close
Mídia

A Band “perdeu a mão” no CQC ou deve ter gente comendo cocô nos bastidores!

 

Leitores auxiliam na pauta do Blog do Crespo. E esse assunto foi levantado por alguns de nossos fãs semanas atrás!

"Baixaria pouca é bobagem".

Alguém já deve ter dito isso por aí, mas se ainda não disseram, ok, eu assino a frase.

Na TV aberta brasileira, baixaria sempre deu audiência. Bundas, brigas conjugais, jogar TV no chão, imagens de atropelamentos!

Tem gente que acha que tudo é válido para dar audiência. Tem gente que não!

A década de 90 foi só isso: baixaria! Principalmente aos Domignos!

E se é pra produzir conteúdo bizarro, fica a máxima, de que seja um "ruim bom". Mas "ruim bom" existe? O que é isso? Deixe-me explicar: ruim pra caral….! Faz um ruim direito, pow!

O povo gosta, ué. Triste, mas gosta!

Vamos voltar um pouco no tempo e lembrar do programa Pânico na TV, na RedeTV! As maluquices feitas pela produção com a Sabrina Sato e com o Bola rendiam bons índices no começo e por isso, se espalharam para as demais paniquete, apresentadores e até convidados!

No tempo que esteve na emissora, o Pânico na TV! teve média de 9, 10 pontos! Suas reprises que ocorriam às Sextas, rendiam 5, 6 pontos. Ambas exibições estavam semanalmente no TOP5 de audiência da emissora!

Enquanto isso, ali ainda em 2009 ou 2010, a Band resolveu apostar em um conteúdo diferenciado e no quesito humor, apresentou um tal de CQC. Formato argentino, cria aquela dúvida e tal, mas por ter uma pegada mais "política", conseguiu passar a ideia de um humor mais refinado.

Qual outro programa da história recente da TV brasileria, deixou os políticos em tamanha cilada como este? O CQC definitivamente aposentou o Casseta e Planeta! Os repórteres sempre muito bem treinados e com aquela pitada de ironia, dialogavam e questionavam os políticos, e ali, de frente às câmeras mostravam suas deficiências, que nos envergonhavam! Sim, vergonha alheia!

O CQC foi nosso defensor dentro do Congresso Nacional, como até então nenhum político que lá trabalhava, parecia ser!

Não era um formato jornalístico inventado pelo CQC, ok. Michael Moore já fazia isso, ao menos uma década antes, nos E.U.A.

Mas vejam que engraçado: o CQC não mostrava bunda, não falava palavrão, não ridicularizava celebridade e desta foma, atingia uma média de 6, 7 pontos e audiência.

Mas eu sempre preferi CQC do que Pânico! Creio que muitos de vocês também!

Não é de se imaginar, que os próprios interantes do CQC não gostavam do humor do Pânico e tiveram que "engolir" à seco aquelas contratações todas! Alguém duvida disso?

Sabendo disso, a emissora foi buscar o Pânico na RedeTV! e o colocou na grade para manter o estilo "popularesco" que já era característica do programa e e de seus apresentadores.

Tanto é que manteve até parte do nome do programa, que passou a se chamar então "Pânico na Band".

Com dois programas de humor na casa, a Band poderia manter o CQC no estilo mais "elitizado" do humor às Segundas e o "programa tragédia' aos Domingos! Mas, ao meu ver, eles tinham outros planos maiores para os programas.

De duas, uma: A Band "perdeu a mão" ou deve ter gente comendo cocô nos bastidores! (E nem vou colocar aspas no comendo cocô)

E digo bastidores, porque em frente as câmeras, já tem gente comendo cocô de verdade faz tempo!

Com o passaporte carimbado do Corinthians ao Japão, no final do ano, o CQC resolveu criar um concurso chamado "Um Louco no Jãpão" ou algo assim, que promete levar um "louco corinthiano" ao Japão para assistir ao time, desde que faça uma loucura por isso! O tamanho da loucura será analisa e julgada!

A maior loucura será escolhida pelo programa em data pré definida. Meu Deus!

Nas últimas semanas, o programa tem exibido cenas pitorescas de gente fazendo coisas absurdas para tentar provar que é o mais maluco dentre todos os outros corinthianos.

Vale tudo e já vi de tudo: torcedor entrando com a camisa do time na torcida do rival Palmeiras, tatuagem na cabeça com o logo da Band e dos apresentadores do CQC, marido ligando pra mulher e dizendo que à estava traindo (forjando), gente rolando propositalmante, gente tomando água do Rio Tietê, gente mudando nome no RG, raspando sobrancelha e algo muito pior já citado no título do post.

Até onde isso vai? O que tem a ver este quadro com o programa CQC? Tenho horror ao quadro em qualquer programa, mas se deseja mostrar o ruim, que seja no Pânico, programa muito mais "adaptado" à essa maluquice e "ruim de verdade"!

Qual é o bacana de ver essas pessoas fazendo essas coisas na TV? E pior, como tem idiota nesse nosso país!

Fico pasmo com o que tenho visto. O cara comeu merda! Não me contaram. Eu vi! Ele vai ser premiado por isso? Alguém tem orgulho disso?

Respeiro à Band, o Saad, o Fernando Mitre, o Bóris, o Boechat, o Joelmir, que está doente inclusive, e até o Tás! Mas duvido que eles não pensem, eplo menos em parte, como eu penso!

Desculpe, mas essa é minha opinião! E de outros que nos lêem diariamente. Conheço alguns integrantes do programa e do quadro de funcionários da emissora.

Encaminharei esse texto à eles. Duvido que respondam, mas como fui exposto à esse bizarro conteúdo, quero saber o que eles acham! Será mesmo que concordam?

Quero ver se darão aqui a opinão deles sobre o assunto! E que não me venham falar de liberdade de imprensa. Isso nada tem a ver com liberdade de imprensa.

Coloquem também a opinião de vocês!VVamos debater o assunto provocado pela emissora e não por nós!

Tags : abbertaaudiênciabizarroblogblog do crespoconcursoconteúdocorinthianscqccrespocrespocastdesafioemissorafilipe crespohumilhaçãojaãojogomídiapânicopropagandapublicidadetorcidatv
Filipe Crespo

The author Filipe Crespo

Publicitário formado e Mestre em Administração com ênfase em Finanças. Profissional de mídia certificado pelo Grupo de Mídia de São Paulo construiu carreira em agências como Ogilvy, Africa, Y&R, JWT, W/McCann e Lowe, atendendo clientes como: P&G, Unilever, BRFoods, LG, Bradesco e Mastercard. Atualmente é Sócio Diretor do Creativosbr e Consultor de Mídia do McDonalds no Brasil. É idealizador do Amigos do Mercado. É também professor de Planejamento de Mídia na FECAP, na FAAP e no MBA do Mackenzie.

Comentários no Facebook