close

No último dia 18, às 20:30 teve início a transmissão do Canal Viva, da Globosat.

Como neste dia, não leciono, tive a oportunidade de acompanhar a estréia e as primeiras horas da programação do novo canal, que na NET em São Paulo, é levado ao ar, pelo canal 36.

Tenho a impressão que esse canal vai emplacar. Acho que em pouco tempo irá desbancar grandes sucessos de audiência na TV a cabo, como a Multishow e a Sportv.

A programação do Viva é formada por programas antigos e atuais de grande sucesso na Rede Globo.

Na verdade, o público alvo do canal é formado por mulheres da classe C. É o primeiro canal voltado à esse público.

Na Terça-Feira, por exemplo, assisti Mulher, uma minissérie levada ao ar na década de 90 pela Rede Gloo e também ao primeiro episódio de Sai de Baixo, humorístico de 1995. Espetacular!!!! Incrível o Tom Cavalcanti interpretando o porteiro Ribamar. Que saudade daquilo e que nojo do Sai de Baixo!!!

Só acho uma pena, a Globosat não colocar um conteúdo masculino maior. Por que não disponibilizar por exemplo, a grande final da Copa de 1994 ou a final do volei masculino nas Olimpíadas de 1992, em Barcelona? Ou o Rock in Rio de 1991.

Será que com o tempo, entrará programação masculina no Viva?

Ou será que teremos, em breve, o Canal Vivo, voltado para nós, homens?

Boa sexta-feira a todos. 

 

Tags : blogblog do crespocanalclasse ccopafilipe crespofinalglobosatmídiamulhernetperfilprogramaçãopropagandapublicidadepúblicorede globorock in riosai de baixosão pauloveículoviva
Filipe Crespo

The author Filipe Crespo

Publicitário formado e Mestre em Administração com ênfase em Finanças. Profissional de mídia certificado pelo Grupo de Mídia de São Paulo construiu carreira em agências como Ogilvy, Africa, Y&R, JWT, W/McCann e Lowe, atendendo clientes como: P&G, Unilever, BRFoods, LG, Bradesco e Mastercard. Atualmente é Sócio Diretor do Creativosbr e Consultor de Mídia do McDonalds no Brasil. É idealizador do Amigos do Mercado. É também professor de Planejamento de Mídia na FECAP, na FAAP e no MBA do Mackenzie.

Comentários no Facebook