close
Opinião

A eterna FACOS

Fonte: Pexels

Nesse último Sábado, não resisti e não me contentei com o que haviam me dito.

Resolvi ir até o local e ver de perto se aquilo era verdade ou se haviam se enganado.

Passei de carro, em frente, somente.

E infelizmente, era.

O tradicional prédio da FACOS localizado na Rua Euclides da Cunha, na Pompéia, em Santos, tinha mesmo ido ao chão.

Tentei segurar, pois minha namorada me observava.

Mas não consegui. Meus olhos lacrimejaram sim.

Talvez, alguns de vocês, me chamem de saudosista, sonhador ou até materialista.

Acontece que vivi ali, maravilhosos momentos da minha vida de estudante.

Foi alí, que aprendi bastante coisa sobre a profissão que paga minhas contas hoje; que tive excelentes professores e que faço questão de manter contato com eles até hoje; que aprendi o que hoje, tenho a oportunidade de ensinar.

Foi ali também que conheci também companheiros de sala que se tornaram amigos de verdade para toda a vida.

E depois de formado, era ali que eu ia para encontrar os amigos no bar que ainda se chamava Texas.

O prédio da Faculdade de Comunicação Social da Unisantos, a nossa FACOS era um dos mais tradicionais da cidade. Ali, se formaram grandes profissionais. Enfim, um prédio de história não só para Santos, mas para toda a Região da Baixada Santista.

A Unisantos foi a primeira a levar o curso de Comunicação Social à cidade de Santos e uma das primeiras do Estado, a abrir o curso de Jornalismo, décadas atrás.

No ano passado, o alerta já havia sido dado. Talvez eu não tenha me "ligado". Talvez eu devesse ter ido naquele jantar de despedida do curso de Publicidade daquele prédio.

Não fui. Pensei: "Qualquer hora volto aqui para visitar a biblioteca, ver os funcionários da limpeza, o japonês da cantina, ou o Sr. Roque".

Achei que pudessem manter o prédio para alguma outra função dentro da Universidade.

Mas era certo que a reitoria iria centralizar as áreas dentro de um mesmo prédio, novíssimo, lindo, localizado na Av. Conselheiro Nébias.

Mas, acho que não percebi o óbvio.

Sim, o curso continua, num campus lindo, maravilhoso, mas nunca mais será a Facos.

Como dói ver dois tratores e um caminhão dentro de um terreno que antes era a FACOS. Dói mais ainda, ver a placa anunciando um novo empreendimento da Gafisa.

Lógico. O bairro da Pompéia é um dos que tem o metro quadrado mais caro de Santos.

Sei que quando eu passar ali de novo, o prédio já estará levantado.

Só digo que dói.

Sei que tenho alunos que irão ler esse post de hoje e irão pensar: "Esse meu professor está louco".

Sei que quase que 100% dos alunos que tenho hoje, não tem essa relação de carinho com a universidade, como eu tenho até hoje, com a instituição em que me formei.

Dou valor a coisas pequenas aos olhos dos outros, mas enormes para mim, principalmente as coisas que me trazem lembranças de um maravilhoso tempo.

Tentei achar na net uma foto do Prédio para esse post, mas a única coisa que encontrei, foi um vídeo no Youtube.

O vídeo mostra a demolição do prédio e certamente foi feito por algum ex-aluno como eu, saudosista talvez.

Mas ficam as fotos pessoais e as lembranças.

A vida é assim e as coisas precisam evoluir.

As cidades precisam crescer. Tudo e todos são movidos a grana, inclusive eu.

Tudo um dia, irá virar prédio, inclusive, onde vocês estão nesse momento, ainda que seja um prédio, como era a FACOS.

 

 

 

Tags : abel netoblogblog do crespocomunicação socialdemoliçãodestruiçãoeuclides da cunhafacosformaçãojornalismomídiaprédiopropagandapublicidadereitoriaunisantos
Filipe Crespo

The author Filipe Crespo

Publicitário formado e Mestre em Administração com ênfase em Finanças. Profissional de mídia certificado pelo Grupo de Mídia de São Paulo construiu carreira em agências como Ogilvy, Africa, Y&R, JWT, W/McCann e Lowe, atendendo clientes como: P&G, Unilever, BRFoods, LG, Bradesco e Mastercard. Atualmente é Sócio Diretor do Creativosbr e Consultor de Mídia do McDonalds no Brasil. É idealizador do Amigos do Mercado. É também professor de Planejamento de Mídia na FECAP, na FAAP e no MBA do Mackenzie.

Comentários no Facebook