close
Opinião

O profissional pato

Ontem, em uma conversa bastante informal com alguns publicitários, foi discutido o perfil do profissional que as agências procuram.

Iniciamos o papo, falando do estagiário de forma geral que, muitas vezes é contratado a preço de banana pelas agências e quando chega próximo de sua formação acadêmcia, é trocado por um novo estagiário.

A discussão tomou um rumo bastante interessante. Falamos da qualificação dos profissionais que atuam em agência e aquela turma chegou então a conclusão que hoje, pequenas e médias agências procuram o profissional que não seja especialista em um determinado assunto, e sim aquele cara que pode ajudar aqui e acolá. Procuram o cara que sabe fazer tudo aquilo que os outros profissionais dentro da agência fazem. Foi dado então o nome de profissional pato.

Explico.

O CAVALO CORRE MUITO BEM, MAS NÃO NADA BEM E NÃO VOA.

O PEIXE NADA BEM, MAS NÃO CORRE E NEM VOA.

O PÁSSARO VOA MUITO BEM, MAS NÃO NADA E NEM CORRE.

JÁ O PATO CONSEGUE FAZER TUDO ISSO, MAS NÃO CORRE BEM, NÃO NADA BEM E NEM VOA BEM.

É assim que funciona?

Sua empresa procura e dá valor ao profissional pato?

Qual sua opinião sobre isso?

 

 

Tags : agênciablog do crespoestagiárioformação acadêmicamídiapatoprofissionalpropagandapublicidade
Filipe Crespo

The author Filipe Crespo

Publicitário formado e Mestre em Administração com ênfase em Finanças. Profissional de mídia certificado pelo Grupo de Mídia de São Paulo construiu carreira em agências como Ogilvy, Africa, Y&R, JWT, W/McCann e Lowe, atendendo clientes como: P&G, Unilever, BRFoods, LG, Bradesco e Mastercard. Atualmente é Sócio Diretor do Creativosbr e Consultor de Mídia do McDonalds no Brasil. É idealizador do Amigos do Mercado. É também professor de Planejamento de Mídia na FECAP, na FAAP e no MBA do Mackenzie.

Comentários no Facebook