close
Publicidade

Cannes além dos leões brazucas

Toda vez que acaba uma edição do Festival de Cannes a conclusão é sempre a mesma: "Bem legal, mas aqui no nosso mercado é tudo muito diferente. Vamos ver de que forma, podemos trazer aquilo para a realidade dos nosso clientes".

Analisando a participação brasileira nesse ano, concluimos que foi a melhor da história, com um total de 67 leões conquistados.

Destaque para a AlmapBBDO, mais uma vez (a terceira) considerada a Agência do Ano, pelo evento.

A agência, orquestrada por Marcello Serpa, é mais do que mundialmente consolidada como centro de criatividade em comunicação. A AlmapBBDO é desejada por criativos do mundo todo.

Também não podemos deixar de citar a excelente participação da OgilvyBrasil, conduzida pelo Musa e pelo Anselmo, que dessa vez, trouxeram na bagagem, nada mais nada menos que 11 leões, um a mais que na edição anterior, em 2010. Mais uma vez, a agência mostra que o sucesso no ano passado, não foi por acaso, como alguns acreditavam.

Não fui à Cannes, mas li bastante coisa, resultante de uma excelente cobertura realizada pelos veículos especialiados brasileiros. Além disso, conversei com algumas pessoas que lá estiveram.

E exatamente por conta dessa minha "pesquisa" sobre Cannes 2011, é que quero discutir aqui algumas questões: 

Muitos veículos de comunicação do nosso país, que anualmente convidam renomados profissionais de mídia para o evento, dessa vez agiram diferentemente dos anos anteriores.

O que se pode notar nessa edição do Festival de Cannes, é que dessa vez, os clientes fé que foram levados ao evento, à convite dos próprios veículos de comunicação.

Na certa, trata-se de uma estratégia de aproximação com esses clientes, mas creio que sirva de alerta aos profissionais de mídia de grandes agências de publicidade.

Não digo aqui que isso não seja saudável, não é isso. Mas acho que serve de alerta. É uma tendência e todos os pontos tem de ser levantados.

Uma outra questão que me chamou bastante a atenção nesse ano, foi quanto aos critérios de premiações adotados em grandes categorias de prêmios em Cannes.

É bem verdade que sempre existem aqueles cases que concordamos com as premiãções e também aqueles em que entendemos como merecedores do prêmio.

Analisando alguns dos cases premiados nessa edição, pude constatar que a idéia criativa ainda é o mais relevante para o juri. E quando digo ideia criativa, quero dizer que essa pode ter surgido na mídia também. Já o resultado da ação em si para o anunciante, mais uma vez ficou para segundo plano.

Isso pode ser constatado em diversos dos cases premiados, como disse linhas acima.

E por último, para terminarmos o post, uma última análise feita, por mim, foi mais ou menos a seguinte:

Grandes cases vencedores no Festival de Cannes 2011, associaram suas marcas não necessariamente aos atributos do produto ou serviço, como reza a cartilha, mas sim, se apoderando de uma questão social qualquer e que seja de interesse público.

Isso é algo que falta um pouco (ao meu ver) às marcas brasileiras. Não sabemos ainda trabalhar essa questão de uma maneira que possa ser proveitosa e relevante para os nossos clientes.

Abaixo, alguns dos filmes premiados em Cannes nesse ano.

Vejam:

1 – Tesco: Homeplus Subway Virtual Store (Movie) – GP Media

2 – Estrela – Volta Ferrorama – OURO Direct

3 – Kabdia Dulce: The American Rom – Cannes Lions 2011 – GP Promo & Activation

 

Tags : almapanselmo ramosblogblog do crespobrasilcannes 2011crespogrand prixkandialeõesmídiamusaogilvypropagandapublicidadetescovolta ferrorama
Filipe Crespo

The author Filipe Crespo

Publicitário formado e Mestre em Administração com ênfase em Finanças. Profissional de mídia certificado pelo Grupo de Mídia de São Paulo construiu carreira em agências como Ogilvy, Africa, Y&R, JWT, W/McCann e Lowe, atendendo clientes como: P&G, Unilever, BRFoods, LG, Bradesco e Mastercard. Atualmente é Sócio Diretor do Creativosbr e Consultor de Mídia do McDonalds no Brasil. É idealizador do Amigos do Mercado. É também professor de Planejamento de Mídia na FECAP, na FAAP e no MBA do Mackenzie.

Comentários no Facebook