close

Digital

Digital

3 erros ao utilizar o DM que estão te impedindo de vender pelo Instagram

Muita gente fala o tempo todo sobre o que você precisa fazer para ter um perfil de sucesso, mas poucas pessoas te ensinam o que fazer para não afastar seus clientes de você.

É pensando nisto que separei três erros que dificultam as suas vendas e diminuem a credibilidade da sua marca.

Dar boas-vindas

Apesar de usar uma linguagem mais próxima para minimizar o impacto que o DM causa, ainda assim não deixa de ser invasivo. Principalmente, se nos stories e no feed você ainda não criou uma relação mútua com os seus seguidores.

Além da pessoa ficar desconfortável, você acaba passando uma imagem de estar desesperado por clientes, seguidores e likes.
Ao invés de criar essa redoma deselegante, porque você não faz um story, uma vez na semana, agradecendo aos novos seguidores que chegaram? Se quiser, marque-os no story e esconda os nomes de usuário deles. Desta forma, a pessoa se sente pertencente, não invadida e pode enxergar valos na sua marca por você ter lembrado dela.

Bem melhor, não?

Encaminhar posts

Da mesma forma que enviar boas-vindas não é interessante, ficar enviando várias publicações suas para as pessoas acaba sendo ainda pior. Isto porque você nem está com a boa intenção de criar uma relação próxima com a pessoa, como na dica anterior. Ao reencaminhar posts, você quer simplesmente compradores, e esse tipo de ação afasta ainda mais o seu público de você.

Ao invés disto, reposte seu conteúdo de forma interativa pelos stories e, se quiser enviar algo diretamente para o seu cliente, crie uma base de e-mails para gerar conteúdo, valor e, depois, a venda.

Mas lembre-se: a LGPD já está em vigor, e você só deve enviar e-mails para aqueles que se inscreveram no seu site.

Enviar preço por inbox

Esta é uma prática muito comum em lojas de roupas ou de produtos eletrônicos. Para não divulgar o preço das peças, que geralmente são mais caras, o administrador responde que enviará por DM.

Além de gerar repulsa pela marca, isto é um crime. De acordo com o Código de Defesa do Consumidor, artigo 66º, fazer isto é omissão de informação relevante. Quando você oferta um produto, deve falar o preço dele, principalmente se for questionado pelo usuário – pois mostra que inicialmente você já não disponibilizou essa informação.

O Código de Defesa do Consumidor prevê detenção de três meses a 1 ano de reclusão e multa.

Em vez de esconder o preço do seu produto, por que você não cria conteúdos que agregam valor ao que você vende e desenvolve um catálogo dos seus produtos? Dessa forma você justifica o quanto eles valem e também deixa o preço à mostra sem precisar colocar na descrição dos posts, por exemplo.

Assim, se você quer criar uma relação bacana com o seu consumidor e agir dentro da lei, é melhor substituir estes 3 erros pelas dicas que demos. Esse post te ajudou? Compartilhe com aquele amigo que tem loja e comete algum desses erros estratégicos para ajudá-lo!

Leia Mais
Digital

5 dicas para melhorar os posts do seu feed

Os posts do seu feed são muito importantes, pois são a “vitrine” da sua marca. É por isto que você deve sempre trazer conteúdo relevante para a sua audiência e trabalhar com um design atrativo e contrastante.

Porém, não é apenas com conteúdo bom e bonito que você vai ter bons posts. Separamos 5 dicas para melhorar as suas postagens, retendo ainda mais a atenção do seu usuário e permitindo que o algoritmo dissemine sua publicação para ainda mais pessoas:

Use a nova dimensão de posts permitida
Apesar dos posts quadrados serem ótimos para trabalhar a margem do post, usar posts mais alongados permite que apenas a sua publicação apareça em uma rolagem do feed. Maior e ocupando a tela toda, ela faz com que o público direcione sua atenção para um único post na tela, sem ver descrições dos outros posts que aparecem para ele.

Por isto, utilize a medida 1080 px por 1350 px.

Marque pessoas
Ao marcar pessoas, o Instagram entende que sua publicação não é apenas conteúdo, mas tem pessoas também. Por isto, ele melhora o alcance da postagem. Porém, não marque pessoas aleatoriamente. Além de ser inconveniente, a ferramenta identificará se não tiver pessoas no post, e pode ter o efeito reverso.

A dica é fazer, regularmente, postagens com fotos suas ou de clientes fazendo as marcações. Você gera valor para a sua marca, cria uma relação próxima com o cliente e o Instagram faz o resto.

Adicione uma localização
Como as pessoas têm o costume de postar fotos depois que já voltaram para casa, a ferramenta não diminuirá a entrega da sua publicação se você adicionar uma localização diferente da sua.

Porém, certifique-se que o local não é extremamente longe de onde você está. Se marcar outro estado, por exemplo, como é mais improvável você estar em dois lugares distantes num período tão curto de tempo, o alcance diminuirá.

Por isto, aposte em fazer posts marcando locais comuns, principalmente os mais “instagramáveis” e visitados, como Av. Paulista, Butantã ou Santana.

Marque produtos
Se você vende produtos físicos, é bem bacana criar um catálogo para os marcar nos posts. Além de você não precisar dar informações de preço e tamanho do produto na descrição, quando há produtos marcados as pessoas ficam curiosas para ver as informações deles, retendo ainda mais a atenção delas na sua publicação.

Porém, evite marcar a quantidade máxima de produtos por foto: dê preferência por marcar até dois produtos por post. A pessoa pode ficar perdida em ter que ver tantas coisas, e ao invés de ficar mais no seu post, ela pode desistir de ler tudo e rolar o feed dela.

Use boas hashtags
Por fim, a dica que todos sabem, mas não sabem utilizar. Marcar as hashtags é importante para que a ferramenta dissemine seus posts para quem segue determinada hashtag. Porém, geralmente vemos marcas com quatro ou cinco linhas de descrição só para isto, e com hashtags que não têm a ver com o conteúdo da postagem.

Foque em poucas palavras que sejam relacionadas com o seu conteúdo e negócio, que estejam na imagem ou no texto. Aproveite também para “casar” a hashtag com a localização que você utilizou. Se adicionou a localização da Av. Paulista, coloque #paulista, por exemplo.

Utilizando as dicas acima de forma intercalada nas suas postagens, você terá mais visualizações e maior permanência da audiência vendo seu conteúdo. Por isto, coloque em prática as dicas acima e, se gostar, compartilhe esse post com um amigo que também precisa testar as ideias que demos!

Leia Mais
Digital

6 dicas infalíveis para exercitar a criatividade

Que caia por terra o conceito de que criatividade é uma espécie de poder mágico que ou você tem ou não tem. Como diz Stalimir Vieira, em seu livro “Raciocínio Criativo na Publicidade”, a criatividade já está latente em todos nós desde sempre e exige paixão para se expandir.

O problema que muitas vezes temos então não é não ter criatividade, e sim, não conseguir usá-la. E isso faz todo o sentido no contexto em que vivemos hoje, com tanto estresse, tantas coisas acontecendo e o fato de ter o ambiente de trabalho dentro de casa e tudo o que isso pode repercutir. Então, quem trabalha ou quer trabalhar com criatividade precisa fazer um esforcinho para manter a cabeça funcionando ou evitar o tal do “bloqueio criativo” em algum momento do caminho.

Por isso vamos juntar aqui algumas dicas básicas para continuar exercitando seu potencial criativo no dia a dia:

  • Buscar novos repertórios – criativo, é imprescindível que você não se deixe parar apenas nas coisas que você já conhece ou gosta. É muito importante conhecer novas coisas, novos estilos, novos gêneros, para expandir sua capacidade criativa a novos ambientes e atingir mais universos. Sem contar que o simples ato de conhecer algo novo e sair de seu lugar comum já ajuda sua cabeça a pensar em novas coisas.
  • Reorganizar seu espaço de trabalho – o exercício de, periodicamente, mudar um pouco a organização de sua mesa e todo o espaço de trabalho (além de limpá-lo, é claro) é algo que pequeno que ajuda a oxigenar a cabeça. Isso porque ficar no mesmo ambiente sempre do mesmo jeito, ainda mais no modelo home-office, acaba nos fazendo ficar muito acostumados a um padrão; quando movemos arrumamos e movemos as coisas de lugar, abrimos pequenos novos olhares também.
  • Manter contato humano – principalmente nos dias de hoje, o processo criativo não é algo totalmente solitário. O contato com outras pessoas nos permite conhecer novos mundos também, e, além de servir para aumentar nosso repertório, também contribui para aprendermos a falar e criar com novas linguagens e pensamentos. Então, nada de ficar trancado no quarto sozinho, hein?
  • Cultivar hobbies – seja tocar um violão, ler uns livros, desenhar, escrever, pintar, montar quebra-cabeça, o que seja; hobbies são muito úteis pra gente refrescar um pouco a cabeça ao mesmo tempo em que trabalhamos novas habilidades e artes, e o resultado disso vai aparecer na próxima vez que for criar alguma coisa, seja em novas ideias ou novo ânimo.
  • Se permitir parar – existe uma utilidade muito grande em tirar momentos para simplesmente relaxar sem fazer nada de “produtivo”. Além de ser fundamental pra saúde física, mental e emocional, uma pausa também é muitas vezes necessária para oxigenar um pouco a cabeça e conseguir “resetar” os pensamentos um pouquinho para revisar aquele projeto com a mente mais fresca e saber melhor onde aprimorar.
  • Treinar – por fim, se você trabalha com criatividade, não dá para esperar que ela simplesmente vai brotar do nada quando você precisar realizar algum trabalho. Exercícios no dia a dia, por menores que sejam, ajudam esse potencial criativo sempre desperto. Então, além de fazer alguma coisa dessa lista, busque também usar momentos livres que tiver para treinar ou aprender uma nova técnica ou criar uma peça pequena só por prazer e para praticar.

São dicas simples, mas que podem ajudar muito. Lembre-se que você, também, é uma pessoa criativa, e que não há uma regra única para ela se manifestar!

Leia Mais
Digital

A cultura do áudio em 2021

Rapaz negro deitado de bruços com a cabeça apoiada na mochila, com o celular na mão e usando headphone sem fio

A questão das diferenças entre as gerações não acabou com o assunto “cringe”, mas desta vez não é pra brigar. O Spotify recentemente divulgou uma nova edição do relatório Culture Next Report 2021, apresentando o comportamento dos brasileiros com os áudios atualmente, entrevistando pessoas da Geração Z e millenials.

Com e um ano e meio de isolamento social, é inegável como a cultura digital mudou e mudou seus usuários, e uma parte dela que não podemos deixar de prestar atenção é o universo dos áudios — e aqui incluo chamadas de voz, mensagens de áudio, músicas e podcasts.

O estudo nos mostra, por exemplo, que um benefício dos áudios é a possibilidade de se conectar facilmente com pessoas queridas que estão longe, se manter informados e até mesmo aproveitar o tempo para si. Se torna uma opção mais confortável para quem ainda não se sente muito à vontade com chamadas em vídeo ou para quem quer conciliar a rotina agitada no meio digital com algo prazeroso para ouvir enquanto trabalha, para adquirir algum conhecimento, etc., sem necessariamente precisar interromper suas atividades para assistir um vídeo, por exemplo.

Além disso, eles ajudaram muitas pessoas a se sentirem menos sozinhas, aponta o estudo. A conexão que alguns, especialmente os millenials, fizeram com o apresentador do podcast, ou o simples fato de ouvir uma conversa humana mais leve que muitos programas oferecem, ou de tratar sobre assuntos de espiritualidade, a disponibilidade das músicas favoritas ou as nostálgicas, enfim: todos esses são motivos que levam a esse cenário.

E a pesquisa continua a nos mostrar a importância para o bem-estar dos consumidores da Geração Z e dos millenials ao mostrar que outra grande razão que faz esses públicos se manterem conectados com podcasts e demais conteúdos, cada um de sua forma, é que eles os ajudam a se conectarem com si mesmos, reduz o estresse e traz o conforto da voz humana. O áudio já faz parte da rotina de bem-estar e saúde mental das pessoas.

Para as marcas, entender tudo isso é fundamental para saber como se conectar com seu público, se produz ou pensa em produzir conteúdos desse formato. Não basta jogar qualquer coisa em áudio, é preciso ainda pensar realmente em como fazer isso se encaixar no que a pessoa procura quando abre o Spotify ou plataforma semelhante. E até, ouso dizer, tomar cuidado para não soar invasiva e interesseira disso tudo.

Enfim, uma das maiores coisas que o relatório nos oferece é a reflexão do que o consumidor atual, independentemente de sua geração, de fato precisa e que tipo de experiência precisa se disponibilizada para ele baseado em nosso cenário mundial.

O relatório completo pode ser acessado aqui: https://culturenext.byspotify.com/pt-BR

Leia Mais
Digital

Juliette comanda o “Festão de Ofertas” no aniversário da Americanas

Sob o comando de sua embaixadora, a marca comemora aniversário com
criação da WMcCann e mega live, produzida pela Play 9, com ofertas e
convidados especiais

Com a campanha “Festão de Ofertas”, a Americanas celebra mais um
aniversário com ofertas e condições especiais para seus clientes. Uma
das marcas mais queridas pelos brasileiros tem muito pra comemorar, a
data fortalece o objetivo da marca de ser cada vez mais relevante no dia
a dia dos clientes, garantindo sempre a melhor experiência de compra em
todos os seus canais, lojas físicas, site e app.

Criada pela WMcCann, a campanha de aniversário da Americanas é
dividida em duas fases. A campanha estreia na próxima segunda (26) com
publicidade em TV, digital e rádio, além de ativação nas redes com
influenciadores.

A partir da segunda semana de agosto, começa a segunda fase da
campanha, que ganha reforço de mídia OOH e envelopamento das lojas
físicas, comunicando super descontos, frete grátis e cupons exclusivos
no app. E como cereja do bolo de aniversário, a embaixadora Juliette
estará à frente de sua segunda mega live com a marca. Ela comandará
uma programação com duas horas de duração, com convidados especiais,
influenciadores do grande público, dinâmicas e brincadeiras.

“Estamos muito animados para comemorar o aniversário da Americanas e
ter a nossa embaixadora Juliette Freire no comando desta festa. Com a
mega live, queremos levar entretenimento para os nossos clientes por
meio de games, convidados especiais e ativações de marca parceira”,
afirma Briza Bueno, head de marketing da Americanas.

A mega live será produzida pela Play9, em parceria com a Stage Digital,
responsável pelas parcerias estratégicas da marca. Tais parcerias
reforçam a busca por uniões que ajudem na construção de mensagens e
diálogos com públicos estratégicos não só agora em sua campanha de
aniversário, mas durante todo o ano, com discursos interligados com as
campanhas da Americanas.

Assista aqui: https://www.youtube.com/watch?v=4MSh9hEa04A [1]

Ficha Técnica:

Agência: WMcCann Rio
Cliente: Americanas

Produto: Institucional
Nome da campanha: Aniversário

CEO: André França

CCO: Hugo Rodrigues e Mariana Sá

CSO: Renata Bokel

VP Executivo e Diretor Geral da WMcCann Rio: Marcio Borges

Diretor de Criação: Ricardo Weitsman

Diretor de Criação Associado: Felipe Gomes

Criação: Ricardo Weitsman, Felipe Gomes, Durval Filho, Andrea Lobato e
Thiago Machado

VP de Planejamento: Renata Bokel

Planejamento: Luiza Portella, Pedro Osti, Daniela Urzeda e Evelyn
Cristina

Atendimento: Anna Moraes, Tarso Campos e Mariana Magalhães

VP de Mídia: Fabio Urbanas

Mídia: Patricía Oliveira, Samantha Rodrigues, Naiana Grangeiro,
Juliana Moraes e Beatriz Monteiro

BI: Cláudio Gomes, Ingrid Barros e Miguel Masuet

Produtora: Vetor Filmes
Direção: Carol Delgado

Direção de fotografia: Thiago Cauduro

Diretor Executivo: Alberto Lopes
Produção Executiva: Fernando Carvalho e Francisco Puech
Atendimento: Natalia Wandel, Marcia Guimarães
Montagem: Daniel Fiori
Coordenação de finalização: Clara Morelli e Tatiana Caparelli
Finalização: Equipe Vetor Zero

Produtora: Raw Audio

Produção Musical e Sonoplastia: Equipe Raw Audio

Compositor: Hilton Raw

Mixagem: Equipe Raw Audio

Atendimento: Carol Peternelli

Coordenação: Robério Barbosa

Locução: Simone kliass

Agenciamento: Stage Digital

Projetos: Erika Casal e Alexandre Gemmal

Relações Públicas: Kerena Neves

Aprovação pelo cliente: Léo Rocha, Stella Martins, Carla Maria,
Marcella Nunes, Erika Mattos, Bárbara da Rocha Montes.

Leia Mais
Digital

Instagram: 5 conteúdos que te ajudam a vender

Muitas vezes, apesar de postar as fotos do que você vende no Instagram e dar dicas sobre o seu nicho, não é suficiente para converter uma venda. Isto, pois este tipo de conteúdo ajuda a gerar engajamento, mas não necessariamente fará com que as pessoas queiram comprar de você.
Por isto, separei 5 conteúdos buscando vender.

Como usar os produtos
Uma ótima forma de começar é fazer reels ou stories mostrando como usar o seu produto. Se você vende carteiras personalizadas, você pode mostrar diferentes formas de carregá-la, como organizar os documentos nela ou até mesmo dar dicas para deixar a foto do mozão ou um número de emergência dentro.
Você deve mostrar além do óbvio. Todo mundo sabe para que serve uma carteira. Você deve expor outras coisas que se pode fazer com o seu produto além da sua função principal.

Benefícios dos produtos
Outra ideia é mostrar os principais benefícios do seu produto. Nesta parte, é interessante abordar práticas ecológicas – como uso de materiais recicláveis – resistência e durabilidade do material, opções de personalização e muito mais.
Você precisa fazer com que seu público sinta necessidade pelo que você vende – através de atributos físicos do seu produto – e empatia pela marca – ao incorporar questões socioambientais à sua empresa.

Reposts dos clientes
Além de falar do produto em si, é importante mostrar o que as outras pessoas acham dele, afinal, quem produz costuma achar maravilhoso, mas e quem de fato consome? Por isto, reposte as fotos que os seus clientes fizerem usando seu produto.
Desta forma, você consegue agregar valor ao que oferece e mostrar que as pessoas que confiaram nos seus serviços e compraram contigo, gostaram do que receberam.
O seu cliente sentirá mais segurança ao ver que você cumpre com o que oferece.

Feedbacks
Uma forma ainda mais impactante de passar credibilidade e confiança pela sua marca é postando o que o seu cliente achou do que comprou. Tire um print da conversa de vocês com o feedback do que acharam.
Mas atenção: não peça para o cliente falar bem. Peça para ele falar a verdade. Se você oferece um serviço de qualidade, não precisa se preocupar dele falar mal. Além disso, você se mostra honesta e transparente com quem já comprou de você, fazendo com que a pessoa se sinta ainda mais confortável para refazer um pedido e agrega ainda mais valor à sua marca.

Ideias de presentes
Esta é uma forma bem descontraída e mais geral de vender. Você, até agora, mostrou as qualidades do seu produto para quem quer comprá-lo. Dessa vez, você irá mostrar para ele como presentear alguém com o que você vende.
Dê ideias em épocas especiais, como Dia das Mães e Natal, e datas comemorativas individuais, como aniversário de namoro, mesversário de pet ou aniversário de alguém, de fato.
Mostre formas legais de embalar seu produto, funcionalidades, e brinque em como a pessoa que receberá o presente vai se sentir feliz ou ser melhor depois de ter o que você vende.

Utilizando essas 5 ideias, sem deixar de mixar as formas de abordá-las no Instagram – reels, lives, story ou feed –  você com certeza irá vender mais, agregar valor e gerar engajamento. Se você mostrar a importância, qualidade e o que as pessoas que já compraram de você acham sobre o seu produto, você passará confiança e irá vender.
Lembrando que estas dicas valem para qualquer negócio, seja ele focado em vender para outras empresas ou para o consumidor final. Basta você pegar a essência das dicas e aplicá-la no seu nicho.

Você já usa alguma dessas dicas hoje em dia? Funciona para o seu negócio? Conte para a gente!

Leia Mais
DigitalMídia

Motivos para utilizar lances automáticos no Google Ads

Primeiro, antes de falar sobre os lances, é importante contextualizar para os leitores que não são familiarizados com a plataforma, que o leilão é uma maneira com que o Google utiliza para democratizar a veiculação de anúncios publicitários em seus canais.

Sim, leilões, baseado nos tradicionais de quem paga mais leva. Porém, para não ficar injusto com as pequenas marcas, o Google mudou essa mecânica, incluindo um índice de qualidade, ou seja, o dinheiro continua valendo, mas é preciso ter conteúdos de qualidade para se destacar e ficar nas melhores posições.

Então, não tem mistério, para fazer anúncios no Google basta fazer bons lances e ficar de olho no índice de qualidade do conteúdo. Sim, mas iria demandar um esforço operacional muito grande para acompanhar e processar todas as informações que as plataformas digitais conseguem gerar hoje em dia, por isso o Google recomenda a utilização de lances automáticos nas estratégias de anúncios no Google Ads.

Segue abaixo três motivos para você adotar essa solução em suas campanhas:
— Aprendizado de máquina: chega de chutometro, com esse recurso, a plataforma utiliza algoritmos para definir o melhor lance para cada leilão dentro das metas desejadas, de modo que você possa poupar o dinheiro do cliente em não ter que ficar fazendo adivinhações.

— Economia de tempo: se você fosse cruzar dados, analisar perfil de público-alvo, ajustar os lances otimizando a rentabilidade, isso iria te consumir muito tempo, e você perderia deixaria o lado estratégico da campanha para se dedicar apenas ao processo manual que facilmente é executado pela automação da plataforma.

— Lance durante os leilões: com aprendizagem de máquina e uma base de processamento de dados, o resultado é uma alta precisão para identificar as melhores oportunidades de conversão.

Essas e outras dicas para melhorar a seu desempenho na plataforma e conquistar mais resultados positivos para seus clientes, visite o skillshop.exceedlms.com e faça os cursos e certificações que a plataforma disponibiliza gratuitamente.

Leia Mais
Digital

O fenômeno “cringe” e como os virais são usados na publicidade

Recentemente tem sido muito usado nas mídias sociais o termo “cringe”, que é uma palavra em inglês que se refere a algo que gera vergonha. A expressão viralizou a partir dos jovens da Geração Z dizendo que coisas como gostar de certas séries e filmes, tomar café da manhã, usar hashtags e basicamente ser millenium é “vergonhoso e ultrapassado”.

Isso ganhou grandes proporções nas mídias e gerou tanto debates sobre as diferenças entre as gerações quanto piadas. Mas para a publicidade atual, esse é o tipo de fenômeno que pode ser interessante para as marcas expressarem o que desejam ou atribuir valor próprio, como algumas estão demonstrando.

Antes de mais nada, é muito importante ter em mente dois pontos sobre o uso de ondas da internet como essa: deve ser feito de forma inteligente e adequado ao que a marca se propõe a ser e expressar, para não se tornar algo superficial com o propósito único de ganhar algumas curtidas, e tem que ser feito rapidamente, pois, em geral, essas tendências acabam tão de repente quanto começam.

Separei alguns exemplos de marcas que souberam aproveitar bem disso para ilustrar:

  • A loja Quero Dobra fez em seu perfil no Instagram (@querodobra) uma postagem simples com a frase “A Dobra é cringe?” em que perguntavam abertamente para o seu público se a marca se encaixa nessa característica. Conseguiram vários comentários com o público dando sua opinião de forma positiva: alguns dizendo que não, outros que sim, e, o principal, trazendo o recado unificado de que “se a loja é cringe, seu público é também e ser cringe é legal”. Depois, fizeram stories concluindo o que descobriram junto com o público sobre sua própria identidade. Assim, de forma simples e bem humorada, a marca utilizou da tendência para reforçar e apresentar novamente quem eles são e seus valores.

 

  • O curso Se Liga, também em sua conta no Instagram (@seliga_enem_e_vestibular) fez uma publicação “rejeitando as caixinhas das gerações”, mas assumindo que sua equipe gosta de fazer e de consumir coisas que são consideradas cringe. Embora de uma forma mais simples, buscaram também reforçar a sua identidade jovem e seu diferencial de ser um curso divertido.

 

  • Já a agência @digi.girls, que produz conteúdos para auxiliar mulheres empreendedoras a crescerem no ambiente digital, trouxe uma publicação pontuando as características de uma “empreendedora cringe”, se assumindo como tal. Além de agregar o termo à sua identidade, proporcionaram a reflexão ao seu público para ajudá-lo a formar sua identidade também, aliando a tendência àquilo que o perfil oferece aos seus seguidores.

 

A internet é rápida e essa é só um exemplo de como tendências surgem nela de repente e podem tomar grandes espaços e discussões dentro dela. No momento em que estamos atualmente, em que o ambiente digital se tornou ainda mais importante para as marcas, ficar atento a elas e saber se deve utilizá-las, como fazer isso e o timing correto abre ótimas oportunidades.

Leia Mais
Digital

5 formas de desdobrar o mesmo conteúdo

Muitas vezes temos dificuldade em achar um tema para postar, principalmente quando estamos mais imersos ao universo do qual iremos falar.
Afinal, conhecendo tanto dele, muitas vezes nos esquecemos que o nosso público tem dúvidas sobre o básico.
Por isso, te convido a experimentar as 5 dicas abaixo, e para isso vou utilizar o exemplo “unhas de vidro”.

O que é
Um dos primeiros posts interessantes para se fazer sobre o conteúdo é justamente falar o que ele é. Portanto, o que é alongamento de unha de fibra de vidro? Fale sobre a composição dos materiais, no que consiste a técnica e sobre o resultado final.
Com isso, você garante que o seu público saiba do que você está falando, para que possa engajar com os demais desdobramentos deste tema.

Importância
Após você contextualizar o seu público com o que são as unhas de vidro, é importante que você mostre por qual motivo é importante fazê-la. Neste exemplo, seria possível ressaltar que ajuda pessoas que roem unha a pararem, já que o vidro, além de muito duro, machucaria a boca; ou apelar para o cunho de status de uma mulher empoderada e decidida, com estilo próprio e determinada. Ainda, poderia aproveitar para incentivar o autocuidado e a vaidade, por exemplo, para mulheres que saíram de uma relação abusiva e não podiam escolher o que vestir, que cor usar, ou como cortar o cabelo.
Apele para aquilo que fizer sentido para o seu produto ou serviço, e que, de preferência, esteja atrelado aos costumes e dia a dia do seu público. Mas lembre-se: seja sempre honesto e verdadeiro ao caracterizar o que você vende, pois sem confiança não existe relação de amizade, amorosa ou de cliente.

Erros e acertos
Depois de apresentar o que é aquele serviço e sua importância, você precisa provar que o que você oferece é melhor que o da concorrência. Por isto, é interessante fazer um comparativo de consequências ao realizar o alongamento em um lugar mais barato – que usa produtos de segunda linha e que podem dar reação alérgica – em relação ao seu.
Não necessariamente você deve comparar com a concorrência, às vezes mostrar as qualidades do seu produto já resolve. Isso vai do seu feeling sobre a aceitação do seu público.

Tipos
Para complementar a estratégia, é interessante trazer os tipo de processos, ou comparar com serviços diferentes que parecem a mesma coisa para quem não é profissional da área.
Na dica anterior, você compara o mesmo produto com o da concorrência. Nesta, você compara o seu método com outras formas disponíveis no mercado. No caso da unha de vidro, ela poderia ser comparada com a unha de gel ou unha acrilfix, explicando as diferenças entre cada tipo de alongamento.
Com isso, você mostra que além de ter conhecimento de mercado, o seu método traz vantagens mais interessantes para o seu consumidor.

Como fazer
No caso do alongamento, não é indicado ensinar a fazer em casa, pois existem materiais exclusivos e técnicas que não são facilmente replicáveis. Porém, pode-se ensinar a “dar um jeitinho” naquela unha que eventualmente lascou ou saiu o esmalte até a data da sua manutenção.
Outra forma de abordar esse tópico é explicar sobre as etapas do procedimento. Portanto, para fazer a unha, você marca um teste, para ver se tem alergia a algum componente utilizado, depois marca para fazer todas as unhas, e depois as manutenções. Assim, você consegue contextualizar o cliente sobre quanto ele vai gastar e o tempo médio de duração do seu serviço.

Com o que combina
Essa dica é muito utilizada no ramo de beleza, por marcas de roupa ou de maquiagem. Geralmente, combinam cores de blush com tom de cabelo ou formato das peças com o tipo de corpo de cada pessoa. Tente aplicar a ideia de combinação no seu mercado também.
No caso das unhas, elas podem combinar a cor ou o modelo: a cor com a roupa, se for para alguma festa e já souber com qual look vai; e o formato – redonda, quadrada ou stiletto – de acordo com o estilo da pessoa – romântica, moderna ou sensual.
A ideia é que você mostre formas diferentes do seu cliente aproveitar aquele produto, tanto para ele, quanto para indicar para alguém. Eu por exemplo, sou apaixonada por unha quadrada, mas tenho uma amiga que com certeza ama a stiletto, então eu encaminharia o post para ela ver também. Você gera pertencimento e pluralidade.

 

Gostou das dicas que demos para desdobrar um mesmo tema em 5? Você já usa alguma dessas dicas com os seus clientes ou em seus projetos pessoais? Compartilhe esse post com alguém que sempre trava na hora de criar conteúdo.

 

Leia Mais
DigitalMarketing

Agora a Netflix tem loja online

Com a entrada da HBO Max, Disney, Prime Vídeo e outros players no mercado de streaming, a Netflix tive uma queda de novos assinantes no primeiro trimestre de 2021, arrecadando apenas 3,98 milhões de novos assinantes, o que representa apenas 46% em relação ao ano de 2020. Com essa mudança de cenário, a empresa começou a explorar outros mercados.

O e-commerce foi uma escolha da plataforma de ampliar suas fontes de receita e em parceria com a Shopify, nessa semana lançou a sua primeira loja on-line, netflix.shop que irá vender produtos das séries e filmes originais da plataforma.

Inicialmente está disponível apenas para compras realizadas nos EUA, e o seu catálogo contém produtos da série Lupin e dos animes Eden e Yasuke, ao longo do tempo a Netflix promete incluir produto de outras séries originais.

Leia Mais