO
Maurílio Filho (WMcCann) – 236 votos

 

PROFISSIONAL DE APOIO
Vera Vidal (VMLY&R) – 261 votos

 

RECURSOS HUMANOS
Gustavo Bronzelli (AlmapBBDO) – 219 votos

 

O AMIGO DO MERCADO
Luciana Valério (SBT) – 429 votos

 

 

Leia Mais
Conteúdo

Medgrupo surpreende público com maior e mais tecnológica tela de LED do Brasil

A Medgrupo – maior instituição de ensino médico do Brasil – surpreendeu seu público ao criar um painel de LED indoor com uma tecnologia jamais vista no mercado. Com apenas 16 cm de espessura, super slim, e excelente relação custo-benefício, a linha QF, utilizada na montagem do painel, transformou os auditórios da Lagoa da Barra, Barra da Tijuca e São Paulo em verdadeiros locais de espetáculo para as apresentações da empresa.

Somente em São Paulo, foram 266 componentes, em 82 m² da mais avançada tecnologia, montados em apenas uma semana, criando o maior painel indoor do Brasil. Criada pela Leyard, em ação conjunta com a AVGroup, integradora do projeto, a ação se tornou case de sucesso para a empresa.

Assista ao vídeo da instalação.

SOBRE A MEDGRUPO

Holding brasileira na área médica, a Medgrupo é focada no treinamento e cursos da área médica para estudantes e residentes de medicina para diversos concursos em todo o território brasileiro. Possui mais de 35 mil alunos e é considerada a maior empresa de ensino médico do Brasil.

Leia Mais
Conteúdo

Como o marketing sensorial impulsiona suas vendas?

Em um mundo instantâneo, conectado e viciado em distrações, as experiências é que são responsáveis por fazer os consumidores pararem e prestarem atenção no seu negócio. Assim, focar apenas em exibir seu produto já não é mais tão relevante quanto a alguns anos atrás.

Por isso, o marketing sensorial se tornou um investimento interessante para quem deseja fixar a marca na mente dos consumidores.

Afinal, perceptivelmente ou não, valorizamos bastante os pequenos momentos, sejam eles excêntricos ou cotidianos. A sensação de tomar um café fresco pela manhã, o alívio de sair de uma rotina pesada de trabalho ou mesmo a alegria de ver um vídeo de gatinhos são algumas das sensações que podem fazer parte da sua estratégia de marketing.

O segredo que nos esquecemos sobre os exemplos acima é que nossos cinco sentidos são peças fundamentais para trabalhar com o marketing sensorial. Mas como podemos definir o que é o marketing sensorial? Quais benefícios ele pode trazer para o seu negócio? Como criar estratégias eficientes?

É baseada nessas reflexões que a Três Meios se propôs a criar este artigo. Separe alguns minutos do seu dia e confira se o marketing sensorial é a estratégia ideal para você que deseja alavancar suas vendas!

 

Marketing sensorial: o que é?

A primeira coisa que precisamos compreender sobre o marketing sensorial é que em nenhum momento tentamos “empurrar” o produto para o cliente. Nada de dizer que você tem grandes descontos ou de ficar exibindo características sobre o seu produto.

Todas essas práticas estão diretamente relacionadas à parte racional do nosso cérebro, e não é essa a região que você está tentando atingir.

Pode não parecer, mas quando nossa parte emocional (ou inconsciente) toma as rédeas do pensamento, deixamos em segundo plano o nosso racional. Quantas vezes você já se pegou pensando sobre uma atitude que tomou para só depois entender que o acontecido fora apenas consequência de um impulso incontrolado?

Esse é apenas um dos exemplos que demonstram a potência do nosso emocional, e ele é importante! Importa porque age com intensidade na decisão de compra do consumidor.

Assim sendo, você já pode inferir que o marketing sensorial é capaz de oferecer uma experiência estabelecedora de conexões emocionais com o cliente.

Ora, mas seria esse um tipo de neuromarketing?

Não exatamente. Apesar do marketing sensorial trabalhar com nosso sistema nervoso, não há como engloba-lo dentro do neuromarketing, eles possuem propostas diferentes.

No próximo trecho, segue a principal diferença entre o neuromarketing e o marketing sensorial.

 

Por que não neuromarketing?

Apesar de ambas as práticas estarem relacionadas ao cérebro humano, o neuromarketing e o marketing sensorial são bem diferentes entre si.

No neuromarketing utilizam-se estudos neurológicos para as práticas de marketing: é a busca por padrões e comportamentos de compra dos consumidores.

O neuromarketing e o marketing sensorial trabalham com aquilo que é sensível ao consumidor

Tal como as sensações, os padrões de comportamento estão relacionados mais à nossa parte inconsciente e menos às decisões conscientes. Por outro lado, a análise comportamental explora mais a nossa essência “automática” — ou seja, se baseia naquilo que fazemos sem pensar. O neuromarketing estuda, em sua maioria, os hábitos.

A abordagem do marketing sensorial é diferente: enquanto o neuro se preocupa em explorar atividades habituais e utiliza delas para influenciar sua decisão de compra, o marketing sensorial apela para os momentos especiais usando, para tanto, os cinco sentidos.

Normalmente, os sentidos explorados são conectados àquelas memórias afetivas ou nostálgicas como o cheiro do bolo da avó, do perfume da esposa ou o sentimento de paz que alguns têm ao se deparar com o campo.

Resumindo: o neuromarketing estuda o que é habitual enquanto o marketing sensorial estuda o que é especial. Abaixo, você confere três das principais vantagens alcançadas nas vendas quando se conta com o marketing sensorial.

 

3 vantagens do marketing sensorial

  1. Cria vínculo emocional

Se você estimula boas memórias ao público, é possível que comecem a associar uma sensação semelhante à sua marca. Ou seja, sempre que sentirem um cheiro correlacionado a esta memória ou olharem para o seu slogan, vão se lembrar da sua marca;

 

  1. Estimula o desejo de compra

Quem nunca viu uma Coca-Cola gelada em um dia de calor e não ficou, de súbito, com vontade de tomar um refrigerante? A sensação de frescor da bebida estimula sua vontade de comprá-la, e esse é um sentimento poderoso;

 

  1. Desenvolve identidade

O marketing sensorial não apenas serve para estimular as boas memórias e sensações, mas para vincular sua marca a elas.

As esfihas do Habib’s são um bom exemplo: só pela observação você já se torna capaz de distinguir qual alimento pertence à rede de fast-food e qual foi feito por outra lanchonete ou restaurante.

Por que o marketing sensorial funciona?

Desde o início deste artigo até o presente momento você percebeu uma forte tendência produzida por nossas sensações na capacidade de raciocínio, certo? Esse é o principal motivo pelo qual o marketing sensorial funciona.

Mas não pense que isso pode ser feito de qualquer jeito, pois seu mau uso corresponde ao efeito contrário da proposta: espantar sua clientela. De uma maneira ou outra, o marketing sensorial afetará o público, e o melhor é que saibamos como usá-lo para aproveitar seus efeitos positivos.

Afinal, assim como a associação das sensações positivas pode impulsionar um consumidor para a compra, errar na estratégia pode fazer com que ele sinta algum tipo de repulsa, evitando se aproximar de você.

O potencial de transformar os consumidores em admiradores da sua marca ou de fazê-los sentir uma forte conexão com suas propostas é justamente a razão pela qual o marketing sensorial tem sucesso, e dificilmente será substituído no futuro.

 

3 cases bem sucedidos de marketing sensorial

  1. Dunkin Donuts: os bolinhos do Dunkin Donuts são reconhecidos no mundo inteiro, e a marca faz questão de aproveitar isso.

Uma das ações mais conhecidas no marketing sensorial foi o momento em que a empresa colocou dispensadores de aroma em um ônibus na capital da Coreia do Sul, distribuindo o cheiro característico do café servido nas lanchonetes da marca

É claro que a ideia não surgiu apenas para deixar o veículo cheirando a café: o aroma foi dispensado de maneira estratégica, sempre que um anúncio da marca era transmitido pela rádio interna do ônibus.

  1. Hotel Marriott: usando a tecnologia de realidade aumentada — aquela usada no popular game Pokémon Go —, o Hotel Marriott levou seus hóspedes a incríveis destinos de viagens. E nota-se: em toda experiência havia disponível um hotel da marca.
  2. McDonald’s: além de ser uma rede de fast food, o McDonald’s é um gigante do marketing. Tanto que é impossível dissociar a combinação de cores vermelha e amarela da marca, caracterizada pelos famosos “arcos dourados” em um fundo vermelho.

 

Como usar o marketing sensorial para vendas?

Notou que, dentre os três exemplos, ao menos um dos sentidos corporais era estimulado? Neles é que estão a base do marketing sensorial, e cada uma das sensações pode ser aproveitada de uma maneira diferente.

Para demonstrar como a utilização do marketing sensorial impulsiona suas vendas, vamos exemplificar, logo abaixo, uma estratégia para cada um dos nossos cinco sentidos!

 

5 estratégias, cinco sentidos

  1. Audição

Também chamado de marketing sonoro, o uso da audição pode ser um gatilho para que sua marca seja identificada de longe. Uma boa estratégia é contratar um especialista para criar uma música exclusiva para sua marca.

Apostar naquela trilha sonora única faz parte do marketing sonoro

Se você é do Rio de Janeiro, certamente se lembra da música do Metrô Rio (e talvez ela esteja tocando em sua cabeça nesse exato momento). Podemos dizer que esse também é um case bem sucedido de marketing sensorial.

Outro case de sucesso, é o da empresa Mahogany, que decidiu impactar mais o seus consumidores utilizando uma playlist em suas lojas. Mas não foram quaisquer músicas, a marca decidiu pensar em canções que que iam na direção no modo como a empresa se posiciona no mercado.

Dessa forma, toda vez que um consumidor ouve uma determinada música, ele pode remeter à Mahogany.

  1. Olfato

Sua marca não precisa ter um produto com um cheiro característico como no exemplo do Dunkin Donuts. Essas fragrâncias também podem estar associadas a memórias comuns.

Por exemplo, se você possui uma confeitaria que faz bolo artesanal, pode usar dispensadores de aroma com o cheiro de bolos tradicionais caseiros, como bolo de milho, aipim ou chocolate.

Embora não estejamos sempre atentos a isso, os cheiros marcam nossa experiência cotidiana

Muitos consumidores comiam esses “bolos de avó” na infância. Por isso, esses cheiros certamente ativarão uma sensação nostálgica daquela época, atraindo-os para a sua loja.

Um exemplo que deu muito certo foi a empresa Heinz que, para divulgar seu novo sabor de Ketchup bacon e cebola caramelizada, instalou em alguns abrigos de ônibus, na Av. Brigadeiro Luiz Antonio, um dispositivo que disparava o aroma de cada sabor.

As pessoas que estavam aguardando o ônibus podiam sentir o cheirinho do produto, aguçando a fome dos que são apaixonados por bacon e cebola caramelizada. Com isso, as chances do público comprar o novo produto quando for ao mercado são maiores, já que eles já sabem o cheirinho do ketchup.

  1. Paladar

Seu produto tem um sabor particular, mesmo que seja algo tão comum quanto batata frita? Você chegou a este sabor por conta de alguma combinação de temperos que a concorrência não conhece? Então aproveite essa oportunidade e use-a como parte de sua estratégia de marketing sensorial para vender mais!

Faz parte do marketing sensorial os sabores marcantes e as lembranças particulares

  1. Tato

Este talvez seja o mais complicado, e muitas vezes é confundido como um marketing de experiência. Mas você também pode explorá-lo como marketing sensorial, e as lojas de móveis são bons exemplos.

Já reparou que os móveis são dispostos nas lojas como se o ambiente fosse uma sala de estar? Pode parecer bobo, mas isso é feito para lhe passar a sensação de familiaridade, de como seria se a sua própria sala estivesse mobiliada com aqueles produtos. Tentar dispor seus produtos de uma maneira que simula a experiência sensorial já vivida pelo consumidor pode ser uma boa ideia!

Outra forma de atingir seu público, através do tato é fazer como a marca de Pão Açúcar: buscando divulgar seu novo jeito de vender, colocou gôndolas virtuais OOH nas estações de metrô Butantã e Faria Lima, em São Paulo. A intenção era mostrar ao passageiros como fazer compras pode ser prático e rápido.

Para isso, os passageiros que precisavam apenas baixar o aplicativo da rede varejista e fazer suas comprar através do leitor de código de barras. A ação foi muito bem recepcionada e a rede conseguiu atingir seu público de uma forma inusitada;

  1. Visão

De outro lado, a visão acaba sendo a opção mais fácil para elaborar estratégias de marketing sensorial. Tal como as esfihas do Habib’s, facilmente reconhecíveis, e a logo do McDonald’s, que pode ser vista de longe, pense em estratégias que utilizam determinadas cores que destacam seus produtos de maneira a conectar e impressionar seus clientes.

Isso pode tanto ser feito com produtos premium quanto com os mais básicos. Já viu os vídeos da famosa batata de Marechal, aquelas que inundaram a internet na época das Olimpíadas do Rio 2016?

Mostrar como as batatas são dispostas na marmita e na sacola foi o suficiente para atrair a curiosidade não só dos cariocas, mas de diversos brasileiros (e até estrangeiros), que formaram filas em frente à barraca. Vale mencionar que o bairro de Marechal Hermes não fazia parte do circuito olímpico.

O McDonald’s acabou de ganhar o Grand Prix de Outdoor por sua ação,chamada de campanha “Next Exit”  de padronização do sistema de sinalização rodoviário e metropolitano, facilitando a chegada dos consumidores até as lojas mais próximas deles.

A ideia foi usar as curvas da letra M como uma espécie de anúncio minimalista, com frases como “Próxima saída” “À sua direita”.

Dessa forma, a rede de fast food atingiu seu público usando o marketing sensorial, através de uma campanha simples e que condizia com a imagem da marca.

Gostou do conteúdo? Quer saber mais de OOH? Fale com a Três Meios.

Leia Mais
Publicidade

Prêmio Amigos do Mercado 2020: saiba como votar

Vote nos seus candidatos preferidos das 15 categorias ao Prêmio mais amigável do mercado publicitário.

Começou na madrugada desta segunda-feira a votação para a quarta edição do Prêmio Amigos do Mercado. E os candidatos já deram início às suas campanhas nas redes sociais pedindo seus votos. Das mais criativas maneiras, com utilização de memes e apelos dos mais diversos e inusitados tipos, os candidatos esperam os votos dos amigos do mercado que podem ser computados até o dia 25 de novembro às 23h59, não mais do que isso!

A premiação – que reúne 150 finalistas em 15 categorias dos mais diferentes segmentos da área da publicidade – já tem data marcada e acontecerá no dia 03 de dezembro.

 

SAIBA COMO VOTAR

A votação acontece exclusivamente dentro do grupo Amigos do Mercado, no Facebook, somente para membros. Para se tornar um participante, é necessário ser um profissional ou estudante da área de publicidade, propaganda, marketing ou área correlata. Se você ainda não faz parte do grupo Amigos do Mercado, basta solicitar a participação, responder algumas perguntas e, após a validação da moderação, buscar a enquete da categoria desejada e votar no(s) candidato(s) desejado(s). Sim, é possível votar em mais de um candidato por categoria.

Então não economize no voto. Apoie seu candidato, ajude-o na campanha e fique ligado para ver quem serão os vencedores da quarta edição do Prêmio mais amigável do mercado publicitário.

 

SOBRE O AMIGOS DO MERCADO

Grupo que reúne mais de três mil usuários em grupos de WhatsApp segmentados por região e área de atuação; mais de 33 mil membros no grupo fechado do Facebook e mais de dois mil seguidores no Instagram, o Amigos do Mercado tem por objetivo tornar o mercado publicitário mais amigável. Surgiu em 2015 e, desde então, permite que os membros, através dos canais mencionados, troquem contatos, vagas de emprego, currículos e notícias do mercado publicitário. Além disto, realiza uma série semanal de lives com profissionais de agências, veículos e anunciantes para falarem sobre a área e mudanças que ocorreram em decorrência do período pandêmico.

 

Leia Mais
Publicidade

Como abrir espaço para as múltiplas culturas na propaganda?

Esse é um dos temas abordados durante o Cupp Summit Festival, evento organizado pelo Curso de Publicidade e Propaganda da Univille

Inspirados em propostas e temáticas que frequentemente vem sendo abordadas pela propaganda no Brasil e em outros países, a organização do Cupp Summit Festival, formada por professores e acadêmicos, traz de 27 a 29 de outubro, a temática “a publicidade e suas múltiplas culturas”, para o evento em 2020. Serão quatro painéis e duas sessões de entrevistas, envolvendo profissionais da área de propaganda, design e gestão mercadológica. “Ter esse assunto na pauta de discussão é muito importante, não só pelos movimentos sociais que nele estão inseridos, mas pela necessidade de ouvirmos vozes de diferentes regiões do Brasil falando sobre propaganda”, observa o coordenador do curso, prof. Dr. Silvio Simon.

Na abertura, dia 27, um painel reúne três profissionais que irão discutir “como abrir espaço para as múltiplas culturas na propaganda”. A intensão é provocar um diálogo sobre acessibilidade, representatividade e pluralidade, não só em relação a temas que compõem a propaganda, mas também o acesso de profissionais nas empresas que compõem o trade. Estarão nesse painel Vico Benevides (Executive Creative Director na GTB), Gabrielle Paulino (Gerente de B. I. na Agência GUT) e Paula Ganem (Diretora de Comunicação Corporativa da Publicis).

O outro painel dessa noite, em formato de entrevista, envolve o papel de quem constrói informação na propaganda, com o tema “O que a mídia tem a dizer sobre isso?”. Será o momento de ouvir Bruna Calmon, apresentadora do programa Reclame (Multishow), Leonardo Araújo, Editor do site PROPMARK, e Jailson de Sá, editor do portal Acontecendo Aqui. O portal, de Santa Catarina, tem muita relevância no meio catarinense, sendo um dos maiores sites informativos na área de comunicação do país.

O segundo dia (28/10) começa circulando pelo Brasil. Segundo Simon o foco é mostrar o que é produzido em propaganda além do que conhecemos em Santa Catarina, ou, São Paulo, por exemplo. Com o título “Publicidade com sotaque” o painel terá a participação de Moema Duarte (Oficina Comunicação – Caruaru/Pernambuco), Gustavo Greco (Greco Design, Belo Horizonte/Minas Gerais) e Laura Resende (Podcast Publicitários com A, Cuiabá/Mato Grosso), sendo que esta em negociação a participação de um profissional com atuação no meio publicitário em Rio Branco, Acre.

Encerrando a noite, o Cupp Summit Festival terá uma entrevista com dois profissionais que irão dialogar sobre “O poder da inclusão”. A ideia da entrevista é que Priscila Coral (Exit Comunicação/Joinville) e Rodolvo Sonnewend (Arquitetos da Criatividade/São Paulo) sejam instigados sobre mulheres na criação e pessoas com deficiência nas agências de comunicação. Assim como nos outros dias do evento, estudantes do curso de Publicidade e Propaganda da Univille serão os responsáveis por conduzir as apresentações e esta entrevista.

Para o último dia (29/10), a primeira atração é o painel “criadores de conteúdo”. Estarão presentes Gabriel Bernando, egresso do curso da Univille e que tem atuado na plataforma TikTok, e Celine Ramos, Head Gerência na Mosaico. A Mosaico tem se destacado como uma das agências com forte inserção e acompanhamento na construção de conteúdo por influencers nas plataformas digitais da internet.

Para finalizar o evento, Raphael Augustus, jornalista da NSC TV Joinville, irá fazer uma entrevista com profissionais que atuam na propaganda. A ideia é que se possam ter momentos de discussão sobre “o que pensam @s profissionais da propaganda?”, em relação a publicidade e suas múltiplas culturas. Participam da entrevista Dilma Souza Campos (CEO Outra Praia e conselheira da Associação de Marketing Promocional), Ary Nogueira (diretor de arte na agência Gana) e Bruna Lisboa (CEO da Climb Marketing/Florianópolis). Nessa noite, destaca para Dilma Souza Campos que é autora de um dos capítulos do livro Publicidade Antirracista – reflexões, caminhos e desafios (Editora ECA/USP), que na última sexta (23/10) foi indicado como finalista, na categoria Economia Criativa, do 62º Prêmio Jabuti.

As inscrições para o Cupp Summit Festival são gratuitas e podem ser feitas no https://www.sympla.com.br/cupp-2020—a-publicidade-e-suas-multiplas-culturas__102295. A transmissão irá ocorrer pelo canal Univille Play, que a Universidade possui no YouTube.

Serviço:

O quê: Cupp Summit Festival

Quando: 27 a 29/10/2020

Onde: Transmissão pelo Univille Play (YouTube)

Inscrições: https://www.sympla.com.br/cupp-2020—a-publicidade-e-suas-multiplas-culturas__102295.

Mais informações: https://www.facebook.com/cuppuniville ou https://www.instagram.com/cuppuniville/

 

Leia Mais
Publicidade

Vídeo inédito mostra ação da Leyard para a Torcida Virtual no estádio do Corinthians

Em parceria com a Anixter, IBM e Cisco, a Leyard – líder mundial em painéis de LED – trouxe à Neo Química Arena mais diversão e alegria para o futebol brasileiro. Com um painel de 100 metros quadrados instalado na arquibancada, bem à beira do gramado, as empresas criaram um sistema inteligente que conecta a torcida aos jogadores de maneira única e cheia de energia.

“É uma forma de fazer com que o torcedor fique mais perto do time, incentivando o Corinthians a todo o momento. A torcida virtual tem a função de levar o torcedor para dentro do campo, fazendo com que – mesmo em um momento de pandemia – a paixão não acabe e que o time não fique sem o apoio do torcedor”, declara Odair Tremante, General Manager da Leyard Brasil.

O projeto acompanhará todo o Campeonato Brasileiro e o contrato com o Corinthians tem duração de 5 anos. Após a pandemia, equipamentos serão convertidos em espaços de ativações das marcas parceiras do Corinthians na Arena.

SOBRE O PAINEL

O painel escolhido para montagem foi o modelo VLC8. Por possuir instalação rápida, permite montagem e desmontagem a qualquer momento. É superleve (cada gabinete pesa apenas 7 kg), ultrafino e resistente à água. Blindado, tem manutenção frontal e não possui ventilação forçada. Para melhor performance, traz 5000 nits de brilho, permitindo que a torcida virtual acompanhe o time durante todo o jogo em alta resolução.

SOBRE A LEYARD

A Leyard é líder mundial em painéis de LED de fine pitch e pioneira em oferecer experiência visual para seus clientes. Oferece produtos inovadores para diferentes frentes que vão desde grandes redes de postos de gasolina a redes de farmácia, eventos, exposições e gigantescos projetos personalizados. Possui premiações e certificações internacionais e profunda expertise em grandes desafios de audiovisual.

Veja o vídeo criado pela Leyard para o projeto Torcida Virtual do Corinthians clicando aqui.

Leia Mais
Publicidade

Tem início a venda antecipada para o McDia Feliz 2020

Já estão disponíveis os vouchers antecipados para a edição 2020 do McDia Feliz, uma das maiores campanhas para arrecadação de fundos em prol de crianças e jovens no Brasil.

Confirmada para o próximo dia 21 de novembro, a ação arrecada verba para o Instituto Ronald McDonald, que promove a saúde e a qualidade de vida de crianças e adolescentes com câncer e suas famílias, e para o Instituto Ayrton Senna, que contribui para ampliar oportunidades para os jovens por meio da educação. Na data em novembro, toda a renda obtida com a venda de sanduíches Big Mac em todo o país será revertida para essas duas grandes causas.

“Nossa expectativa é contar mais uma vez com a solidariedade dos brasileiros para essas duas causas tão importantes, que são a saúde e a educação. Crianças e jovens em todo o país contam com a verba do McDia Feliz todos os anos e estamos felizes em poder realizar o evento, mesmo em meio a um cenário tão adverso”, comenta Paulo Camargo, Presidente da Divisão Brasil da Arcos Dorados, empresa responsável pela operação do McDonald’s na América Latina e Caribe.

 

Como adquirir os vouchers?

Durante a pré-venda, que vai até a véspera da campanha*, empresas e pessoas físicas podem adquirir tickets para serem resgatados no dia do evento. Uma grande novidade no McDia Feliz este ano são os vouchers antecipados no formato digital, uma das iniciativas da marca para que todos possam contribuir com a campanha de maneira mais segura e conveniente.

 

Os vouchers no formato digital já estão disponíveis pelo site https://giftcard.mcdonalds.com.br ou diretamente pelo e-commerce do Instituto Ronald McDonald ou do Instituto Ayrton Senna.

 

Quem preferir adquirir os tradicionais vouchers físicos, deve enviar um e-mail com sua solicitação para os seguintes e-mails:

Instituto Ronald McDonald: mcdiafeliz@instituto-ronald.org.br

Instituto Ayrton Senna: mcdiafeliz@ias.org.br

O valor de cada voucher antecipado será o mesmo do último ano: R$ 17,00.

McProtegidos: Segurança para clientes e funcionários

Este ano, o McDia Feliz será realizado com uma série de medidas adicionais de segurança. Os clientes serão orientados a utilizar preferencialmente modelos com menor contato, como o McDelivery ou Drive-Thru, e os tradicionais eventos comemorativos nos restaurantes serão substituídos por ações de interação e engajamento online.

Além disso, os restaurantes da rede estão seguindo um protocolo especial de operação, que inclui o uso de máscaras, luvas e viseiras pelos funcionários, instalação de barreiras acrílicas nos pontos de atendimento, demarcação de distanciamento social e reforço nos procedimentos de higiene, entre outras ações que fazem parte da campanha McProtegidos.

*Consulte o regulamento completo em http://mcdiafeliz.com.br sobre o prazo de venda de cada modalidade de voucher antecipado.

 

Sobre o McDia Feliz

O McDia Feliz é o principal evento beneficente do McDonald’s e, atualmente, é uma das maiores mobilizações em prol de crianças e adolescentes no Brasil. A campanha é realizada no país desde 1988, gerando recursos para as instituições apoiadas pelo Instituto Ronald McDonald, que atuam para proporcionar mais saúde e qualidade de vida a crianças e adolescentes com câncer. Em 2018, o projeto ampliou seu impacto para beneficiar outra causa de grande importância para o país, a Educação, contribuindo para as ações do Instituto Ayrton Senna. Desde sua primeira edição, mais de R$ 300 milhões já foram arrecadados pelo McDia Feliz.

Sobre a Arcos Dorados

A Arcos Dorados é a maior franquia independente do McDonald’s do mundo e a maior rede de restaurantes de serviço rápido da América Latina e Caribe. A empresa tem o direito exclusivo de possuir, operar e premiar franquias das instalações do McDonald’s em 20 países e territórios nessas regiões e conta com quase 2,3 mil restaurantes, entre unidades próprias e seus franqueados, que juntos empregam mais de 100 mil pessoas.  A empresa também mantém um forte compromisso com o desenvolvimento das comunidades em que está presente e com a geração de primeiro emprego formal para os jovens, além de utilizar sua escala para alcançar um impacto positivo no meio ambiente. Por sua vez, está listada na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE: ARCO). Para mais informações sobre a Empresa, visite nosso site: www.arcosdorados.com

Leia Mais
Publicidade

Nova campanha do Banco do Brasil convoca clientes para cadastramento do PIX

A nova campanha do Banco do Brasil utiliza o conceito “Já Imaginou?” para divulgar os benefícios da ferramenta PIX, que será lançada em novembro pelo Banco Central. De forma leve e otimista, a campanha, criada pela WMcCann, incentiva os brasileiros, clientes e não clientes, a se cadastrarem no PIX, e divulga as facilidades de uso da nova ferramenta, que trará instantaneidade às transações bancárias. O cadastramento pode ser feito de forma rápida no site ou por comando de voz.

Com uma trilha sonora marcante e vários personagens, a campanha traz diversas situações de uso do PIX no cotidiano, como o ato de fazer compras e transferências em qualquer hora do dia, sete dias por semana, por exemplo.

A campanha será realizada entre os dias 5 e 18 de outubro. Com uma estratégia integrada, o planejamento contempla atuação com filme de 30” para TV aberta e fechada, filmes de 15” para uso na internet, peças de mídia display para grandes portais e mídia exterior em praças estratégicas, além do rádio.

Até o fim de dezembro, estão previstos novos conteúdos exclusivos com foco em públicos estratégicos do banco, assim como uma ação promocional com prêmios para quem cadastrar o PIX no BB.

O mote “Já imaginou?”, lançado recentemente, faz um convite para o público a idealizar o seu novo sensacional, seu novo incrível e suas novas conquistas e possibilidades.

Filme: https://youtu.be/u26t5Tp-QYY

Ficha Técnica

 

Agência: WMcCann
Cliente: Banco do Brasil

Produto: Mercadológico
Nome da campanha: Pix

CCO: Hugo Rodrigues e Kevin Zung

Diretor Geral: Alexandre Morais

Direção de criação: Fábio Ludwig
Criação: Fábio Ludwig, Gabriel Mesquita, Rodrigo Niemeyer, Rafael Teixeira, Ariane Melo e Ligia Mecenas e Anselmo Ferreira.

VP de Planejamento: Renata Bokel

Planejamento: Hugo Santos, Amanda Agapito e Luiz Hidd

Atendimento: Dilma Lima, Thais Santos, Melissa Lobo e Rafaela Assunção

VP de Mídia: André França

Mídia: Fernanda Magalhães, Guilherme Franco, Mireille Terra, Carolina Araujo, Paula La Croix; Filipe cunha e Fernanda Araujo.

VP de Produção: Tato Bono

Produção integrada: Cayan Lobo, Fabiana Diniz, Fabiana Dias, Marcio Kaloy, Sasha Vilela

Diretora: Livia Gama

Assistente de Direção: Simon

2ª Assistente de Direção: Marina Loducca
Diretor de Fotografia: Nixon Freire

Direção Executiva: Mayra Gama

Produtor Executivo: Fernando Fanucchi

Diretor de Produção: Davis Fabri

Produtora: Mayara

Produtor: Nicolas

Direção de Arte: Joaquim Corsiglia

Ass de Arte: Fran

Produtor de Locação: Felipe Sá

Produtor de Casting: Rafael Myga

Produtora de Figurino: Gabi Pinesso

Atendimento: Gabriela Fernandes e Natalia Pinheiro

Coordenação de Pós-produção: Diulle Fonseca e Augusto Medeiros

Atendimento de Pós-Produção: Diulle Fonseca

Montador: Fernando Avila

Finalizador: Tais Nascimento de Oliveira

Pós-Produção: Flame Post / Pepeu Sorrentino

Grading: Psycho’n Look

Produtora de Som: Hefty
Produtor: Edu Luke, Otávio Cavalheiro, Gustavo Boselli, Celso Moretti

Atendimento: Debora Carvalho e Daniella Cabaritti

Coordenação: Cristiane Oliveira
Fotografo: Bruno Cals

Assistente de Fotografia: Daniel Omaki e Caio Henrique de Toledo

Coordenação: Heitor Mendes

Projetos: Fabiano Mello e Raphaella Marmentini

Relações Públicas: Kerena Neves

Aprovação pelo cliente: Ana Claudia Kakinoff, Marcelo Mendonça, Elvis Kleber, Rafael Prandina, Isabela Brito, Thiago Jorge e Camila Lessa.

Leia Mais
Publicidade

11 dicas essenciais para qualquer publicitário

A vida de Publicitário, sobretudo de Redator, me trouxe muitos aprendizados. Muitos deles adquiri sozinho, muitos deles com pessoas importantes com as quais tive o prazer de trabalhar. Logo, fiz uma lista de dicas importantes e que acho que devo passar pra frente. Mas, para não ficar naqueles chatos “10” pontos, trouxe 11. Seguem:

1) Anote tudo: em reunião de briefing, ao sair do chuveiro ou enquanto faz suas necessidades, anote. Mesmo que você tenha memória de elefante!

2) Busque sempre referências: cansou? Busque mais! E entenda que referências devem ser apenas uma inspiração. Faça sua releitura, use sua criatividade!

3) Duas ideias para o cliente: sempre leve para o cliente uma versão que ele pediu e uma versão que você sugere: o cliente deve ser atendido, mas você deve propor sua ideia. #valeuYa

4) Degradê é brega: foi-se o tempo que era bonitinho. Hoje não é mais. Deixe de lado. Não sou Diretor de Arte, mas tenho respaldo de 99% dos que trabalharam comigo. #faleiesaícorrendo

5) Nunca use mais de uma exclamação: nem mesmo se você for do varejão! Jamais utilize três exclamações. Eu já nem gosto de usar exclamação, mas se for usá-la, não use mais de uma, por gentileza. Obrigado.

6) Seja generalista, não mais especialista: o mercado valoriza profissionais que manjam de tudo um pouco, muito mais do que aquele que manja pra cacete de uma coisa só.

7) Se for usar duas telas, saiba que é pra sempre: pois é! Fica a dica. É irreversível.

8) Revise sempre seus textos depois de escrevê-los: você sempre encontrará erros em seu próprio texto. Ideal é que alguém revise seus textos pra você. Relaxa, é natural.

9) Não se apegue aos seus trabalhos. Eles terão alteração: gostou do seu texto? Nem adianta se apaixonar por ele, pois há grandes chances de que ele seja alterado, e nem é por maldade. Às vezes ele não se encaixa na necessidade do cliente.

10) Nunca tome café com açúcar: aprendi quando trabalhei dentro do cliente Nestlé. Atendia Dolce Gusto. E ninguém me deixava tomar café com açúcar. Hoje agradeço. Vai por mim!

11) Descarte sempre a primeira ideia, ela nunca é a melhor: e não é que é verdade?! A primeira ideia é a que todo mundo tem. Aprendi essa com o Renato Barreto, da DM9. Obrigado, Renato. É a mais pura verdade.

Espero que as dicas tenham ajudado. Acredite. Elas me ajudaram e continuam ajudando. E tem mais por aí. Onze é só um número de dicas que vieram à cabeça agora, mas se eu abrir uma cerveja e olhar para o horizonte por uma meia hora vem mais onze. Quem sabe em breve eu não escreva mais onze?

 

Leia Mais
Mídia

“Na mídia programática, exposição indesejada da marca não é e nem nunca foi regra”

Durante algumas décadas em nosso país, quando uma empresa desejava comunicar os reais atributos de seus produtos ou serviços aos seus consumidores finais, os caminhos para fazer essa comunicação eram os mesmos. Além da TV aberta, meio de comunicação com mais de 90% de penetração junto aos brasileiros, as empresas e suas agências de publicidade encontravam, ainda, a mídia impressa e, claro, o forte e importante rádio.

Porém hoje, muitos anos mais tarde, ainda que com o máximo respeito aos veículos e aos profissionais que atuam nessas frentes, devemos entender que é tudo muito diferente de antes. As coisas mudaram e a possibilidade das marcas entenderem o que seus targets realmente querem, como eles querem e onde eles estão tornou-se absolutamente possível.

A exposição paga de marcas no ambiente online trouxe às empresas anunciantes características bastante vantajosas e nunca encontradas até então nas mídias tradicionais, como por exemplo a possibilidade de mensuração de resultados de campanha, a interatividade com seus públicos em real-time, além da importante e tão desejada segmentação de público.

Poderíamos aqui até tratar detalhadamente das questões de interatividade e da mensuração, enormemente importantes e que permitem às marcas serem mais assertivas, estabelecerem um diálogo com seus consumidores e, claro, atuar de forma mais otimizada e rentável. Porém, o que queremos aqui discutir é a característica da segmentação de público.

A mídia programática é uma das mais relevantes formas de atuação em mídia digital e tem atraído bastante a atenção de gestores de marketing não só no Brasil, mas em todo o mundo. É uma mídia inclusive bastante democrática e, por isso, tem levado empresas pequenas e médias a anunciar até pela primeira vez. O fato ainda de possibilitar às marcas anunciantes maior otimização na compra da mídia, na implementação e na mensuração dos resultados obtidos, a torna por consequência também mais assertiva, contribuindo rapidamente para os objetivos de negócio das empresas.

Mas talvez a maior das diferenças esteja no fato de que a mídia programática quebra uma lógica imposta por profissionais de propaganda e publicidade por muitos anos: o foco não está mais no veículo de comunicação e sim, no target. Desta forma, nesse tipo de mídia estuda-se o comportamento das pessoas no ambiente digital e então a marca aparecerá somente para aqueles que desejam e que tenham demonstrado interesse naquele conteúdo. A mensagem de marca surge então, de forma contextualizada, para quem deseja receber aquele conteúdo, no momento que deseja, na frequência ideal e onde esse público estiver. Pode ser num site de esportes, na mídia social preferida ou mesmo dentro de um aplicativo que utilize. Certeza de gol.

Ocorre que nas últimas semanas, acompanhamos pela mídia um verdadeiro massacre ao setor de mídia programática.  O trabalho realizado pela chamada CPI das Fake News identificou e tornou público que o Governo Federal teria exibido ‘milhões de propagandas em sites maliciosos’ nos últimos meses e que isso ocorreu porque a veiculação se deu através de mídia programática.

“Na mídia programática, exposição indesejada de marca não é e nem nunca foi regra. O problema não está no uso da mídia programática. Está no uso inadequado da plataforma. Um planejamento bem feito cria filtros de brand safety, e a mensagem de marca aparece apenas em um ambiente seguro.”, diz Rodolfo Darakdjian, CEO da OPL Digital.

A OPL Digital é uma dessas empresas especializadas no tema. Com sede em São Paulo e também em Miami, nos Estados Unidos, a empresa investiu pesado na compra de tecnologia nos últimos anos, atua com uma DSP própria, e hoje tem como clientes governamentais, sendo alguns deles: Ministério da Saúde, Ministério do Turismo, Prefeitura de São Paulo, Eletrobrás, Caixa e Governo do Estado de São Paulo, além de clientes do setor privado como Schneider Electric,  BRF, Seara, Unilever,  Latam, Porsche, CCR, entre outras.

Para um anunciante que decida por comunicar seus produtos e serviços em mídia programática é extremamente importante que busque por empresas que sejam capacitadas e especializadas no tema. Prover cuidados básicos que impeçam as marcas de aparecerem em ambientes não seguros é essencial para quem trabalha com mídia programática.

Não se pode generalizar, e as recentes notícias que trataram das ações do Governo Federal não podem ‘carimbar’ ou marginalizar todo um mercado, que é composto por empresas e profissionais sérios e comprometidos com os resultados dos clientes. Uma ou duas empresas que tiveram tais equívocos não podem ser vistas como representantes de todo um setor. É importante ressaltar que mídia programática não financia o crime e nem patrocina e nem compactua com nenhum tipo de fake news. Atualmente existem políticas de brand safety que, inclusive, são atualizadas constantemente e que eliminam os sites impróprios ou maliciosos. As chamadas passlists, de uso bastante comum em mídia programática, possibilitam que a marca anunciante escolha exatamente os sites e aplicativos em que serão exibidos os anúncios, evitando destinos indesejados. Segurança na rede é preocupação número um de qualquer marca que esteja na rede.

 

Leia Mais
1 2 3 9
Page 1 of 9