close
Entretenimento

A publicidade por trás do Round 6

Youngkyu Park/Netflix

A série Round 6 traz muitos questionamentos e aprendizados sobre a vida e a sociedade na qual vivemos, um dos motivos pelos quais ficou tão famosa. Segundo o próprio Co-CEO da Netflix, a série pode, inclusive, se tornar a mais vista de todos os tempos na plataforma.

Sendo um sucesso tão marcante e em alta, assistimos para trazer o olhar publicitário acerca da sociedade retratada, dos jogos e, é claro, da comunicação envolvida dentro da série. Vamos ver?

Conformidade Social

Um dos principais pontos abordados na série é o fato dos jogadores sempre imitarem uns aos outros, mesmo sem saber se estão fazendo o certo. No jogo Batatinha Frita 1, 2, 3, por exemplo, quando os primeiros jogadores começam a morrer, a maior parte continua correndo junto dos demais, mesmo vendo que continuariam sendo baleados.

A conformidade social fica explícita quando agem irracionalmente em grupo para fugir, bem como quando começam a jogar e percebem que não são mortos quando seguem as regras.

O mesmo ocorre diariamente em nossa sociedade: as pessoas seguem influencers, consomem marcas e frequentam comércios muitas vezes porque outras pessoas o fazem, e não porque elas possuem uma opinião sólida sobre essas marcas.

Estratégia

O jogo todo é pautado em estratégia e decisões racionais. Na sala VIP, um dos VIPs explica que, por instinto animal, as pessoas pegam primeiro os coletes do meio, e só depois os das pontas, por exemplo.

Porém, um dos pontos mais marcantes, é quando o jogador 001, num jogo em que todos imaginam ser de força, sugere usar estratégia: no cabo de guerra. Nesta cena, é possível compreender que, mesmo quando não parece de cara ser o mais importante, a estratégia prevalece.

Não era necessário ter a equipe mais forte, e sim cansar os adversários, jogar a força deles mesmos contra eles e só depois puxar o cabo. Assim, a estratégia mostra-se essencial até mesmo quando as pessoas não imaginam que ela seja sequer necessária.

O mesmo ocorre na área do design com o surgimento do UX. O que antes parecia ser meramente visual e agradável, hoje toma proporções teóricas que comprovam como é importante colocar os elementos em pontos estratégicos para gerarem mais conversões.

Retargeting

O ponto mais “tecniquês” da série, é a questão do retargeting e remarketing que o jogo cria com os competidores.

Quando, na primeira leva, os jogadores decidem votar pelo encerramento dos jogos, eles são chamados para jogarem novamente. Assim, mesmo após terem participado, terem “sido clientes”, na nossa língua, ainda assim são impactados com os cartões para jogarem novamente. O mesmo ocorre com Gi-hun quando, após vencer, é novamente impactado pelo cartão dourado, para se reunir com o jogador 001.

Esta é uma boa forma de explicar o retargeting, seja numa prova de marketing ou mídia, ou até mesmo para você se lembrar do conceito para quando precisar aplicar.

O remarketing, por exemplo, ocorreria caso, ao ser convidado para jogar na estação de metrô, Gi-hun não tivesse interesse, e no dia seguinte fosse novamente convidado para jogar. Isto, pois ele não teria tido a experiência com a marca, que até então era sigilosa por se tratar de um jogo de vida ou morte.

 

E você, lembra de algum outro caso de publicidade e marketing que ocorreu ao longo dos episódios de Round 6? Compartilha com a sua dupla da faculdade para ela usar algum desses exemplos nas provas também.

Tags : marketingnetflixpublicidaderound 6sériestreaming
Sophia Furlan

The author Sophia Furlan

Aos 19 anos é estudante de Publicidade e Propaganda na FECAP e estagiária na agência Creativosbr. Ama estudar e principalmente colocar em prática tudo o que aprende, seja nas palestras das quais participou ou cursos extracurriculares que faz sempre que possível. É por isso que atualmente trabalha no Creativosbr planejando as mídias sociais do meu cliente e aplicando todo o meu conhecimento em busca de gerar resultados efetivos.

Comentários no Facebook