close

comunicação

Eventos

FECAP Cases traz grandes nomes para debater comunicação na Pós-pandemia

Fecap Cases Update

A nona edição se chamará FECAP Cases Update – Repense o Agora, será online e ocorrerá entre os dias 19 a 23 de outubro.

Um dos eventos mais tradicionais de Comunicação de São Paulo, o FECAP Cases acontece entre os dias 19 e 23 de outubro, das 19h às 20h40, de forma on-line, com a presença de marcas como Kondzilla, Tiktok, Facebook, Coca-Cola, Weber Shandwick/United Minds, Ketchum, Black Influence, Publicis, Uau Box e Alternativa F.  As inscrições devem ser feitas pelo link: http://abre.ai/casesupdate.

Realizado desde 2012, a nona edição se chamará “FECAP Cases Update – Repense o Agora” e, por conta da pandemia, será online pela primeira vez, com veiculação no Facebook do FECAP Cases e no Youtube da FECAP. As palestras são gratuitas e abertas ao público. A programação conta com um dia para cada foco nos temas: entretenimento, cultura do cancelamento, questões raciais, mercado dos eventos e futuro das marcas.

Um dos objetivos da programação é abrir um espaço de compartilhamento de informações sobre cases de comunicação, com a presença de grandes profissionais do mercado: como as marcas estão se comunicando hoje durante a pandemia? Como pretendem se comunicar após ela? O que esperar da comunicação após toda essa crise? São alguns dos questionamentos que serão abordados durante a semana.

PROGRAMAÇÃO

FECAP Cases: Update – Repense o Agora

Transmissão: Facebook da FECAP Cases e Youtube oficial da FECAP

 

Data: 19/10 – segunda-feira, das 19h às 20h40min

Tema: Entretenimento

Palestrantes: Rodrigo Costa, Diretor Comercial da Kondzilla e Rodrigo Barbosa, Community Manager do Tik Tok Brasil

 

Data: 20/10, terça-feira, das 19h às 20h40min

Tema: Cultura do Cancelamento

Palestrantes: Cecília Bandeira, Consultora de Digital Analytics da Ketchum e Helena Jacob, professora da FECAP

 

Data: 21/10, quarta-feira, das 19h às 20h40min

Tema: Questões Raciais

Palestrantes: Debora Mattos, Diretora de Operações de franquia na Coca-Cola; Luciano Balduíno, Event Marketing Manager da Latam no Facebook; Ricardo Silvestre, fundador na Black Infuence, Willian Assis, Supervisor de Mídia na Publicis para uma mesa de redonda mediada por Marcus Bonfim, professor da FECAP.

 

Data: 22/10, quinta-feira, das 18h30 às 20h40min

Tema: Panorama geral dos serviços por assinatura e o mercado dos eventos

Palestrantes:  Guilherme Brunhole, CEO da Uau Box e das  Ana Nani, sócia-diretora da Alternativa F Eventos

 

Data: 23/10, sexta-feira, das 18h30 às 20h40min

Tema: O futuro das marcas

Palestrantes: Rodolfo Araújo, vice-presidente de estratégia da Shandwick e líder regional da United Minds

 

Sobre o FECAP Cases

O FECAP Cases é realizado anualmente pelos alunos dos cursos de Comunicação com Ênfase em Publicidade e Propaganda e Relações Públicas do 6º semestre da FECAP, orientados pela professora da disciplina de Planejamento e Gestão de Eventos, Tânia Teixeira Pinto. Uma semana inteira de palestras que proporciona um ambiente promissor para debater sobre como o mercado está atualizando o modo de se comunicar, a nova realidade, novas atitudes e o novo jeito de fazer comunicação. Um dos objetivos é desenvolver alunos da instituição e compartilhar conhecimentos sobre cases de comunicação de grandes profissionais do mercado. Em 2017, com o tema Love Brands, p FECAP Cases venceu a categoria de melhor evento de comunicação da região sudeste, avaliado pelo portal imprensa. Já trouxe grandes nomes do mercado como: Nina Secrets, Ellora Haonne, Diva Depressão, Ifood, Warner Channel, Grupo Heineken, Itaú, Thaíde, RP Week, YouPix, SBT, Twitter, Lorelay Fox, Philips, Fox Media, Mc Donalds, Buzz Feed, Avon, Amazon, Outback, Kibon, Agência responsa, Rafael Cortez, Agencia F. Biz, Fini, Converse, Rádio Disney, Kibon, Dailus, Cabify, Eico, entre outras.

 

Sobre a FECAP
A Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP) é referência nacional em educação na área de negócios desde 1902. A Instituição proporciona formação de alta qualidade em todos os seus cursos: Ensino Médio (técnico, pleno e bilíngue), Graduação, Pós-graduação, MBA, Mestrado, Extensão e cursos corporativos. Dentre os diversos indicadores de desempenho, comprova a qualidade superior de seus cursos com os resultados do ENADE (Exame Nacional de Desempenho de Estudantes) e do IGC (Índice Geral de Cursos), no qual conquistou o primeiro lugar entre os Centros Universitários do Estado de São Paulo. Em âmbito nacional, considerando todos os tipos de Instituição de Ensino Superior do País, está entre as 5,7% IES cadastradas no MEC com nota máxima.

Leia Mais
Publicidade

Confira todos os indicados ao Prêmio Caboré 2020

Na última semana, o Meio e Mensagem divulgou os 42 indicados nas 14 categorias do Prêmio Caboré 2020.

Desta vez, diferente de todas as edições anteriores, o anúncio dos indicados ao prêmio se deu durante o Maximídia, que ocorreu de forma online do dia 28 de setembro a 01 de outubro.

A votação ao Caboré 2020 ocorrerá de 26 de outubro à 27 de novembro e poderão votar no Prêmio, apenas assinantes do Meio e Mensagem.

Os vencedores de todas as categorias serão conhecidos e anunciados em evento promovido pelo Meio e Mensagem, no dia 02 de dezembro.

Confiram os indicados:

 

Veículo de Comunicação – Produtor de Conteúdo

– CNN

– Folha de S.Paulo

– Turner

 

Anunciante

– Ambev

– Itaú

– PepsiCo

 

Empresário ou Dirigente da Indústria da Comunicação

– Fiamma Zarife (Twitter)

– Luiz Fernando Musa (Grupo Ogilvy Brasil)

– Marcio Toscani (Leo Burnett Tailor Made)

 

Agência de Comunicação

– Africa

– DPZ&T

– Suno United Creators

 

Profissional de Marketing

– Ilca Sierra (Via Varejo)

– José Cirilo (Seara)

– Marcio Parizotto (Bradesco)

 

Veículo de Comunicação – Plataforma de Mídia

– Globoplay

– Spotify

– Verizon Media

 

Profissional de Atendimento

– Carolina Vieira (David)

– Elton Longhi (FCB)

– Wilson Negrini (Lew’Lara\TBWA)

 

Profissional de Mídia

– Aga Porada (Wieden + Kennedy)

– Carolina Buzetto (Fbiz)

– Mauricio Almeida (Publicis)

 

Profissional de Veículo

– Aline Moda (Google)

– Fred Müller (SBT)

– Marcio Garcez (Facebook)

 

Serviço de Marketing

– Altermark

– Ana Couto

– Kantar

 

Profissional de Criação

– Hugo Veiga (AKQA)

– Rafael Pitanguy (Y&R)

– Sophie Schonburg (Africa)

 

Profissional de Planejamento

– João Gabriel Fernandes (Almap BBDO)

– Renata Bokel (WMcCann)

– Stella Pirani (Wunderman Thompson)

 

Profissional de Inovação

– Andre Fatala (Magazine Luiza)

– Ivan de Souza (Coca Cola)

– Stella Brandt (Liv Up)

 

Produção

– Boiler

– Kondzilla

– O2 Filmes

Leia Mais
Conteúdo

06 dicas para arrasar na entrevista de emprego

Se você está procurando a primeira agência de publicidade pra chamar de sua, ou até mesmo um veículo ou anunciante, esse texto é pra te ajudar a se destacar nas entrevistas de emprego!

Apesar de sermos – no geral – comunicativos, sempre tem algo que deixamos de fazer, então preste atenção nas dicas de hoje.

Expressão corporal
A grande sacada das entrevistas de emprego é a expressão corporal. Você deve passar confiança, proatividade e firmeza, mas sem deixar de ser você mesmo

Por isto, mostre que não está tenso, com os ombros relaxados e braços separados em cima da mesa. Estes são sinais básicos de que você está à vontade e receptivo para bater um papo com o entrevistador.

Dresscode
Não só o seu corpo fala, mas também a sua aparência. Ao contrário do que você deve estar pensando, não estou sugerindo que vá de social – a menos que seja o seu estilo.

Você deve se vestir bem, como se fosse sair para um shopping: uma roupa bonita, que seja do seu estilo e de preferência evitando decotes muito profundos. Você pode usar decote, mas a sacada é acompanhá-lo de uma peça elegante por cima, como um blazer ou echarpe.

Olho no olho
Sim, além do corpo e roupa, seu olhar faz toda a diferença. Uma pessoa segura das suas habilidades olha no olho do outro, pois sabe do seu potencial.

Por mais que seja difícil, olhe ao máximo nos olhos da outra pessoa. Se você se sente desconfortável, intercale olhar no olho esquerdo e no direito do outro, assim não fica com o olhar fixo e se sente mais à vontade.

Simpatia com a concorrência
Ao contrário do que muitos pensam, é importante – e muito – tratar os demais participantes bem.

Em processos seletivos em grupo, o avaliador quer compreender a sua capacidade de se relacionar com todos.

Por isto, não olhe apenas para ele, mas para cada concorrente que você tem, falando com simpatia com todos eles, mostrando que não está lá competindo – por mais que você esteja sim.

Objetivos na ponta da língua
Sim, as perguntas do RH já caíram de moda, como “qual animal você seria?” ou “porque merece esta vaga?”. Mas se tem algo que sempre precisam saber é: suas fraquezas, forças e objetivos.

É muito importante entenderem no que você é bom para verificarem se está alinhado com o que buscam; no que você é pior para compreenderem se suas dificuldades podem atrapalhar muito a sua estadia na empresa; e seus objetivos, que devem estar alinhados com os da marca.

Então, tire um tempo antes do grande dia para entender melhor sobre você, sobre as bandeiras que você defende e como você se vê naquela agência, veículo ou cliente.

Mostre que está preparado pra ontem
Não tem estagiário melhor para empresas do que aquele que se mostra pronto pro que der e vier.

Vá com caderno, caneta, agenda, o que for. Mas mostre que está pronto para tomar notas sobre o seu primeiro job caso te contratem naquele mesmo instante!

Anote sobre a empresa, sobre o processo seletivo ou algo que achar relevante. Só não perca o foco com rabiscos, ou então essa dica que era pra te ajudar acabará te atrapalhando no final.

E aí, está menos nervoso para a sua entrevista?

Acho que não, mas tenha certeza que pode se sentir mais confiante se seguir estas dicas no dia que for em busca do seu primeiro estágio!

Aproveite e anote todas elas no caderninho que eu sugeri estar ao seu lado no dia da entrevista!

Leia Mais
Conteúdo

Saiba vender bem o seu peixe

Não importa o quanto você tenha o know how sobre a sua área: se você não souber vender o seu serviço bem, ninguém irá apreciá-lo. Se o Sr. Alfredo vende peixes e atende a clientela de cara amarrada, não mostra como o produto está bem limpo e fresco, de fato mostrando o porquê do seu produto ser melhor que o do mercado, as pessoas não irão comprar dele.

É por isto que hoje trago algumas dicas de como você pode melhorar seu pitch e mais provavelmente conquistar o prospect, independente de vender peixes, arte na praia ou desenvolver campanhas.

Use as palavras certas
Muitas vezes ao apresentar nossa empresa, utilizamos palavras que costumamos falar quando estamos na posição de consumidor, e isto pode impactar a forma como o seu ouvinte interpretará o que você for dizer.

Por exemplo, se você disser ao Sr. Alfredo que ele vai “gastar pouco” te contratando porque você trabalha com um preço justo, ele focará na palavra “gastar”, e poderá pensar que não precisa realmente de você, que poderia dar um jeito sozinho pra não gastar dinheiro nesse momento. Isso é muito comum trabalhando com publicidade, principalmente quando se é autônomo, pois apesar dos empresários saberem que precisam do marketing, não querem pagar o necessário pelo serviço.

Porém, se você disser que ele fará um bom “investimento” te contratando, porque você entrega resultados a um preço justo, ele irá olhar para o seu serviço como um investimento de fato, como algo que ele realmente precisa, e aceitará melhor a sua proposta por sentir essa necessidade que os marketeiros tanto precisam gerar no cliente.

Por isto, utilize palavras como “investir” e “resultados”, sempre buscando mostrar que com você ele terá que pescar o triplo pra atender a demanda da sua tenda na Praia Grande.

Dados
Todos sabemos que dados são muito mais do que importantes: são necessários. Por isto, não venho sugerir que você utilize dados confiáveis ou atualizados, já que é imprescindível o fazer. É uma questão de como distribuir esses dados.

Se você jogar várias informações juntas para o seu cliente, além de ficar maçante, pode parecer que você decorou tudo e não consegue torná-los tangíveis à marca dele.

Por isto, distribua os dados ao longo da sua apresentação, seja criativo sempre contextualizando com a realidade, aplicando em ideias de campanhas que podem fazer com base neles, e principalmente provando que utilizando bem essas informações, a marca do seu prospect ascenderá.

Postura e simpatia
Eu não sei vocês, mas se quero comprar algo no shopping e me atendem mal, não importa o quanto eu queira aqueles óculos de sol. Eu não compro, e acredito que não seja só comigo. Ainda tem aquelas pessoas que compram, mas não consideram que tiveram uma experiência de compra satisfatória.

Como eu sei que você não quer perder vendas ou fidelidade de clientes por os atender mal, você deve apresentar uma boa postura corporal, falar com clareza e de preferência com simpatia, como o Sr. Alfredo fará depois de ler esse post.

Mostre que você está feliz em atender aquela pessoa, em desenvolver uma campanha para a marca dela. Seja você mesmo, só que o “você” que está no melhor dia da sua vida. Atenda bem, tenha postura, esclareça dúvidas e respeite o espaço do seu cliente pensar no que você está oferecendo.

Pode ter certeza que apresentar uma campanha criativa de braços cruzados e voz sonolenta não vende, mesmo que a ideia seja maravilhosa.

Esteja aberto
Por fim, esteja aberto ao que o cliente quer. Ouço quase que diariamente dos meus chefes na agência que no final quem está pagando é o cliente. Seu papel, independente da área em que atua, é mostrar o que acha melhor para ele e apresentar os riscos das demais opções, e cabe a ele optar pelo que ele acha melhor.

Receba bem feedbacks, tente encaixar o desejo dele no meio do seu plano de mídia, por mais que saiba que vender peixes na rádio não vá ser uma boa escolha. Basta você informar ao Sr. Alfredo que seria melhor se fizessem uma ação na praia ao invés de anunciar na rádio.

E aí, gostou do artigo? Foram dicas simples e reais que fazem a diferença na hora de conquistar o seu cliente. Muitas delas aprendi testando e percebendo que aceitavam melhor as minhas ideias quando as utilizava.

Espero que você consiga vender seu peixe melhor que o Sr. Alfredo que quer anunciar na rádio da Praia Grande.

Leia Mais
Digital

Live do Amigos recebe, na próxima semana, Ana Matozo, Bruno Campos, Marcos Saurin e Henrique Carsalade

Com o objetivo de unir os profissionais do mercado publicitário para um bate-papo semanal e virtual, o Amigos do Mercado vem realizando uma série de lives que debatem, entre outras coisas, o que aprendemos nas últimas semanas.

A Live desta semana acontecerá amanhã, dia 09 de junho, a partir das 18h30.

Nesta terça-feira, dia 09 de junho, participarão do bate-papo Ana Matozo, Head Comercial da Outdoor Social; Bruno Campos, diretor de marketing digital e mídia da GM na América Latina; Marcos Saurin, CEO da Myntelligence; e Henrique Carsalade, gerente comercial da Ameixa Produções e embaixador do Grupo Amigos do Mercado Minas Gerais. Eles irão contar suas experiências pessoais e sua visão geral de como o mercado e as empresas nas quais trabalham estão lidando com o momento atual.

A transmissão será pelo YouTube do Amigos do Mercado.

O Amigos do Mercado é uma rede que conecta profissionais de publicidade nas redes sociais e eventos.

Leia Mais
Publicidade

Dois gigantes do mercado de tecnologia se unem em parceria comercial para a América Latina

A Leyard, líder mundial em painéis de led, passa a distribuir suas soluções através da Anixter, líder global de soluções de network e segurança.

Um acordo latino americano de parceria comercial promete movimentar o mercado de painéis de led e monitores profissionais de grande formato.  A partir de março deste ano a Leyard inicia um novo modelo comercial com a Anixter. O objetivo é aumentar a operação da Leyard em toda a América Latina e consolidar a expansão na região por meio de revendas e integradores especializados.

Para lançar a parceria, convidamos a todos para nosso webinar SOLUÇÕES DE PAINÉIS DE LED E MERCADOS VERTICAIS. Este webinar abordará um panorama mundial de aplicação de mercados e linhas de painel de LED, aproximando os participantes das ofertas disponíveis na Anixter, conhecendo as tendências mundiais de Painéis de LED, Verticais de Mercado e Produtos aplicados na região da América Latina

Inscreva-se no link: https://bit.ly/39E4xQJ

Sobre o apresentador:

Dimas Gustavo de Oliveira atuou na Leyard como Account Manager, Gerente Comercial e Gerente de Produtos e Pré-vendas Brasil e Latam, completando 5 anos no mercado de LED, além de ter participado de projetos internacionais

Leia Mais
Opinião

O porta voz da sua marca deve ter mais fama ou Influência?

Em tempos de evidência do marketing digital, principalmente em cenário de consolidação e boom de redes sociais, considero totalmente relevante refletir a respeito de fama e influência, como propôs Bárbara Sacchitiello em artigo publicado no Meio & Mensagem. O meu intuito não é de trazer julgamento, apontar como certo e errado, melhor ou pior, e sim de procurar entender como e em qual ocasião selecionar personalidade mais famosa ou mais influente com determinado público. Bárbara discorre, embasada pela pesquisa “Most Influential Celebrities” realizada pela IPSOS, se a fama é sinônimo de influência enquanto marcas e empresas estão cada vez em busca de vozes em suas estratégias para difundir produtos e serviços. Ter fama não necessariamente significa ser influente, mas também não exclui a possibilidade.

Antes de continuar falando sobre fama e influência vamos falar sobre audiência e visibilidade, e relevância e intimidade. Grave esses termos, têm tudo a ver com a reflexão proposta neste artigo. A pesquisa citada pela Sacchitiello, considerou fama relacionada a popularidade, e influência relacionada a capacidade de promover mudanças e influenciar comportamentos. O estudo também observa que o grau de influência está intimamente associado a credibilidade e carisma. Fama e audiência, influência e intimidade. A fama está totalmente relacionada à exposição, a quantidade de vezes que a pessoa “aparece”, fato este indicado na pesquisa, visto que as pessoas listadas como “famosas” possuem relação direta com veículos de mídia de massa (TV, principalmente). Agora sobre influência… a tendência é pessoas confiarem em pessoas, em pessoas próximas. Frequentemente pedimos indicações de produtos e serviços, não é mesmo? Pesquisamos no Google (confiamos na marca), acompanhamos redes sociais, mas o que notavelmente tem peso maior em uma decisão de compra é a indicação de alguém “próximo”. E, na minha opinião, é exatamente aí onde mora a influência, na capacidade que o indivíduo tem de criar essa proximidade com seus públicos. Mesmo a distância, a sua audiência se sente próxima, e a pesquisa da IPSOS atribui esse “fenômeno” ao grau de comprometimento do “Influenciador”.

A fama é quantitativa. O influência é qualitativa. Mas um quesito não exclui o outro. Porém convenhamos, não se agrada Gregos e Troianos, o processo de influência também se dá através do caminho da segmentação. Mas pera lá. O que vale mais: fama ou influência? Vamos trazer para a realidade de uma marca e refazer a pergunta, o que vale mais audiência ou relevância, alcance ou engajamento? O papel do gestor não seria (ou não deveria ser) buscar desenvolver ambos os lados? Destinar esforços para aumento de relevância e engajamento e com isso estabelecer maior proximidade com seu público. Como também, não deixar de lado estratégias que aumentem a quantidade de pessoas que estarão predispostas a, quem sabe um dia, serem influenciadas pelo discurso.

Talvez o mais ideal seja comparar o momento da marca (e do possível porta-voz) e o objetivo da ação. Trazendo nomes bastante conhecidos como exemplo, uma marca X poderia fazer uma ação visando alcance com Rodrigo Faro em um momento, e em outro procurar gerar engajamento com Nathália Arcuri, buscando influenciar público com interesses mais específicos. E por falar em Nathália Arcuri, vale dizer que após ter gerado certo nível de influência na área de finanças, Nathália parece destinar esforços para aumento de audiência ou, como estamos falando neste texto, aumento da fama (Vide participação ativa na TV).

Se já diziam que “Quem não é visto não é lembrado”, podemos acrescentar que quem não gera confiança não é comprado?

Leia Mais
Marketing

3 passos que levaram a nubank à unicórnio

Apesar do banco digital ter cada vez mais concorrentes após se tornar unicórnio em 2018, ainda se mantém no topo de seu segmento. É tão verdade, que em outubro de 2019 alcançou o marco de 15 milhões de clientes com uma conta nu aberta – afirma o CEO da empresa, David Vélez.

 

Este posicionamento de líder no mercado digital faz com que as pessoas se perguntem: porque a Nubank é a preferida?

 

Pioneirismo

O fato desta startup ser a primeira Fintech no ramo financeiro faz com que os clientes em potencial sintam mais confiabilidade no serviço, por mais que muitos ainda tenham medo de investir seu dinheiro apenas virtualmente, visto a insegurança em serviços como e-commerce e serviço de motorista online.

 

Marketing de Relacionamento

A empresa estabeleceu uma relação muito próxima com seus clientes, que basicamente começou com os cartões: ao recebê-los, na embalagem há uma instrução pedindo que você se filme abrindo o pacote e colocando a #sounu. Esta ação foi tão bem aceita pelo público que os cartões começaram a vir sem os dados de segurança expostos para evitar clonagens.

 

Identidade Visual

Cá entre nós, aquele roxinho conquista corações. Além da cor destoar da maior parte das marcas que vemos no dia a dia, é uma nuância que deu um status de poder e elegância para o unicórnio, de tal forma que os clientes chegam a solicitar um cartão Nubank simplesmente para chamar de “seu”.

 

Pensando no case da Nubank, que tal você implementar estes três passos na empresa em que trabalha? Se ela não for pioneira no ramo, aposte da confiabilidade; relacione-se melhor com os clientes através das redes sociais e reinvente a identidade visual para que o target se identifique com o produto que consumirá, para que ele tenha orgulho de seguir, usar e abusar daquela marca.

Leia Mais
MarketingOpiniãoPublicidade

5 passos para escolher sua área

-Por Sophia Furlan

 

Escolher a faculdade já foi difícil, mas mal sabia eu que ainda teria que escolher um segmento dentro da minha área.

 

Por ter feito ensino técnico eu já tinha experiência como agência, mas fazia um pouco de tudo, e gostava de muitos dos jobs – menos Atendimento.

 

Enfim, comecei a estagiar para quem foi meu jurado da banca de TCC, hoje meu professor, coordenador de curso e chefe, e como se não bastasse um só, quis dar uma de Branca de Neve e ter 7.

 

Mas para ajudar você nessa árdua missão, separei alguns passos para você seguir:

 

Conhecer as áreas

Antes de tudo é necessário que você entenda o que a agência, anunciante e veículo fazem, para que assim possa seguir os próximos passos. Entenda a estrutura de cada um e as funções de cada cargo.

 

Entender o que você gosta

Saber as coisas que te atraem na área é muito importante para você entender o que você gostaria de fazer, assim você não vira um profissional frustrado por trabalhar com o que não gosta.

 

Entender o que você não gosta

Além do que gosta, saiba o que não te atrai muito, principalmente através dos trabalhos da faculdade, nos quais você consegue ver no que não é tão bom e o que não curte fazer.

 

Experimentar

Ter contato através do estágio é muito importante, pois é aí que você colocará a mão na massa e entenderá o que compete a você ou não. E isso não significa fazer estágios na mesma área. Pelo contrário: quanto mais diferente forem uns dos outros, melhor para você ter uma visão geral do Mercado.

 

Fazer o que gosta

Parece clichê, mas quando você é bom no que não gosta e tem dificuldade no que ama, está se torna uma decisão difícil. Aconselho que faça o que gosta independentemente de ser bom ou não, pois você pode se dedicar mais ao longo dos estudos e atuação.

 

Espero ter te ajudado a encontrar seu nicho dentro desta área linda e cheia de lógica! 

 

Daqui 3 anos volto pra contar pra vocês se ainda quero seguir Marketing mesmo!

Leia Mais
Opinião

Consultoria ou Agência?

Dentre as voltas que o mercado (que a vida) dá, vez ou outra me pego pensando: o que será mais eficiente: consultoria ou gestão de comunicação? O que poderá dar melhores retornos para a empresa: concentrar todos os esforços de comunicação ou terceirizar? Posso lhe afirmar que os consultores e agências de consultoria terão ótimos argumentos para convencer de que a consultoria é a melhor opção para a empresa. Por outro lado, gestores e agências de comunicação (e/ou de propaganda) tem toda uma base para contra argumentar e lhe provar que é a gestão que o contratante precisa. coque iphone 6 Ambas as opções serão eficiente para o cliente, basta entender qual é o momento. coque iphone x Mas o que o cliente precisa de fato? São diversos vieses a serem ponderados para essa decisão. É evidente o espaço que as consultorias têm ganhado no mercado, incluindo o de comunicação. O fato é que o que vai gerar resultado na empresa pode não ser uma nova comunicação e sim uma reestruturação do negócio, uma evolução do mindset corporativo, ou repensar os processos. coque iphone Antes de convidar os amigos, organize a casa para recebê-los. O mercado muda muito e as empresas precisam acompanhar essa evolução, e isso incluí as agências de comunicação. Por outro lado, a agência de comunicação tem a responsabilidade e a expertise de estabelecer diálogo com os públicos de interesse da empresa, que podem ser (e são) extensos e variados. coque iphone soldes De acordo com o porte e necessidade de comunicação pode ser inviável interiorizar a comunicação e ser importante ter uma agência. Precisamos entender e acompanhar as voltas que o mercado sempre dá. Vejo empresas que decidiram contratar equipe interna para gerir sua própria comunicação e com isso chamar a responsabilidade pra si sobre a ótica de reduzir custo, ter agilidade e mais relevância. E também vejo empresas que, pelos mesmos motivos, decidem contratar uma agência de comunicação. vente de coque iphone Diferentes empresas, em diferentes momentos do negócios, carecem de diferentes soluções. Mas quem disse que não dá para aliar a consultoria e a gestão de comunicação? Principalmente na busca pela relevância, a integração dessas duas frentes podem somar em um resultado sinérgico incrível. Contudo, o que vou dizer serve tanto para o contratado quanto para o contratante, o que fará a diferença é a empatia no negócio. coque iphone x É você, enquanto agência ou consultoria, entender e se preocupar de fato o que será fundamental na empresa, entender e respeitar qual é o momento dela.

Leia Mais
1 2 3 16
Page 1 of 16