close

Gabriela Coyado

Marketing

Conheça as empresas-modelo no quesito sustentabilidade

 

Nos últimos anos, uma grande preocupação de toda a população mundial tem sido com relação aos danos ambientais e suas consequências. Pensando nisso, algumas empresas realizaram mudanças em suas técnicas produtivas, em suas políticas, e desenvolveram estratégias visando diminuir seu impacto ambiental, agindo de maneira mais ecológica e ética, originando assim um desenvolvimento sustentável.

Ações como estas, trazem benefícios não só para o planeta mas também para as próprias empresas, já que segundo um estudo realizado pelo Instituto Nacional de Marketing, 52% dos consumidores estão dispostos a pagar mais por produtos eticamente produzidos, enquanto que 67% das pessoas preferem trabalhar para empresas socialmente conscientes. Além da expressiva redução de custos, é claro.

Durante os últimos meses algumas empresas em específico ganharam destaque neste campo, dentre elas podemos citar três.Vamos abordá-las de forma mais detalhada para entender suas ações:

– Natura

Há mais de 20 anos, a Natura adotou a Amazônia como sua principal causa, buscando na floresta soluções sustentáveis para a produção de matérias-primas, priorizando ingredientes da biodiversidade brasileira, estimulando a economia da floresta, contribuindo para a valorização de seu manejo, desenvolvendo práticas agrícolas sustentáveis para combater o desmatamento, entre outras medidas.

O projeto SAF Dendê (Sistema Agroflorestal com Dendê) é uma de suas principais iniciativas, já que foca no uso sustentável da biodiversidade e dos sistemas ecológicos para produção de matérias-primas cosméticas. Sabendo-se que o óleo de palma é o mais utilizado no mundo e é sempre produzido em monoculturas que causam o esgotamento do solo, a Natura buscou um novo modelo de plantio, onde ele cresce associado a outras espécies de plantas (como bananeiras, cacaueiros, açaizeiros, ipês etc.) para que a fertilidade do solo se mantenha além de reduzir a emissão de gases do efeito estufa.

Outras ações que podemos citar são: suas embalagens e refis evitaram mais de 2,6 mil toneladas de resíduos e a emissão de mais de 7 mil toneladas de carbono em 2019, contribuíram com a conservação de 1,8 milhão de hectares na Amazônia, intensificaram os cuidados com cooperativas e catadores parceiros, incorporaram 2,4 mil toneladas de material reciclado em suas embalagens em 2019, possuem 90% de suas fórmulas  feitas com ingredientes naturais e, portanto, renováveis, não testam em animais desde 2006, estão trabalhando para alcançar a circularidade total das embalagens até 2030, garantindo que elas sejam reutilizáveis, recicláveis ou compostáveis, reaproveitaram 7 toneladas de plástico ao desenvolver a embalagem de Kaiak Oceano com plástico retirado do litoral brasileiro, reciclou 10 toneladas de copos descartáveis utilizados durante o Rock in Rio em 2019 ao transformá-los nas embalagens da linha Humor, além de incorporarem produtos 100% veganos ou com composição 100% PET em suas embalagens em linhas como Ekos, Tododia e Sève.

 – Unilever

Desde 2010, a Unilever segue um Plano de Sustentabilidade, que tem como objetivo conectar o sucesso nos negócios à sustentabilidade, agindo para melhorar a saúde do planeta, proteger o clima e a natureza para criar um mundo livre de poluição.

Dentre suas ações climáticas podemos destacar a transição que está sendo feita para energia renovável em todas as operações, a procura por ingredientes de baixo carbono, a produção de produtos de limpeza isentos de combustíveis fósseis, além da reformulação dos produtos para oferecer alternativas baseadas em plantas (como linhas de produtos veganos).

Buscam também zerar as emissões líquidas de seus produtos até 2039 e transformar a cadeia de suprimentos, incluindo a eliminação do desmatamento até 2023. Pretendem eliminá-lo em suas cadeias de abastecimento de óleo de palma, papel, chá, soja e cacau, por exemplo.

Estão tentando implantar uma abordagem de economia circular para atingir um mundo livre de resíduos, inclusive diminuindo os usos de plástico. Além de proteger e regenerar florestas e oceanos.

– Nestlé

A Nestlé tem como uma de suas metas alcançar o impacto ambiental neutro e acelerar uma necessária transformação global, zerando a emissão líquida de gases efeito estufa em suas operações no mundo inteiro até 2050.

A preservação do meio ambiente e o combate as mudanças climáticas são feitos por meio de iniciativas em toda sua cadeia de produção. Uma de suas metas estabelecidas recentemente foi a de promover o plantio de milhões de árvores por todo o mundo, sendo ao todo 200 milhões, até 2030. O que reforça seu compromisso em preservar o capital natural, em especial as florestas.

Tudo isso é planejado e executado de forma cautelosa pelo seu projeto ‘’Re’’, que prega o slogan de ‘’recriar, repensar e reduzir’’.

Aqui no Brasil ela já conseguiu atingir 100% de uso de energia elétrica renovável em suas instalações, e pretende que isso se estenda em escala mundial até 2025. São também pioneiros no uso de biomassa na produção de energia desde 1983, além de terem eliminado 100% do uso de plástico descartável nos escritórios e fábricas.

Latas de diversos de seus produtos, como Farinha Láctea, Ninho, Leite Moça e leite Molico são feitas com 18% de aço reciclado, além de que 95% de todas as suas embalagens já estão prontas para serem recicladas ou reutilizadas.

São investidores do aplicativo CATAKI, que conecta catadores de recicláveis com pessoas que querem fazer o descarte correto dos seus resíduos e dão suporte às cooperativas de reciclagem através do programa “Reciclar pelo Brasil”.

Lançaram um programa de logística reversa em parceria com a Terracycle, que converte as embalagens de seus chocolates e biscoitos em doações para instituições sem fins lucrativos. É necessária essa cooperação já que essas embalagens são feitas de um plástico metalizado chamado de BOPP (Polipropileno Biorientado), que devido a sua composição não é usualmente reciclado, muitas vezes pelo custo elevado.

Possuem uma fábrica“triplo zero”, que é a das cápsulas de NESCAFÉDolceGusto, localizada em Montes Claros – Minas Gerais. Ela conta com zero resíduos enviados a aterros, já que 100% deles passam por algum tipo de reciclagem (seja direta, coprocessamento ou compostagem), zero emissões liquidas de gases efeito estufa,já que toda emissão remanescente das operações são neutralizadas e zero captação de água da natureza, já que toda água vem da evaporação da fábrica de Leite Moça, estrategicamente situada ao lado. O que poupa mais de 66 milhões de litros por ano. Medida que reforça seu compromisso em alcançar eficiência e sustentabilidade hídrica em todas as operações.

Algumas de suas ações recentes que merecem notoriedade são:a Nestlé entrou em parceria com o projeto Tamar e conseguiu fazer com que os canudos de Nescau agora sejam constituídos de 100% papel em todo o país, também fizeram parceria com a empresa Embrapa para desenvolver o primeiro protocolo nacional para uma pecuária de leite de baixo carbono, repesaram a caixa e as embalagens dos bombons ‘’Especialidades’’,  reduzindo o uso de 450 toneladas/ano de plástico, pretendem plantar 1 milhão de árvores para a recuperação da Mata Atlântica no sul da Bahia com a Mucilon, além de lançar até o final do ano em vários países do mundo o novo KitKat vegano, chamado KitKat V.

Siga o exemplo dessas empresas, comece a criar em si a responsabilidade ecológica e aja de maneira consciente. Só assim manteremos nosso planeta saudável para nós mesmos e para as gerações futuras.

 

 

Leia Mais
Marketing

Adidas lança tênis Stan Smith Mylo feito de couro de cogumelo

A Adidas lançou seu mais novo protótipo chamado Stan Smith Mylo nesta quinta-feira (15). O modelo é o primeiro calçado contendo Mylo como um de seus componentes, mesmo que de maneira parcial. Foi feito em colaboração com a Bolt Threads, uma empresa de biotecnologia que busca inventar e dimensionar materiais sustentáveis, mais especificamente de origem natural, para serem utilizados na indústria da moda.

O material Mylo busca substituir o couro, é considerado renovável e além de tudo muito versátil, podendo assumir qualquer cor, relevo ou textura. Para que ele fosse considerado adequado foram analisados outros aspectos também, como a confortabilidade, durabilidade e performance, e todos atingiram com êxito os padrões exigidos, apresentando desempenho no mesmo nível e até mesmo superior ao dos ‘’materiais tradicionais’’. Mylo tem uma semelhança inconfundível com couro animal, perfil flexível e macio, mas o diferencial é que é projetado para ter um baixo impacto ambiental.

Ele é obtido a partir do micélio, que na natureza serve como um tecido conectivo ecológico, como uma teia entrelaçada, muito extensa e renovável, que se espalha pelo solo decompondo matéria orgânica  e fornecendo nutrientes a plantas e árvores. Os cogumelos são frutos do micélio, e é daí se obtém o Mylo.

O micélio é cultivado por meio de um processo altamente eficiente, feito por meio de uma técnica vertical de ponta, permitindo que seja cultivado em um ambiente de laboratório controlado, o que aumenta o rendimento por metro quadrado. Outra vantagem é que ele leva cerca de apenas duas semanas para crescer. Um processo que além de sustentável, é rápido.

Por meio desta ação, a Adidas acaba de integrar o ‘’ The Mylo Consortium’’ composto por outras marcas como Kering, lululemon e Stella McCartney. Consiste em um grupo de empresas de classe mundial que investem em inovação significativa de materiais para ajudar a criar um futuro mais sustentável para a moda.

No novo calçado, o cano externo, as três listras perfuradas, a aba do calcanhar e a marca premium são todos feitos com Mylo, além de que a sola intermediária do calçado é feita com borracha natural. Ainda sem data de lançamento, mas com previsão de comercialização sendo prevista para os próximos 12 meses, este promete ser um sucesso de vendas.

Em declaração, Amy Jones Vaterlaus, Chefe Global de Futuro da Adidas explicitou:

“Como planeta, devemos aprender a trabalhar com a natureza e não contra ela, e colocar todos os nossos esforços para encontrar soluções inovadoras que sejam criadas de forma responsável com recursos que se renovam em um ritmo sustentável. Projetado em sinergia com os ecossistemas da Terra. E como marca, continuamos a explorar as possibilidades de inovação de materiais.”

Mas essa não foi a primeira grande iniciativa na marca neste campo, a Adidas já possui até mesmo uma linha vegana, alguns produtos feitos com componentes recicláveis ou com algodão orgânico, outros produzidos de maneira sustentável, e o próximo objetivo é migrar para o uso de poliéster 100% reciclado em seus produtos até  o ano de 2024.

Por meio de colaborações como esta a marca pretende mudar a maneira como seus produtos são feitos e inspirar outras a fazerem o mesmo, visando construir um mundo mais sustentável e eliminar de vez o desperdício de plástico.

Leia Mais
Marketing

Ativismo de marca: empresas se posicionando

Quando uma empresa se posiciona frente a alguma causa de impacto social, político ou ambiental, ela expõe ali seus valores, e dependendo de seu discurso pode atrair um público que simpatiza com aquele mesmo ideal ou criar uma rejeição por parte daqueles que discordam de seu posicionamento, é um risco a se correr.

No momento em que algum acontecimento desencadeia um movimento social, as marcas prontamente se solidarizam com as causas, mas será esse apoio apenas por questões de marketing ou oportunismo?

Nem sempre. Algumas empresas realmente se doam a movimentos com o objetivo de gerar engajamento e trazer visibilidade para que as reivindicações sejam atendidas. Mas é de extrema importância que o público fique atento para que esses conceitos não sejam somente respeitados nos momentos onde estão em alta na mídia, visto que muitas se manifestam apenas por pressão, para evitar situações embaraçosas ao não serem as únicas a não exprimirem sua opinião a favor/contra alguma causa, já que muitas vezes ficar em silêncio é visto como consentir e nem sempre consentir é bom.

Deve haver um monitoramento para garantir que a empresa realize ações efetivas, crie políticas visando atender as necessidades do público com o qual ela demonstrou solidariedade, dê oportunidade a essas pessoas dentro da empresa, traga representatividade e invista visando contribuir com a causa, e isso não se trata só de doações em dinheiro, mas também em disseminar mensagens que condizem com seu posicionamento inicial.

A seguir veremos uma lista de movimentos que estiveram em pauta nos últimos meses e quais empresas se posicionaram em sua defesa:

Black Lives Matter: é uma organização política que luta pela igualdade racial nos Estados Unidos mas que tomou escalas mundiais nos últimos tempos, combatendo o racismo estrutural, a desigualdade, a violência policial e defendendo os direitos da população preta. O movimento recebeu apoio de marcas como McDonald’s, Netflix, Nike, Adidas, Google, Disney, YouTube, Hulu, Spotify, Amazon, Supreme, L’Oreal Paris, Louis Vitton entre outras.

Movimento Estudantil: teve grande relevância durante o período da Ditadura Militar mas segue vivo até os dias de hoje, manifestando o ensino de qualidade como um direito de todos e buscando melhorias na educação, trazendo reivindicações dos estudantes e buscando por mudanças principalmente políticas, econômicas e sociais. Algumas marcas que já agiram em prol de contribuir com os estudantes foram: Colgate, Palmolive, Continental, Descomplica, Burger King, Faber-Castell, Kanui e Saraiva.

Movimento Feminista: luta pelos direitos das mulheres, buscando igualdade de gênero, justiça, defendendo a participação da mulher na sociedade e o fim da opressão e machismo instaurado na sociedade patriarcal. Algumas marcas que já compartilharam desses ideais foram: Avon, Microsoft, Dove, Quem disse, Berenice?, Always, Pantene, Activia, Gillette, Mattel, Nissan entre muitas outras.

Movimento LGBTQIA+: luta pela diversidade, pela inclusão e igualdade para  que, todos aqueles que fazem parte da comunidade, sejam respeitados diante da sociedade, repudiando a homofobia e a violência, disseminando a mensagem de que toda forma de amar é válida. Algumas marcas simpatizantes são: McDonald’s, Disney, Starbucks, YouTube, O Boticário, Netflix, Natura, Doritos, Skol, MAC, Avon, Apple, Coca-Cola, Uber, Dove, Android, Google, Nike, Tiffany &Co, Adidas, Burger King, C&A, Channel entre outras.

Stop Asian Hate: campanha que ganhou força recentemente devido ao aumento de casos de violência e crimes de ódio contra a comunidade Asiática-Americana e das Ilhas Pacíficas (AAPI) nos Estados Unidos, principalmente durante a pandemia onde foram registrados mais de 3.975 casos, tendo como principais alvos mulheres e pessoas idosas. Grande parte dos atos de violência são cometidos por culparem essas populações pela disseminação do Coronavírus, ou por pura xenofobia e racismo. Algumas marcas que se levantaram em defesa desse movimento foram: Ralph Lauren, Kia Motors, Publicis, Mattel, SEPHORA, TikTok, PlayStation, Starbucks, Prada, Facebook, Microsoft e outras.

E aí, se identificou com a missão de algum desses movimentos? Demonstre sua solidariedade, não só com palavras, mas com ações, impulsionando causas que precisam de espaço para terem suas vozes ouvidas. Se posicione e abrace essas lutas, você estará ajudando a melhorar a vida de milhares de pessoas.

 

Leia Mais