close

Leticia Botelho

Marketing

Faculdade Descomplica e Estag doam bolsas de estudo para jovens que desejam ingressar no Ensino Superior  

Serão oferecidas dez oportunidades em diversos cursos, como nas áreas de gestão, educação, gestão e tecnologia, em um Financiamento Estudantil a curto prazo mantido pela Estag

O Descomplica, uma das principais instituições de educação e tecnologia do Brasil, anuncia a doação de dez bolsas de estudos em cursos como Administração, Recursos Humanos, Marketing e Gestão Contábeis em um financiamento estudantil a curto prazo. A ação é fruto da parceria com a Estag, empresa especializada em recrutamento, documentação e desenvolvimento de estagiários. A Estag irá subsidiar seis meses da graduação do estudante até ele conseguir um estágio remunerado para que possa pagar sua faculdade posteriormente.  Os interessados no projeto deverão se inscrever até o dia 20 de julho pelo link: https://estag.uwu.ai/. Veja a lista completa de cursos ao final do texto.

Para Daniel Pedrino, presidente da Faculdade Descomplica, o projeto serve como uma mola impulsionadora para que o jovem, mesmo que sem condições financeiras iniciais, possa ingressar no ensino superior e a partir do momento que conquiste um estágio consiga dar continuidade aos estudos.

“A missão do Descomplica é democratizar o acesso à educação, afinal acreditamos que aprender é para todo mundo e por isso não vamos parar até que a educação chegue a cada brasileiro que precisa dela. Após a aquisição que realizamos da UniAmérica, esse propósito é ampliado porque agora a nossa lista de cursos aumenta e consequentemente se ampliam possibilidades dos alunos estudarem e conquistarem uma inserção no mercado de trabalho”, explica.

Em média a bolsa estágio costuma variar entre R$800 e R$1600 na região de São Paulo. Quanto à Faculdade Descomplica, o estudante pagará em média R$199 por mês, dependendo do curso, até quando achar um estágio remunerado e conseguir quitar o semestre financiado. Caso o jovem não encontre o emprego no 1° semestre, fica a critério dele decidir se quer ou não continuar no curso, arcando com os gastos dali para frente. “A Estag irá acompanhar o jovem durante toda a sua graduação, a fim de garantir que ele se forme. Nosso impacto está intimamente ligado à formação do jovem na Faculdade Descomplica”, afirma Felipe Morelli da Estag.

Veja os cursos que fazem parte da parceria:

  1. Administração
  2. Análise e Desenvolvimento de Sistemas
  3. Banco de Dados
  4. Ciências Contábeis
  5. Computação em Nuvem
  6. Engenharia da Computação
  7. Engenharia de Produção
  8. Gestão Comercial
  9. Gestão de Dados
  10. Gestão Financeira
  11. Gestão Pública
  12. História
  13. Jogos Digitais
  14. Letras – Português
  15. Logística
  16. Marketing
  17. Matemática
  18. Pedagogia
  19. Processos Gerenciais
  20. Recursos Humanos
  21. Sistemas de Informação
  22. Sistemas para Internet

Sobre a Faculdade Descomplica

Primeira EdTech brasileira a ingressar no ensino superior, a Faculdade Descomplica estreou em agosto de 2020, com um modelo 100% online e oferecendo os quatro cursos mais procurados no EAD: Pedagogia, Administração, Contabilidade e Gestão de Pessoas. Com preços democráticos – o curso de maior valor sai por menos de R$220 mensais -, a instituição foi liberada pelo MEC com nota máxima para a sua atuação (5), conquista que somente 6% das mais de 2500 instituições de ensino possuem. A Faculdade opera no modelo de microcertificações: os cursos são divididos por temática, em vez de seguirem a separação tradicional por semestre. O aluno pode optar por qual tema prefere começar a estudar e, ao finalizar, recebe um certificado de especialista contando quantos estudos de caso foram realizados sobre o assunto, que pode ser linkado diretamente em seu perfil do LinkedIn. Para o lançamento da Faculdade Descomplica, um investimento da ordem de R$ 55 milhões foi realizado.

 Sobre a Estag

 Feitas por jovens e para jovens, a estag impacta jovens em situação de vulnerabilidade social através de programas de capacitação e empregabilidade focados nas profissões e nas habilidades do futuro.

Leia Mais
Entrevistas

Entrevista com Viviane Camargo

Viviane Camargo, publicitária e fundadora da Aurora Branding, com passagem por grandes agências, como DM9DDB, McCann-Erickson e JWT Curitiba, em conversa com o Creativosbr, explanou sobre o que é branding e porquê essa estratégia tem se tornado cada vez mais importante para as organizações.

O que é branding? 

Branding é o processo de construção da marca. E tão importante quanto explicar o que é branding, é explicar o que é marca: marca está relacionada à imagem, pode ser de uma empresa, um produto ou serviço. A marca de uma organização é construída através das suas manifestações visuais e verbais, como: identidade visual, ou seja, todo o seu universo visual – logomarca, ícones, cores, tipografia -; sua comunicação verbal, linguagem, tom de voz, como não se expressa e como uma empresa se posiciona no mercado para se diferenciar das outras. Esse conjunto de definições [de marca] é o branding. Ou seja, é uma série de estratégias e metodologias para construir a correta imagem e associações a uma marca. Portanto, o branding é o processo, é o como se constrói essa imagem da forma mais apropriada possível.

Por onde começar a aplicar o branding?

O trabalho de branding sempre começa de dentro pra fora, ou seja, dentro da empresa: nessa primeira fase a intenção é descobrir o que essa empresa faz, o que ela se propõe a fazer, qual é o propósito dessa organização – pergunta-chave do branding -, e essas descobertas são feitas por meio de conversas com gestores, colaboradores, vendedores e público interno. Após essa fase, a compreensão sobre aquela empresa se direciona para a percepção externa, consumidores, fornecedores, ou seja, todos os stakeholders, para entender se toda aquela verdade vista no início do projeto está sendo traduzida para o público externo. O branding trabalha muito com realidade e percepção, então no final desse processo de análise é preciso alinhar as duas coisas. E a função do branding é traçar uma identidade para que tudo fique alinhado, para que todos os públicos vejam a marca da mesma forma e com a mesma percepção. Então na implementação, o público interno é o primeiro impactado. E a razão para traçar essa estratégia de dentro pra fora é porque o branding trata de propósito, essência, DNA, cultura e principalmente de identidade. 

Esse trabalho que começa internamente é a construção da cultura? 

Exato, porque se não for trabalhado internamente se torna algo que não é verdadeiro. A empresa precisa internalizar a sua identidade para depois naturalmente essa marca se externalizar para outros públicos.

Quais são os benefícios de possuir uma estratégia de branding?

São vários. Pela nossa experiência aqui na Aurora, nós vemos que nossos clientes têm duas grandes dores que se traduzem depois nos benefícios que o branding entrega. A primeira é a frustração das empresas de possuir uma comunicação sem foco, de não ter uma identidade estabelecida, por exemplo, temos um cliente aqui na Aurora que não sabe se deve responder nas redes sociais com bom humor ou com de maneira mais séria, porque se trata de uma instituição de ensino superior, isso porque ainda não foi decidido o tom de voz da marca. Então essa falta de foco da comunicação da empresa é uma das grandes necessidades que faz com que uma empresa procure a Aurora. Nesse caso, o branding alinha essa necessidade e fornece quais serão os passos a seguir daquele momento em diante e pelos próximos anos. Ou seja, o branding vai organizar e dar uma diretriz para todas as ações de marketing e RH, quando se fala do público interno de uma organização, e direcionar aquela marca. E a segunda dor, sendo uma consequência da primeira, a empresa possui uma verba alta disponível para o marketing e ao final do ano a sensação que se tem é que o investimento foi gasto e a empresa não construiu a imagem que gostaria e que muitas vezes não sabe qual é. Nesse caso o branding ajuda a empresa a encontrar essa imagem, ou seja, qual a sua identidade, e traça um plano muito claro para isso. Então essas duas dores fazem com que a organização não construa de forma sistêmica e organizada as associações que a empresa quer que o público tenha quando pensar na marca. 

E organizar a identidade e comunicação da marca é o que faz com que ela seja lembrada pelos consumidores?

Exatamente, essa organização é fundamental na etapa de implementação do branding. E para que isso aconteça [lembrança da marca] é preciso haver consistência na comunicação dessa marca. O Itaú Unibanco é um grande exemplo dessa “consistência”: o som da marca, as cores, a tipografia, o tom de voz são os mesmos há muitos anos. Um grande erro das empresas é achar que as suas manifestações podem ser mudadas o tempo todo quando, na verdade, o consumidor não está tendo tempo de memorizar aquela marca, de construir as associações que o trabalho de branding traça. E é preciso ter em mente que essa construção pode demorar anos.

Existe diferença de branding para uma empresa menor e para uma grande organização?

Todo processo de branding tem diferença, já que quando falamos de identidade, cada empresa tem a sua. Mas a principal está no momento que cada empresa está vivendo, se é um rebranding ou a criação do branding de fato. No primeiro caso a construção da estratégia vai olhar muito pra história da marca, e nesse processo de mergulhar no passado da empresa, começa um trabalho de reflexão, ou seja, “quem eu sou?”, “de onde eu vim?” e “pra onde eu vou?”. E pra uma marca nova, que é o caso da construção do branding, a gente vai olhar muito pro contexto em que essa marca está inserida, para poder entender o porquê que o mundo precisa dessa marca? o que a marca está se propondo a solucionar?

Então no rebranding olhamos o passado e depois o presente para projetar aquela marca no futuro. E no branding olhamos para o contexto atual e futuro para entender a relevância da proposta daquele negócio para o público. E essa relevância é o que causa a diferenciação daquela marca. Então é entendendo de onde a empresa está partindo que adotamos a estratégia mais adequada para aquela organização.

E quando é necessário que uma marca passe pelo rebranding?

Depende, há duas situações e elas podem acontecer ao mesmo tempo. A primeira é quando a própria empresa identifica que aquela maneira que ela está se apresentando para o mercado não traduz mais o que a marca é, geralmente está ultrapassada, sendo que a empresa está em outro momento. A segunda, é quando a empresa acha que está tudo certo, porém precisa mais de um direcionamento para a comunicação ou um conceito, que não está necessariamente atrelado ao visual. Mas quando partimos para a etapa de pesquisa para entender como a marca está sendo percebida, os clientes e o mercado trazem insights de que a empresa não traduz o que ela acha que transmite. Então quando há um rebranding a gente traça uma nova estratégia e em alguns casos um novo design visual para tornar tangível todo o conceito daquela marca.

Falando em construção de percepção de uma marca, a sociedade tem cobrado muito para que as empresas se posicionem e façam algo em relação às pautas da sociedade, como racial, LGBQIA+ entre outras. Quando e como uma marca pode abraçar alguma causa para defender sem parecer oportunista?

 Tudo gira em torno da verdade. O branding tem a ver com a identidade, com traduzir uma verdade e com a autenticidade. Uma marca que nunca teve seu propósito, ou seja, qual a contribuição maior que a marca quer oferecer onde ela atua ancorada em algum tema, seja ele qual for, gênero, raça, feminismo, machismo; e de repente começa a levantar aquela bandeira, provavelmente, a imagem que se vai passar é que a organização está se aproveitando do momento, ou seja, sendo oportunista. E marcas que defendem alguma bandeira e não parecem oportunistas, é porque elas não são. Já que aquilo está no seu DNA. A Magazine Luiza tem a Luiza Trajano, uma líder feminina e feminista que abraça questões relacionadas às mulheres, então quando a Magazine se envolve com essa questão não é visto como oportunismo, pois essa já é a imagem projetada pela empresa. Mas isso não significa que marcas que nunca falaram sobre alguma causa, não possam se associar a uma. Por isso existe o trabalho de branding, para entender qual é o propósito daquela empresa e pelo que a sua marca briga, no sentido de qual bandeira ela defende.

E é necessário que toda marca esteja engajada em algum tema social?

Toda marca precisa levantar uma bandeira, mas não precisa ser algo que é tema dos jornais. Essa bandeira não precisa estar ligada a gênero, à raça, à sustentabilidade, política; não necessariamente. A bandeira tem a ver com relevância, por exemplo, o Nubank defende o “banco simples”. Ou seja, não precisa ser um tema social, mas sim com relevância social, por exemplo a empresa MadeiraMadeira que tem como propósito “reinventar a maneira como as pessoas montam às suas casas” é uma bandeira que defende a compra de artigos para casa mais acessível em questão de preço, mais diversificada com um portfólio de mais de 2000 produtos, mais democrática. E essa é uma bandeira que tem relevância para as pessoas. O importante é a empresa se posicionar e não ter medo da sua posição.

E a relevância de uma organização é o que constrói o seu valor. Quais leituras pode-se fazer acerca desse tema? 

Há duas leituras sobre valor de marca, a numérica, que pode ser chamada de “Valuation”, calculada através de uma metodologia super complexa que considera ativos tangíveis, como patrimônio físico, quanto aquela empresa vale e quanto vai valer; e ativos intangíveis que é relacionado à percepção do público, ou seja, quanto o consumidor valoriza aquela marca. A Apple é um exemplo desse último ativo, sendo a segunda marca mais valiosa do mundo, ficando atrás apenas do Google, mas não é a maior empresa do mundo – pensando no primeiro ativo. E o que constrói esse valor de marca intangível, e que é um ponto muito trabalhado no branding, são os valores da marca, ou seja, as crenças e a forma de pensar e agir, os pilares; ainda usando a Apple como exemplo, os pilares da marca são: inovação, simplicidade e design primoroso; que são premissas no lançamento de qualquer produto deles, já que forma o DNA da Apple. Sem esses valores o produto não pode ser lançado, porque não corresponde à verdade e o que se espera da marca. E isso é o que constrói a percepção que público tem da marca.

O que o profissional precisa saber sobre a empresa para estabelecer estratégias de branding? 

Boa parte dos clientes com os quais trabalhamos aqui na Aurora sabem que têm um problema, mas não sabem o que é. E tem casos de empresas que acham que são algo, mas quando vamos pesquisar internamente e externamente, a visão da organização não é a percepção dos públicos. E muitas vezes isso acontece porque o dono centraliza a cultura e não há branding que resolva uma cultura mal construída, é preciso mudar a cultura. E como saber disso? Na etapa de imersão interna, há uma conversa com o dono, os gestores, o presidente, e todos os outros colaboradores que fazem parte da empresa. E o nosso papel como consultora – o que é o caso aqui da Aurora – é entender o que aquela empresa é, como está sendo vista; para traduzir isso de forma mais clara e que traga maior força pra organização.

Quais são os campos de estudo para se tornar um profissional de branding?

Essa é uma pergunta difícil [rsrs]. Aqui na aurora eu trabalho com designers gráfico, psicólogos, agora eu tenho um antropólogo, eu me apoio muito na filosofia; mas se eu fosse direcionar para um curso, seria o marketing porque o branding é a base dessa área. Isso porque o branding se apoia nas relações entre marcas e seres humanos basicamente, por isso a antropologia, a filosofia e a psicologia estão ligadas a essa estratégia; e para construir essa relação é preciso entender e estudar o ser humano. Mas, mais do que um curso é o perfil do profissional de branding que importa, essa pessoa tem que gostar de ler, ser curiosa, precisa ser inquieta, antenada e gostar de estudar o ser humano. Então é mais sobre gostar dessa área do conhecimento [compreender o ser humano] do que um curso específico. O branding é muito amplo, é multidisciplinar, por isso aqui na Aurora nós somos uma combinação de profissionais multidisciplinares.

Um recado para os futuros publicitários e marketeiros ou gestores de marcas?

Independentemente do curso que você faça: administração, marketing, publicidade, design, todas essas áreas que permeiam o branding, vá além disso, seja inquieto, curioso, fique antenado e seja um profissional com repertório; esteja aberto a novas coisas e conhecimentos.

Como vimos durante a entrevista, possuir uma estratégia bem definida é essencial para o crescimento de uma organização enquanto marca e o branding é o que aponta a direção a ser seguida.

 

Leia Mais
Conteúdo

As principais premiações da publicidade

Quando se trata de disseminar ideias, marcas, produtos e serviços, a publicidade é o meio mais eficaz para alcançar o público certo, na hora e lugar certo. E para aclamar os grandes profissionais dessa área, algumas premiações surgiram para prestigiar as campanhas que unem criatividade e inovação para alcançar um objetivo. Confira os principais prêmios da publicidade mundial.

CANNES LIONS

O prêmio mais cobiçado pelas agências e, provavelmente, o mais importante da publicidade mundial, o Cannes Lions contempla as campanhas mais criativas globalmente. O corpo de jurados é formado por profissionais de vários países que determinam quais peças publicitárias irão levar o Leão – como é chamado os troféus concedidos pelo festival – para casa. Os prêmios são divididos entre Grand Prix, Ouro, Prata e Bronze, concedidos em 28 categorias diferentes e contempla cases de mídia online e Offline.

CLIO AWARDS

O Clios Awards, um dos mais famosos prêmios da publicidade internacional, homenageia os trabalhos mais ousados e inovadores desta indústria. A premiação acontece anualmente em Nova York. Os brasileiros também fazem parte do Júri e são responsáveis por escolher as melhores peças para concorrer às estatuetas Clio: Grand, Ouro, Prata e Bronze.

EL OJO DE IBEROAMÉRICA

Realizado na Argentina, é considerado referência quando se trata de criatividade e latina. O festival, que não engloba apenas a publicidade, mas a comunicação em seu todo, abraça como critério não só a criatividade das peças, mas a capacidade de contribuir para o desenvolvimento do setor, de seu país e região. Assim como Cannes Lions e Clio, os troféus concedidos pelo El Ojo também são divididos entre Grand Prix, Ouro, Prata e Bronze. Este ano a premiação acontece entre os dias 23 e 25 de novembro.

PRÊMIO CABORÉ

Principal premiação nacional, o Caboré contempla empresas e profissionais que contribuem para o desenvolvimento da indústria da comunicação, marketing e mídia no Brasil. Os vencedores do prêmio recebem as famosas Corujas, muito cobiçadas pelos competidores.

PRÊMIO AMIGOS DO MERCADO

Uma iniciativa de vários profissionais do mercado publicitário brasileiro, o Amigos do Mercado tem como objetivo tornar o mercado publicitário mais amigável ao permitir que os membros troquem contato, vagas de emprego currículos e notícias sobre a Indústria. O prêmio é concedido aos profissionais da comunicação e marketing de diferentes níveis: do estagiário aos cargos de liderança em 15 categorias distintas. 

Esses são alguns dos prêmios mais importantes para a indústria da publicidade, mas há vários que também  prestigiam e enaltecem esta indústria.

E aí, curtiu saber um pouco mais sobre os principais prêmios da publicidade?

 

Leia Mais
Eventos

Confira os vencedores brasileiros do Cannes Lions 2021

Nesta semana aconteceu o Cannes Lions, maior festival de criatividade que premia as melhores campanhas de Publicidade em 28 categorias diferentes. Participam deste evento diversas agências do mundo todo com a intenção de levar pra casa um leãozinho. Ao todo foram 29.074 peças inscritas e destas foram selecionadas as que concorreram nas shortlists. Nestas listas as campanhas ficavam mais próximas de ganharem os troféus: Grand Prix, Leão de Ouro, Leão de Prata e Leão de Bronze. O Brasil encerrou o festival com 68 leões, e no topo da lista está a agência Africa. Confira abaixo as campanhas brasileiras que conquistaram o troféu mais desejado pelas agências.

Agência Africa

Com as campanhas “Salla 2032” e “Responsible Billboards” a agência venceu nas categorias:

Entertainment Lions For Sport- Troféu Grand Prix

Design Lions- 1 Leão de Bronze

Direct Lions- 1 Leão de Ouro e 2 de Bronze

PR Lions- 2 Leões de Ouro e 1 Bronze 

Film Lions- 1 Leão de Bronze

Com as peças “The most Valuable News”, “Racism Uncovered” e “Alexa’s Burnout”:

Outdoor Lions- 1 Leão de Prata

Print & Publishing Lions- 1 Leão de Ouro, 1 Leão de Prata e 1 Leão de Bronze

Industry Craft Lions- 1 Leão de Ouro

Radio & Audio Lions- 1 Leão de Bronze

Para as campanhas #GOEQUAL e “Let Her Run” desenvolvida para Sportv:

Brand Experience & Activation Lions- 1 Leão de Ouro e 1 Leão de Prata

Social & Influencer Lions- 1 Leão de Bronze

Entertainment Lions For Sport- 1 Leão de Bronze

Film Lions- 1 Leão de Prata 1 Leão de Bronze

Agência AKQA

Para as campanhas “Code of Conscience” desenvolvida para o Instituto Raoni e “Stranger Antenna” para a netflix, a agência conquistou:

Design Lions- 1 Leão de Bronze

Mobile Lions- 2 Leões de Ouros, 1 Leão de Prata e 2 Leões de Bronze

Digital Craft Lions- 1 Leão de Prata

Creative Data Lions- 1 Leão de Prata 

Paras as peças “Beck’s Frequency”, “The Dance Awakening” e “Silence”, desenvolvidas respectivamente para Cerveja Beck’s, Nike e Deezer:

Radio & Audio Lions- 1 Leão de Ouro e 1 Leão de Prata

Entertainment Lions- 1 Leão de Prata

Media Lions- 1 Leão de Bronze

Agência VMLY&R

Com a campanha “I’M” pata Starbucks:

Glass: The Lion For Change- 1 Grand Prix 

Brand Experience Lions- 1 Leão de Prata

Para as peças“UEFA Champions League’s Global Anthem”, “Ela”, “We Stand”, desenvolvidas para o Santander e “Endangered Streamers” para  GreenPeace:

Entertainment Lions For Sport- 1 Leão de Prata e 1 Leão de Bronze

Creative Business Transformation Lions- 1 Leão de Prata 1 Leão de Bronze

Media Lions- 1 Leão de Prata

E com a campanha “The Commitment” para CCWD:

Sustainable Development Goals- 1 Leão de Ouro 1 Leão de Bronze

Agência Publicis – Campanha “Cozinhas às Cegas” para Maggi

Industry Craft Lions- 1 Leão de Bronze

Agência Almap BBDO 

Com as campanhas “True Fashion” para Havaianas, “Wassabi” para Doritos e “HungerCost” para Snickers

Outdoor Lions- 1 Leão de Ouro, 1 Leão de Prata e 2 Leões de Bronze

Print Lions- 1 Leão de Bronze

Agência BETC HAVAS – Com a campanha “HERSHE” para Hershey’s:

Industry Craft Lions- 1 Leão de Bronze

Entertainment Lions- 1 Leão de Bronze

Agência GUT – Com a peça “Feed Parade” para Mercado Livre:

Entertainment Lions For Music- 1 Grand Prix

Mobile Lions- 1 Leão de Ouro

Agência Wunderman Thompson- Com o filme “Cidade Inerte”:

Film- 1 Leão de Bronze

Filme Craft- 1 Leão de Bronze

Agência Wmccann- Com o especial de natal “Juntos a magia acontece: Black Santa” em parceria com a Coca-Cola:

Entertainment Lions- 1 Leão de Ouro

Agência Ogilvy- Com as campanhas desenvolvidas para Magazine Luiza “Shopping Inside Songs” e “Jesus Our Supporter” para Adidas:

Creative e-commerce Lions- 1 Leão de Bronze

Entertainment Lions- 1 Leão de Bronze

PR Lions- 1 Leão de Bronze

Agência Havas Health & You- com a peça “IDVERSE”

Pharma Lions- 1 Leão de Prata

Agência TracyLocke- Com a peça “Beautiful Dreamer” para Pfizer:

Pharma Lions- 1 Leão de Bronze

Agência Soko- Com a campanha “She Can” para Guaraná Antarctica:

Creative Strategy Lions- 1 Leão de Prata

Brand Experience & Activation Lions- 1 Leão de Bronze

Media- 1 Leão de Bronze

Agência Cheil – Com a campanha “AntiBullying Skin” para Samsung:

Media Lions- 1 Leão de Bronze

Estes foram os vencedores brasileiros do maior festival de criatividade e publicidade. Você pode conferir os ganhadores de outros países no site da premiação.

Leia Mais
Marketing

5 ramificações do marketing e suas funções

Diversos são os tipos de marketing e cada um deles tem um objetivo específico na estratégia de conexão de um produto ou serviço ao consumidor.

O marketing representa uma parcela muito importante dentro das organizações, já que esta estratégia é a responsável por otimizar os lucros de um negócio encontrando no mercado déficits que possam ser supridos por meio da oferta de produtos ou serviços que satisfaçam as necessidades e preferências de um mercado. E para conectar consumidores às soluções oferecidas pelas empresas, surgem os diferentes tipos de marketing para que a chegada até o público seja mais assertiva.

Marketing Digital

São ações desenvolvidas no ambiente digital utilizando ferramentas como SEO, e-mail marketing, mídias sociais e conteúdo a fim de estabelecer e desenvolver uma identidade de marca, criar relacionamentos e conquistar clientes e seguidores para um negócio.

 Marketing de Conteúdo

Pilar do marketing digital, o marketing de conteúdo é a estratégia que busca estabelecer um vínculo com o consumidor sem promover diretamente a marca, ou seja, é criação e distribuição de conteúdo relevante com a finalidade de oferecer soluções para os problemas de seu público-alvo. Para essa estratégia é usada ferramentas de compartilhamento, como artigos, e-books, vídeos e redes sociais. Este tipo de marketing aumenta a confiança e a credibilidade da marca e a confiança do público.

Marketing Omnichannel

Esta estratégia unifica todos os canais utilizados por uma marca, interligando o online ao offline, para proporcionar a mesma experiência ao consumidor independentemente do meio utilizado por ele para adquirir um produto. O marketing omnichannel visa impedir que o shopper sofra impactos negativos ao transacionar pelos canais disponibilizados pela organização. Um exemplo de estratégia omnichannel é a possibilidade de realizar a compra pelo site e efetuar a troca em uma loja física. Dessa forma é imprescindível que todos os canais estejam conectados para que a experiência de compra do shopper seja única e prática. Usando esta estratégia a marca transmite confiança aos consumidores e pode conquistar a sua fidelidade.

Marketing de Experiência

Despertando as sensações e emoções do público-alvo de uma marca, este tipo de marketing envolve o consumidor no produto ao proporcionar experiências que ficarão gravadas em sua memória. Esta técnica utiliza os sentidos do ser humano – visão, audição, olfato, tato e paladar – para alterar a percepção do consumidor em relação a um produto ou serviço e assim destacá-lo em sua mente. Dessa forma a marca consegue criar uma conexão com o seu público e para isso a experiência proporcionada precisa ser memorável. Utilizando o marketing de experiência é possível gerar mais engajamento, diferenciação, fidelidade e vendas. 

Marketing de Influência

Esta técnica foca suas ações em indivíduos que exerçam certa influência em possíveis clientes de uma organização, podendo ser um artista ou influenciadores digitais, para promover a sua marca e/ou produtos. Para usar este tipo de marketing é preciso se conectar com os influenciadores certos, que são aqueles que possuem um público que a marca deseja atingir. É preciso pensar estrategicamente nas ações que podem ser realizadas com estes profissionais. Ao investir no marketing de influência uma empresa pode gerar mais vendas e atrair novos clientes, assim como novos admiradores para a marca.  

É válido ressaltar que o marketing é único e que essas variações são recortes que estão dentro do todo, ou seja, são pequenas estratégias direcionadas para um ponto específico que estão interligadas entre si.

Leia Mais
Eventos

Cannes Lions: maior festival de criatividade acontece de 21 a 25 de junho

O maior festival de criatividade e publicidade acontece na próxima semana, entre os dias 21 e 25. A premiação avaliará campanhas de 2020 e 2021.

O festival que acontece na cidade de Cannes, localizada na Riviera Francesa, acontece na próxima semana. Muito cobiçado pelas agências e considerado o mais importante prêmio da publicidade mundial, a edição deste ano vai acontecer de maneira digital e vai avaliar também peças de 2020, devido ao cancelamento do evento no ano passado por conta da Covid-19.

Detentor dos troféus mais desejados pelas agências de publicidade, os prêmios do Cannes Lions são divididos em Grand Prix, Leão de Ouro, Leão de Prata e Leão de Bronze que são distribuídos entre as 28 categorias disputadas. Com peças nacionais concorrendo em todas as áreas, o Brasil obteve mais inscrições nas categorias: Direct, Brand Experience & Activation, Media e Social Influencer. As informações são do portal Meio e Mensagem.

Confira a lista completa de categorias aqui.

Para o corpo de júri, os brasileiros também estão presentes, a lista conta com 28 profissionais que serão responsáveis por avaliar as peças de mais de 90 países inscritos em diversas categorias. Entre os nomes dos jurados estão líderes, como:

Luciana Rodrigues – CEO e presidente da Grey Brasil

Avaliadora na categoria: Brand Experience & Activation Lions

Sergio Gordilho – copresidente e CCO da Africa

Avaliador na categoria: Creative eCommerce Lions

Dani Ribeiro – diretora-executiva de criação da Artplan

Avaliadora na categoria – Print & Publishing Lions

Domênico Massaretto – CCO da Publicis Brasil

Avaliador na categoria – Social & Influencer Lions

A lista com os demais nomes está disponível aqui.

As primeiras shortlists foram divulgadas para as categorias Innovation Lions, Titanium Lions e Glass: The Lion for Change. Os selecionados apresentarão as peças ao vivo e digitalmente durante o evento na próxima semana. 

Nomeada na Shortlist Innovation está a agência AKQA – São Paulo com a campanha “Instituto Raoni”. Na categoria Titanium, a representante do Brasil é a agência Africa – São Paulo com a peça #GOEQUAL. Já na shortlist Glass: The lion for change, o Brasil conta com 3 peças de agências diferentes: In Someone Else’s Shoes, desenvolvida pelo Studio Tesis – São Paulo, Offside Museum pela AKQA – São Paulo e a campanha “I am” criada pela VMLY&R Brazil – São Paulo.

As inscrições deste ano alcançaram o número de 29.074 no total.

Nós do Creativosbr vamos ficar de olho, e vocês?

Fontes: Meio e Mensagem, Promoview

Leia Mais
Marketing

Live marketing: um mundo de experiências

O live marketing é a estratégia responsável por criar experiência entre marca e consumidor tornando esta relação mais próxima.

O que é live marketing?

Muito utilizado pelas marcas para construir e estabelecer vínculos mais fortes com seu público, o live marketing, marketing ao vivo ou marketing de experiência, é o ato de gerar interação entre o consumidor e a marca de maneira direta possibilitando um diálogo entre as partes. O live marketing busca despertar as sensações e emoções do público-alvo de uma ação, a fim de aumentar a sua percepção de valor sobre a marca, portanto é necessário pensar em todo o processo de experiência do público na construção dessa estratégia. Nomes como Heineken e Coca-Cola se destacam por criarem ativações que impactam positivamente o consumidor e que, com certeza, ficam gravadas na memória. Veja abaixo como essas duas marcas usaram o marketing de experiência.

Heineken – Rock in Rio
Coca-Cola ação supermercado

Por que usar o live marketing?

Quando uma experiência é pensada em sua totalidade para proporcionar um momento diferenciado para o público, são vários os benefícios convertidos para a marca: 

  • alto nível de repercussão: aliado ao digital uma ativação pode alcançar um público maior e não só aquele que está presente no momento da ação;
  • cria conexão com o público: proporcionar um momento especial na vida do consumidor desenvolve um vínculo afetivo entre ambas as partes;
  • gera confiança: como toda a experiência ocorre em tempo real o público tem a certeza de que está participando de algo verdadeiro e que de fato representa a empresa;
  • espaço para a criatividade: é possível desenvolver estratégias altamente criativas que representam a identidade da empresa e podem se tornar inesquecíveis se pensadas nos mínimos detalhes para refletir a essência da marca;
  • conversão em vendas: a efetivação da venda é uma consequência gerada por uma experiência muito bem feita.

As ações de marketing de experiência podem ser aplicadas em diversas atividades, como eventos, congressos, ações de merchandising, ativações de marca entre outros.

O live marketing, se bem planejado, agrega valor à marca e seus produtos e gera mais engajamento por parte do público.

Leia Mais
Entretenimento

Para ouvir melhor: 4 dicas de podcasts + 1 segredo

O podcast é uma mídia utilizada para geração de conteúdo que vem crescendo exponencialmente desde sua criação, em 2004. Muito semelhante ao rádio – e por que não dizer uma extensão dessa categoria – os  podcasts são materiais entregues em formato de áudio disponibilizado por meio de uma plataforma de streaming, como Spotify, Google Podcast, Deezer, Apple Cast, entre outros. Um formato muito atrativo para aqueles que têm a rotina mais corrida ou que adora se aventurar no mundo dos áudios.

Sendo assim, o CreativosBR separou uma lista com 5 podcasts para ficar bem informado sobre o mundo da comunicação e, fechando a lista, um podcast super descontraído para finalizar o dia.  

  • Geração Negócio  – O “Geração Negócio”, criado pelo Grupo de Atendimento e Negócios (GAN) em parceria com o Grupo Jovem Pan, convida grandes líderes do mercado para debater os assuntos mais relevantes do momento.
  • FalAção – O FalAção, podcast desenvolvido pela Aberje (Associação Brasileira de Comunicação Empresarial), conversa com profissionais de destaque para debater os assuntos mais relevantes do universo da Comunicação Corporativa. 
  • Mídia e Marketing – produzido pela UOL, o Mídia e Marketing leva toda semana um convidado para conversar sobre carreira, publicidade e negócios. O grande Washington Olivetto, responsável por campanhas muito importantes da propaganda nacional, também bateu um papo com eles, além de muitos outros líderes do mercado.
  • PropCast – Um podcast do Propmark que aborda os principais assuntos do mercado da propaganda e do marketing. A lista de episódios é extensa, com os mais variados assuntos, como Youtube, Tik Tok, Super Bowl e muito mais.
  • PodTudo+ – E por último, mas não menos importante, as bicampeãs olímpicas, Fabi Claudino, Thaisa Daher e Sheilla Castro mergulharam neste formato para debater, de maneira descontraída, diversos assuntos: esporte, cultura, vida saudável, universo feminino e mais.

Todos os podcasts estão disponíveis no Spotify.

Agora é só escolher um – ou todos – e apertar o play!

Leia Mais
Conteúdo

Branding Sensorial: o uso dos sentidos como estratégia de marca

branding sensorial

Mais comumente chamado de “Branding Sensorial”, esta estratégia objetiva criar relações emocionais e físicas entre as marcas e os consumidores estimulando os 5 sentidos do ser humano.

O sistema sensorial é o responsável por captar informações internas e externas e transmiti-las às células receptoras que, por sua vez, enviam uma mensagem em forma de impulsos elétricos ao sistema nervoso central, que os traduz em sensações que geram uma resposta física ou emocional do indivíduo. Os responsáveis por interpretar os estímulos ao nosso redor são os 5 sentidos do ser humano: visão, tato, audição, olfato e paladar. Quando uma marca consegue ser reconhecida por 1 ou mais sentidos pelo consumidor, isto indica que foi criada uma forte conexão entre ambas. 

Vejamos agora, algumas marcas que conseguiram se destacar usando o branding sensorial.

Se eu te disser roxo e logo depois laranja e azul, quais empresas vem a sua mente? Se você pensou Nubank e Itaú Unibanco, estas duas marcas são exemplos do sentido visão: as cores das duas companhias são tão bem trabalhadas em suas comunicações que, hoje, não precisam estar acompanhadas de seus nomes para serem reconhecidas. Isto porque, os tons escolhidos carregam os valores das marcas e conseguem transmitir suas essências em todas as formas de comunicação das organizações. 

A Netflix, gigante do streaming, é um bom case de estímulo auditivo. A assinatura sonora da marca, emitida no início das produções realizadas pela provedora de filmes e séries, é reconhecida independente do fator visual e quando o som é escutado é um indício de que alguma obra cinematográfica está começando. O famoso “TUDUM” – forma escrita do efeito auditivo da Netflix – foi criado pelo compositor, Lon Bender e a ideia surgiu quando sua filha proferiu a expressão “tudum” que, de acordo com ela, era o som que a aliança do pai fazia quando batia na mesa. Alguns remixes a mais e a melodia estava pronta. Levado a pesquisas com os consumidores que não tinham ideia da intenção de utilização daquele som, palavras como “filme”, “começo”, “dramático” e “inusitado” foram relacionadas ao estímulo.  A assinatura sonora da Netflix é uma das mais emblemáticas da atualidade, tanto que há até um site dedicado ao som. 

O paladar é um dos estímulos mais difíceis de agradar, entretanto a Coca-Cola possui um sabor singular que se distingue de qualquer outra marca de bebida gaseificada. Seu gosto está tão enraizado no paladar e mente dos consumidores que apenas uma imagem é capaz de incitar a necessidade de tomar a bebida, quem nunca disse “que vontade de beber uma Coca-Cola bem gelada”. Mas o paladar não é o único sentido usado pela marca, sua identidade visual também é um fator inconfundível, a cor vermelha é facilmente associada à organização. A Companhia ainda consegue se atrelar a mais um sentido, o tato. Como assim?! As garrafas da companhia possuem uma silhueta diferenciada e são projetadas para serem reconhecidas de qualquer maneira, até mesmo no escuro com apenas um toque.

O olfato também é um dos sentidos mais difíceis de cativar, no entanto a marca de calçados e bolsas Melissa com seu cheiro de Tutti-frutti, é reconhecida por muitas pessoas, usuárias ou não de seus produtos. Ao criar a fragrância, em 1979, a marca investiu em algo que transmitisse a sensação de nostalgia e remetesse à infância e adolescência do público. O cheiro é tão característico que no último ano (2020),  em uma ação da empresa em decorrência da pandemia causada pela Covid-19, a Melissa lançou a “Linha home” composta por álcool em gel e aromatizador de ambiente com o perfume da companhia.  

Utilizar a estratégia de branding sensorial, quando adequado aos valores da organização e ao seu público, proporciona experiências genuínas e únicas, o que, consequente gera fidelização do consumidor, formação de uma identidade exclusiva, incitação ao desejo de compra, criação de vínculos emocionais, além de ampliar e intensificar a lembrança de marca.

E ai, lembrou de mais alguma marca que estimula seus sentidos?

Leia Mais
Conteúdo

As marcas estão jogando

Engana-se quem pensou que as marcas não poderiam se aproveitar do mundo dos games para acompanhar os consumidores. Esta relação está crescendo e se tornando cada vez mais forte.

De acordo com dados levantados pelo Datafolha em pesquisa encomendada pelo Game Show Brasil, os gamers brasileiros já somam mais de 70 milhões. Segundo a PGB (Pesquisa Game Brasil), os usuários deste universo são representados pelo público adulto, com idade entre 25 e 30 anos e podem passar até 3 horas jogando. Dadas estas informações, podemos compreender a importância deste espaço para a publicidade

As ativações de marcas dentro dos games reforçam a potencialidade desta mídia e é mais uma das formas do anunciante fortalecer a sua presença em diferentes contextos, adequando a sua comunicação ao consumidor. 

Fonte: Dimensão Geek

Recentemente, O Boticário fez sua estréia no mundo dos games inaugurando uma loja no Avakin Life, jogo que propcia ao usuário a oportunidade de criar um avatar e uma segunda vida. Entre os dias 16 e 22 de março, dentro do jogo, a marca ganhou um espaço na “Praça Brasil” e realizou uma série de ações possibilitando que os jogadores resgatassem recompensas e participassem de atividades por meio de pontos. Os usuários ainda poderiam adquirir produtos da marca, como maquiagens e perfumes, e ainda contavam com a assistente virtual, Thaty, responsável por explicar como iriam funcionar as missões. Ao final do período de ativação, a marca promoveu uma festa na piscina, aberta a todos os jogadores do Avakin Life. 

Fonte: B9

O McDonald’s também se aventurou neste universo, mas os escolhidos da vez foram o famoso Minecraft e o clássico The Sims. As duas novas unidades virtuais carregam o visual semelhante ao Méqui 1000 – loja comemorativa inaugurada na Avenida Paulista. Entretanto, o restaurante do Minecraft será funcional e os jogadores podem encontrar no jogo um QR code que, ao ser escaneado, levará o usuário ao McDelivery. Enquanto no The sims, os jogadores  conseguem posicionar o Méqui 1000 na região escolhida para morar com seu personagem.

Jogo Fortnite | Android | Dispositivos Samsung Galaxy | Samsung BR
Fonte: Samsung    

Em 2019,  a Samsung também se uniu ao Fortnite, mas por uma boa causa: o combate ao cyberbullying que acontece dentro do universo com participantes que utilizam a Skin – itens pagos e não transferíveis de customização, como roupas e movimentos, classificados como cosméticos  –  básica fornecida pelo jogo. A ação da marca, intitulada de “Antibullying Skin”, distribuiu trajes Glow para jogadores usuários de aparelhos da linha Galaxy, estes poderiam doar o item a outros usuários do Fortnite. 

Os games, por sua capacidade imersiva, podem aumentar – e muito – a lembrança de marca e mídia espontânea de um anunciante e, cada vez mais, as marcas estão ocupando este ambiente

Que belas jogadas, hein! 

Fontes: Propmark, Meio e Mensagem, Brasil Game Show, Drops de jogos, Portal Popline, Uol, CNN Brasil, Promoview, B9, Dimensão Geek, Samsung

Leia Mais
1 2
Page 1 of 2