close

Digital

DigitalMarketing

Agora a Netflix tem loja online

Com a entrada da HBO Max, Disney, Prime Vídeo e outros players no mercado de streaming, a Netflix tive uma queda de novos assinantes no primeiro trimestre de 2021, arrecadando apenas 3,98 milhões de novos assinantes, o que representa apenas 46% em relação ao ano de 2020. Com essa mudança de cenário, a empresa começou a explorar outros mercados.

O e-commerce foi uma escolha da plataforma de ampliar suas fontes de receita e em parceria com a Shopify, nessa semana lançou a sua primeira loja on-line, netflix.shop que irá vender produtos das séries e filmes originais da plataforma.

Inicialmente está disponível apenas para compras realizadas nos EUA, e o seu catálogo contém produtos da série Lupin e dos animes Eden e Yasuke, ao longo do tempo a Netflix promete incluir produto de outras séries originais.

Leia Mais
Digital

Um parceiro de mídia digital completo para seu dia a dia

Nos últimos anos, as equipes de mídia têm ficado cada vez mais enxutas dentro das agências de publicidade. Isto fez com que as mesmas tarefas fossem divididas por um número menor de profissionais dentro do time, o que – claro – tornou o dia dessas pessoas extremamente corrido.

Trata-se de um movimento natural que tem acontecido em todos os mercados e em agências de pequeno, médio ou grande porte, muito por conta do modelo de negócio que se desenhou e que foi ainda mais impulsionado em tempos de home office.

Planejar, negociar, implementar e otimizar campanha são apenas algumas dessas tarefas diárias dos profissionais de mídia que se somam às reuniões internas, com clientes e claro, os encontros diários com os veículos de mídia.

Numa rotina tão intensa e pesada, poder contar com um parceiro de mídia que consiga pensar o seu negócio e contribuir de forma estratégica para os bons resultados faz toda a diferença.

Na OPL Digital, com apenas uma negociação a marca anunciante pode estar presente em sites e aplicativos de todo o mundo de forma segmentada, assertiva e que seja geradora de bons resultados. A gente aqui, por conta de nossas parcerias com muitos dos maiores publishers do mundo, possui atuação global, com inventários em todos os continentes, atingindo assim, 95% de toda a internet.

É segurança e intensidade na exposição da sua marca nos maiores sites e aplicativos de conteúdos enquanto você tem tempo para tocar outras demandas igualmente importantes na sua rotina.

Fale com a OPL Digital e saiba como a gente pode te ajudar.

Leia Mais
Digital

Como usar hashtags nos seus posts do Instagram

Sabemos que para seus posts terem sucesso é preciso utilizar todas as ferramentas que estão disponíveis. E uma delas são as famosas hashtags. Você sabe a maneira correta de usá-las?

 

A maioria das pessoas possui um certo tipo de preconceito em relação ao uso das hashtags. Mas, com a utilização correta delas, suas publicações são mais facilmente encontradas pelas pessoas que não te seguem, tendo seu post sendo mostrado nos resultados de pesquisa e no seu explorar. Existem algumas estratégias para ter mais alcance, ganhar mais seguidores e obter interações nos seus posts, e é isso que vamos te mostrar agora!

 

  1. Frases curtas

Se for colocar frases, escreva frases curtas e #NãoMuitoLongasComoEssa. Brincadeiras à parte, tente separar as palavras, e se for preciso, use frases menores. Caso contrário acaba se tornando algo muito difícil e específico de se pesquisar.

  1. Quantidade de Hashtags

Vale ressaltar que o Instagram permite adicionar até 30 hashtags, mas há algumas pessoas que burlam isso colocando mais nas legendas. A pergunta é: há uma quantidade ideal de hashtags? Bom, depende. Há quem coloca em cerca de 5 ou 10, e tem gente que costuma colocar 30. A resposta estará nos seus insights.  Então vá testando e comparando resultados para perceber o que funciona nos seus posts.

  1. Ter relação com o conteúdo postado

Não adianta também querer adicionar todas as hashtags existentes do mundo, né? É preciso apenas colocar tags que tenham a ver com seu post ou com o que quer passar com ele. Caso contrário, o público-alvo se dispersa e, consequentemente, você não terá tanto engajamento quanto gostaria.

  1. Termos em inglês

Em alguns casos, você também pode inserir palavras em inglês para expandir o seu alcance.  Pessoas também pesquisam termos específicos ou técnicos, então vale a pena dar uma pesquisada e comparar outros posts parecidos com os seus.

  1. Perguntas para facilitar

Para facilitar responda essas perguntas com as hashtags:

Vamos imaginar que a publicação é sobre um petshop, que postou um cachorro tomando banho.

– Quem é você

#Petshop

– Quem são os seguidores

#Pets #Animais #Cachorro #Gato

– O que eles estão procurando

#Banho #Tosa #Coleira #PetCare

– Sobre o que é o post

#Banho #Cachorro #BanhoEmPet

 

Lembrando que não importa onde as hashtags estarão: na legenda (no meio do texto, ou no final de tudo) ou nos próprios comentários, funciona do mesmo jeito.

 

  1. Ferramentas

Existem também algumas ferramentas para facilitar seu trabalho e poupar tempo, achando as melhores hashtags você usar. Fizemos uma lista de alguns sites e aplicativos para te ajudar.

  • Flick Tech
  • Hashtag Generator
  • Postcron
  • Leetags
  • Display Purposes
  • Tags Finder

 

Prontinho! Agora você sabe a maneira correta de usar as hashtags. Lembre-se sempre de testar e analisar os resultados quando postar algo para ver a compatibilidade do seu público. Esses métodos também funcionam nos Stories, então não perca tempo!#FicaADica.

 

 

Leia Mais
Digital

Instagram: 3 dicas para conseguir seguidores reais

Acredito que todo mundo já recebeu aquelas propostas de compra de seguidores do Instagram pagando pouco. E acredito também que você já sabe que fazer isso não é o ideal. O que você não sabe é como, portanto, conseguir bons seguidores.

Por isso, separei 3 dicas que estou usando para a minha empresa e tem gerado resultado.

Siga e curta possíveis clientes
Apesar de dar trabalho, se você seguir esta dica, terá retorno sim! Vá no Instagram do seu concorrente, no último post, e olhe as pessoas que curtiram a publicação. Entre no perfil de cada uma delas, e naqueles que são destravados, curta de duas a três fotos e siga a pessoa também.

Esta é uma forma orgânica de você aparecer nas notificações dessa pessoa, chamando a atenção dela para o seu logo. Muitas acabam seguindo de volta, sendo uma maneira eficaz de conseguir seguidores que de fato são interessados pelo que você vende, afinal, você os buscou na sua concorrência.

Agora, se esse usuário apenas curtir um post seu de volta ou não interagir com o seu perfil, siga a próxima dica.

Trabalhe com retargeting

Se você ficar apenas curtindo as fotos dos seguidores no Instagram, talvez eles não te sigam de volta, apenas curtam seu conteúdo novamente. Como a ideia é a conversão, para que continuem recebendo suas postagens e, futuramente, comprem de você, curtirem os seus posts do Instagram não é suficiente.

Por isso, mande mensagem para aqueles que curtiram algo seu – pois já demonstraram certo interesse pelo seu perfil – dizendo que está começando e que ficaria muito feliz em ter aquele usuário com você. Fale de forma que ele se sinta importante e pertencente. Peça, mas diga que se ele não se sentir à vontade, está tudo bem também.

Esse tipo de interação mais direta pelo DM do Instagram nessa segunda etapa costuma ter bons resultados, não só com a pessoa seguindo de volta, mas respondendo a sua mensagem e apoiando seu trabalho.

Interaja com a sua base

Redes sociais é como um relacionamento: você deve dar para receber, e muita gente, apesar de buscar os seguidores, não os dá atenção.

Por isso, após conquistar seus seguidores, curta os posts deles, responda suas enquetes e comente quando postarem algo relacionado com o seu produto. Tire 10 minutinhos do seu dia pela manhã, tarde e noite para fazer isto. Te garanto que faz toda a diferença.

Com essas dicas, além de você manter seu perfil de Instagram ativo, mostra que é próximo aos seus usuários, gerando pertencimento de marca e possibilitando maior interatividade da parte deles com a sua marca.

Gostou desse conteúdo? Então aproveita e compartilha com aquele seu amigo que está abrindo uma lojinha no Instagram e ainda não tem uma base legal de seguidores!

Leia Mais
Digital

Uaaaaau, que atualização ‘mara’ do WhatsApp! Mas até que ponto?

Há pouco mais de uma semana, o aplicativo WhatsApp teve uma nova atualização liberada, que se trata da função de acelerar mensagens de voz recebidas, podendo acelerar em 1,5x ou 2x. Mesmo em poucos dias de chegada dessa nova função, já tem muitos comentários e piadas geradas na internet. Alguns dizem que ganharam tempo, outros dizem que finalmente chegou a solução para aqueles “podcasts” dos amigos que falam demais por mensagens de voz, tem os que estão se divertindo ouvindo os áudios tão rápidos que nem entendem o que está sendo dito e alguns ainda nem utilizaram por ser tão recente.

Verdade seja dita que todas as atualizações têm seus prós e contras. De fato algumas atualizações são tão boas que pensamos “como foi possível viver tanto tempo sem isso?”. Mas essa atualização trata-se do reflexo de uma sociedade cada vez mais imediatista, a geração que interpreta literalmente a famosa expressão de que “tempo é dinheiro”, e de fato, não podemos estacionar nossas vidas e dormir no ponto, mas nós também precisamos viver o hoje e não nos tornarmos escravos em tempo integral focados somente naquilo que ainda está por vir.

Mas a questão a ser refletida hoje é justamente até onde queremos chegar com tantas atualizações? Não pela questão de inovar, pois isso é sempre bom e só nos tem a agregar, mas ouvimos tanto sobre a ansiedade, pessoas que vão parar no hospital com crises de ansiedade, outras que têm e nem sabem, pois nunca foram diagnosticadas, apenas levam um estilo de vida que estão sempre mais focadas no que ainda vai acontecer, do que naquilo que está acontecendo.

Alguns dizem que ansiedade é o excesso de futuro que te leva aproveitar cada vez menos o presente. Para tudo na vida é preciso haver um equilíbrio: nem muito do passado, nem muito do futuro, é preciso aprender com o que já aconteceu no passado, estar sempre preparado para o futuro, mas vivendo intensamente cada momento do seu presente!

Leia Mais
DigitalMarketingMídia

Métricas e kpis: quem são, onde vivem, de que se alimentam

No artigo de hoje, você vai entender de uma vez por todas a diferença entre métricas e KPIs e porque você deve aplicar desde já em suas atividades, seja você um criador de conteúdo, mídia, social media, empreendedor, gestor de tráfego, atleta ou até mesmo técnico de baseball.

Dizem que só aprendemos algo de fato quando sentimos na pele, por isso trago como exemplo o teste de bioimpedância. Mas, o que isso tem a ver com métricas e KPIs? Calma jovem padawan.

Para quem não conhece, o teste da bioimpedância é uma avaliação física que geralmente é feita por profissionais de educação física para medir as taxas corporais da pessoa antes de começar uma atividade física. Provavelmente você que já iniciou uma academia, ou começou a praticar esporte, deva ter feito esse teste.

Após o teste, você obtém: o peso, taxa de gordura corporal, massa muscular, metabolismo basal, massa óssea, gordura visceral, taxa de líquido, entre outros dados, relevantes para o instrutor ou personal montar uma programação de acordo com o seu objetivo.

Pois, bem! Seu peso, sua altura, sua idade, são métricas referentes ao desenvolvimento do seu organismo. Assim como curtidas, views, compartilhamentos são dados que representam uma pequena fração sobre a evolução do seu perfil nas redes sociais, site ou o que quer que esteja analisando.

A única desvantagem é que se você olhar apenas para essas métricas, dificilmente chegará a conclusões complexas sobre o objeto em questão. Por exemplo: porque está se sentindo cansado ao subir as escadas? Porque a calça jeans já não cabe mais? Esses questionamentos certamente não são 100% respondidos pelos dados apontados anteriormente.

Para entender o motivo por trás dos números e buscar respostas mais plausíveis para indagações subjetivas, utilizamos os KPIs, que são a junção de uma ou mais métricas para relacionar a um objetivo e extrair conclusões mais profundas.

Por exemplo, o IMC – índice de massa corpórea, nada mais é do que dividir o peso pela altura elevada ao quadrado. Nota-se que aqui possui duas métricas, que juntas podem informar se determinada pessoa está acima ou abaixo do peso, próximo de uma diabete ou não, e proporciona ao analista de dados a tomar uma decisão mais precisa e até salvar vidas.

Da mesma forma tempos o ROAS, CLV, CAC, taxa de engajamento, entre outros KPIs que alinhados com seus objetivos de negócio ou atividade, pode te proporcionar vários insights para testar, validar e melhorar a performance do seu trabalho.

Nos próximos posts trago mais informações de como ajustar os KPIs aos objetivos desejados, porque agora vou acompanhar as métricas desse post para bater minhas metas do mês.

Leia Mais
Digital

Instagram: 3 dicas para um copy atrativo

Você faz um post lindo para o Instagram, mas na hora de publicar não sabe o que escrever? Eu já tive muita dificuldade em redigir meus copys, e é por isso que trago essas dicas para vocês.

Quando eu comecei a fazer meus textos do Instagram, eu gostava de colocar frases bonitinhas e curtas, mas isso não estava ajudando a manter o foco dos meus seguidores, e muito menos dos seguidores dos meus clientes.

Neste artigo, trago dicas  práticas e simples, mas que farão toda a diferença na hora de você fazer um bom copy.

Capriche nas duas primeiras linhas

Quando você monta a descrição no Instagram, só aparecerão as duas primeiras linhas dela. Para ver o restante, os usuários precisam clicar em “ler mais”. Mas será que os seus leitores se interessam pelo começo do seu texto para lerem o restante?

Tente sempre trazer tópicos relevantes e que completem o texto da arte – caso a postagem tenha texto na sua composição.

Por isso, garanta que as duas primeiras linhas do seu texto sejam atrativas, tanto pela redação, quanto por ícones visuais, como emojis ou escrever em caixa alta. Mas lembre-se: menos é mais. Não use as duas ideias que dei juntas. Ou uma, ou outra. Assim fica natural e de fato atrativo.

Humanize o texto

Você sempre deve pensar que por trás das telas tem pessoas reais consumindo os conteúdos do Instagram. Por isso, não deixe de adequar a sua linguagem para se comunicar de forma assertiva com o seu público.

Além da linguagem, crie uma narrativa, uma história, que conte algo relevante e de forma real. A ideia é se aproximar do usuário, e não simplesmente mostrar vendas ou se mostrar inalcançável.

Quanto mais “de pessoa pra pessoa” for o seu texto, e obviamente alinhado à sua persona, mais cativante será a sua publicação.

Poste aquela foto sua sem maquiagem, com o cabelo bagunçado, na cama mesmo com o seu pet. Ou então aquela foto que até está tremida, mas que está tão espontânea que ninguém vai reparar na falta do foco. Se for um post do seu cliente, coloque fotos de pessoas parecidas com a persona da marca, em momentos descontraídos, mostrando pessoas reais.

Engaje com o seu público

Essa dica nem parece dica, não é mesmo? Afinal, todo mundo quer engajar a audiência. A questão é: como você pode fazer para reter o seu leitor, e por consequência, gerar engajamento?

Lembra das duas primeiras linhas das quais falei no começo desse artigo? Então. É lá mesmo que você vai começar a engajar, afinal, a pessoa não vai querer “ler mais” se o seu texto não for interessante.

Para torná-lo mais criativo e humanizado, aposte em comparações com o seu público, como “Você também não aguenta mais suas plantinhas morrendo?”. Neste exemplo, você mostra que está do mesmo lado que o usuário, com um problema em comum e que pode ser solucionado.

Além disso, você pode colocar chamadas promocionais, como “Últimas unidades da calça flare em promoção”. Porém, tome cuidado: não faça promoção com a dica da caixa alta. Fica extravagante, jabá e acaba gerando o efeito contrário ao que você está buscando.

E, é claro, mantenha a comunicação com o seu público após contar a sua história: pergunte se ele já passou por coisas parecidas, qual das peças ele gostou mais, ou como ele lidaria com determinada situação.

Use sua mente e coração para construir um texto humano e com gostinho de “quero mais”, e com certeza as pessoas  lerão com mais vontade e proximidade o seu post do Instagram.

Eu tenho certeza que com essas dicas você conseguirá atrair mais a atenção dos seus seguidores no Instagram, e até mesmo daqueles usuários que te encontram por hashtags!
Gostou das dicas? Se sim, compartilhe com aquele amigo que tem dificuldade em escrever seus copys.

Leia Mais
Digital

Sua marca nas mãos do consumidor

A média de permanência no celular é de 5,7 horas por dia, de segunda a quinta-feira. Na sexta-feira e no final de semana, esse número pode chegar a uma média de 6,9 horas por dia. Os dados, que chegam a impressionar, são de uma pesquisa realizada pela empresa AppGuardian, e divulgados recentemente pela revista Exame.

A mesma pesquisa revela ainda que crianças entre cinco e quinze anos, passam mais de 25 horas mensais em frente ao Youtube, consumindo vídeos de todos os tipos e gêneros. Essa geração não cresce assistindo TV, como aconteceu com essa galera que tem mais de 30 ou 35 anos de idade. Essas crianças e adolescentes são nativas digitais, diferentemente da geração anterior, teve que migrar do tradicional pro moderno, do analógico pro digital.

A verdade é que a cibercultura alterou a forma de fazermos as mesmas coisas. Agregou-se tecnologia na nossa rotina e isso otimizou tempo e esforço. Tudo agora, ou quase tudo, pode ser feito pela tela do celular e desta forma, naturalmente passamos mais tempo olhando para nosso smartphone. Pode ver num ponto de ônibus, num farol, numa fila ou mesmo numa sala de espera de consultório médico. Olhar o celular tornou-se uma atividade natural e até intuitiva.

E se isso acontece, as empresas buscam se adaptar. O Whats’App divulgou essa semana que usuários brasileiros agora podem utilizar a plataforma como meio de pagamento de produtos e serviços. Trata-se de uma nova realidade e sim, é um caminho sem volta. A pandemia intensificou e acelerou esse processo, é verdade, mas seria ingênuo pensar que no período pós pandemia, o consumo de digital e em especial do mobile, irá diminuir ou ser o que era anos atrás.

Dessa forma, faz total sentido que marcas queiram se comunicar com seus consumidores através de mídia mobile. Se agora, as pessoas passam horas olhando pra a tela de seu smartphone é lá que as marcas precisam estar.  É uma possibilidade nunca antes de vista de, literalmente, colocar sua marca nas mãos do consumidor.

As possibilidades de segmentação, mensuração e interatividade oferecidas pela mídia mobile são muito maiores do que os demais meios de comunicação permitiram até os dias atuais. Experimente a mídia mobile e tenha sua marca nas mãos dos consumidores. Fale com a OPL Digital e saiba como.

Leia Mais
Digital

DressX: a roupa que você compra, mas não consegue vestir.

 

Em meio a pandemia, fomos obrigados a migrar – quase totalmente – para plataformas online. Pode-se dizer que em 2020, quem não estava acostumado com o digital, precisou aprender rapidinho. Nos adaptamos ao dinheiro virtual, passeios virtuais, eventos virtuais e, agora, roupas virtuais… Isso mesmo! Chegamos na era em que o universo fashion invadiu o nicho da inteligência artificial e promete mudar a forma de consumo.

A Dressx nasceu da vontade de mudar a maneira de consumir moda no mundo. A empresa tem como objetivo atender a um público com necessidade específica, que está sempre a par das novidades do universo fashion e que preza por um consumo consciente.

Mas, afinal, o que essa empresa tem de diferente?

A plataforma conta com mais de 900 modelos de roupas, desenvolvidas e assinadas por diversos estilistas mundialmente reconhecidos. O único detalhe é: as roupas são feitas apenas para serem usadas virtualmente. O site funciona como uma vitrine, composto de looks, desde o mais básico e acessível, até peças de “alta costura” e alto custo. 

 

Exemplo de roupas do site Dressx.com

Olhou? Gostou? É só comprar e vestir, quer dizer, enviar sua foto e esperar que a inteligência artificial do site faça todo o trabalho. Essa maneira de consumir atende, principalmente, a demanda dos criadores de conteúdo digital, que torna a compra física praticamente redundante para estes. Afinal, quem nunca comprou uma roupinha só para tirar foto e nunca a usou? A ideia de comprar roupas exclusivamente no ambiente digital não é novidade, os video games já fazem parte deste universo há um certo tempo. Por exemplo, a compra de skins em jogos, ferramentas exclusivas para os personagens, entre outras coisas. O diferencial proposto pela marca, entretanto, é oferecer uma experiência única de compra em comércio eletrônico de roupas digitais.

Além disso, a indústria da moda é considerada uma das maiores poluidoras do mundo pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento, devido à superprodução e o consumo excessivo de itens de moda. Na DressX, a visão é outra: criar roupas do futuro que eliminam resíduos e produtos químicos durante a produção e minimizem a pegada de carbono.

No estágio atual de desenvolvimento da DressX, pretendemos mostrar que algumas roupas podem existir apenas em sua versão digital. Não compre menos, compre moda digital.”

E aí, você investiria num look completamente digital? 

Dressx: right where you need them.

Leia Mais
Digital

O que a nova atualização da Apple tem a ver com os anúncios segmentados?

A Apple lançou mais uma atualização para o iOS no último 30/04. Dentre todos os incrementos, as principais novidades que chegaram nesse upgrade foram:

• desbloqueio dos aparelhos por Face ID, mesmo usando máscara;
• recursos implementados nos mapas para trazer informações sobre radares e acidentes;
• atualização na assistente Siri: agora é possível escolher entre a voz feminina que já é utilizada atualmente ou uma voz masculina;
• chamadas em grupo via FaceTime;
• 200 novos emojis;
• Prevenção de rastreamento do usuário.

E chegamos ao ponto! Esse último item é o que está fazendo mais barulho para a publicidade porque algo que, até então o usuário não tinha poder de escolha, agora ele passa a ter: ele pode autorizar ou não o compartilhamento de informações com outros aplicativos que tenham a finalidade da exibição de anúncios de propagandas segmentadas, de acordo com o comportamento do usuário.

De acordo com uma pesquisa do Flurry – uma empresa de análise do uso de aplicativos – 88% dos usuários de iOS não permitiram que aplicativos rastreiem seus hábitos comportamentais, possibilitando assim, a aparição de anúncios baseados em seu comportamento. Apenas 21% dos usuários de iOS deram o opt in positivo para o compartilhamento de dados.

É importante lembrar que o usuário não vai deixar de receber anúncios, mas sim esses anúncios não serão mais rastreados de acordo com seus interesses e comportamentos.

Em uma época em que a Lei Geral de Proteção de Dados acaba de entrar em vigor, e vem tomando uma grande força, a Apple acaba usando isso estrategicamente para agregar mais um valor aos seus produtos saindo na frente de seus concorrentes.

Leia Mais