close
Conteúdo

Accenture compra Droga 5 para uma experiência completa

s3-news-tmp-90538-droga5-new-york-advertising-agency-offices-nyc-1024x538_0–2×1–940

A Droga 5, uma das agências de criação mais inovadoras e influentes do mundo foi adquirida hoje pela Accenture Interactive. Com 10 anos de mercado, a Accenture adquire agora um patamar diferenciado no mercado, ampliando sua capacidade de inteligência, permitindo levar as marcas para o futuro.

Nem tudo são dados, nem tudo é mercado, mas tudo gira em torno das pessoas. E a Accenture tem enxergado cada vez mais isso, a aquisição da Droga 5 é mais uma prova. Quando pensamos em estratégia, consultoria, tecnologia e negócios (pontos de inteligência da Accenture) existe o lado da construção da marca de forma criativa, que possivelmente precisava de alguns ajustes. Pronto! O ramo que era necessário foi colocado de forma maestral.

Brian Whipple, CEO global da Accenture, disse que “O futuro da construção da marca não é apenas criar grandes ideias; é sobre criar ótimas experiências”.  A sorte está lançada e a equipe estruturada para melhorar a experiência de cada ser humano de forma completa com as marcas.

A conclusão da aquisição está sujeita às condições habituais de fechamento, incluindo a liberação antitruste. Os termos financeiros do acordo não foram divulgados.

 

Vamos acompanhar os próximos passos com muita expectativa!

Leia o comunicado da Accenture aqui.

Brian Whipple (esquerda), CEO global Accenture Interactive e David Droga (direita),
fundador e presidente criativo, Droga5
Tags : Accenturemercado
Cel Leal

O autor Cel Leal

Comunicóloga, bailarina e apaixonada por café. É graduada em Comunicação e Multimeios pela Universidade Estadual de Maringá e é pós-graduanda em Economia Comportamental pela ESPM. Tem 25 anos de idade e trabalha com planejamento estratégico na agência Bangboo de Maringá. Acredita que a publicidade é eficaz quando tira as pessoas de sua zona de conforto e as faz pensar e interagir com a marca. Ama tudo relacionado ao digital, mas acredita que as relações humanas não se traduzem só em métricas.

Comentários no Facebook