close

Digital

Digital

Estudo identifica 5 perfis diferentes diante do cenário pós-pandemia

TRUTH CENTRAL_PORT

O estudo, realizado pelo McCann Worldgroup, aponta que 50% das pessoas seguirão as regras impostas conscientemente e 13% seguirão suas próprias regras

À medida que algumas partes do mundo caminham para uma retomada nas atividades, surgem muitas perguntas sobre quais comportamentos pré-pandêmicos retornarão e quais novos permanecerão quando o cenário estiver melhorando. Com base em um universo de mais de 16 mil pessoas, em 18 países de todos os continentes, uma pesquisa[1] da Truth Central – unidade de inteligência global do McCann Worldgroup – identificou 5 perfis de atitudes diante da fase de reabertura das atividades pós-pandemia.

Esses perfis foram definidos com base nas respostas e nos comportamentos das pessoas diante das novas regras que os governos estão estabelecendo para este período de reabertura gradual das atividades. São eles:

• Cautelosos: seguem as regras cuidadosamente – 50%*

• Condicionais: seguem algumas regras, mas não outras – 21%*

• Os não conformistas: ignoram todas as regras – 6%*

• Os criativos: seguem as suas próprias regras – 13%*

• Os sem noção: não sabem quais são as regras – 9%*

*Números globais

CLASS

MEXICO

BRAZIL

COLOMBIA

ARGENTINA

CHILE

THE CAUTIOUS

48%

 

54%

 

51%

 

48%

 

58%

 

THE CONDITIONALS

 

22%

18%

20%

22%

18%

THE (NON) CONFORMIST

 

6%

7%

6%

6%

5%

THE CREATIVES

 

15%

12%

13%

11%

14%

THE CLUELESS

 

9%

9%

10%

6%

6%

Quando comparados à média global, nos mercados latino-americanos os “cautelosos” são maioria no Chile (58%) e no Brasil (54%), e os “condicionais” no México e Argentina, com 22% em ambos os países. O perfil de “não conformista” é maioria no Brasil, mesmo com um índice de apenas 7%. Os perfis de “criativos” lideram no México (15%) e os “sem noção” na Colômbia (10%).

Nesse contexto, também é importante considerar que, globalmente, uma em cada cinco pessoas prefere trabalhar permanentemente em casa. A pesquisa também mostra que 29% dos entrevistados consideram que a sociedade está reabrindo muito rapidamente.

“No caso de um possível cenário próximo ao fim da pandemia, vemos que uma parte significativa da população terá uma atitude cautelosa. Do ponto de vista do marketing, estamos redesenhando nossa visão estratégica para o dia a dia dos consumidores e revisando a oportunidade de uma conexão significativa com as marcas, criando melhores experiências de interação física e digital em novos momentos”, afirma Fernando Fascioli, Presidente do McCann Worldgroup para América Latina e Caribe. O executivo ainda destaca que “neste momento é vital fornecer informações que possam reduzir os graus de incerteza, facilitando também esses processos que são completamente novos para um grande número de pessoas, como o uso  mais frequente de sites de compras e relacionamento online, entre outros. Contar com uma sólida estratégia digital e uma leitura correta dos dados que emergem nestes tempos é crucial para sermos significativos na vida das pessoas. Agora, mais do que nunca, os consumidores estão se adaptando e estão abertos à mudança, e esse é um terreno fértil e desafiador ao mesmo tempo, para o marketing e para as marcas”.

Leia Mais
DigitalMídia

Mario Mattos é o novo CEO da Hello Research

Supermarket online shopping. Shopping basket on a laptop.3d illu

Agência de pesquisa comemora 10 anos apresentando nova liderança

A Hello Research – criadora do modelo de pesquisa digital OnTarget (2012) e da primeira plataforma de pesquisa programática do país (2016) – passa a contar com a liderança executiva de Mario Mattos.

Com 30 anos de experiência em empresas nacionais e multinacionais, empreendedor e professor, Mattos atuou como diretor executivo de Pesquisa Ad Hoc pela alemã GfK, um dos maiores grupos de pesquisa do mundo.

Mario Mattos vem aliar seu amplo conhecimento em consultoria de negócios, e análise de dados, com o expertise tecnológico e geracional da Hello Research para fornecer estudos com maior valor agregado e capacidade de ação aos nossos clientes. “Geramos recomendações estratégicas a nossos clientes a partir do conhecimento dos consumidores e dos mercados, da visão dos negócios e do uso da tecnologia em todo processo de coleta, tratamento e análise de dados”, diz Mattos.

A Hello Research, criada em 2010 como a primeira startup de pesquisa de mercado e consumer insight do Brasil, atua como agência de consultoria e pesquisa de mercado, atendendo cliente como Grupo Pão de Açúcar, Coca Cola Femsa, Natura, Bradesco, Allianz, Honda, EY, Tigre, Magazine Luiza, entre outros.

 

Leia Mais
DigitalEntretenimento

IWM Lives chega ao mercado e lança consultoria comercial e artística para transmissões na internet

Post Live com marcaPrancheta 1

Segmento de lives corporativas também é a aposta da agência para os próximos meses

A pandemia do novo coronavirus mudou o jeito de se comunicar e fazer negócios, abrindo possibilidades de monetização por parte de empresas em áreas pouco exploradas anteriormente. Os vídeos da internet passaram a ter uma importância essencial neste cenário, e as transmissões viraram um dos principais canais de comunicação de empresas e artistas, a fim de atraírem e fidelizarem seu público, movidos também pelo sentimento de solidariedade estimulados pelas campanhas de doações em dinheiro e produtos feitas pelos artistas e marcas envolvidas.

 

Buscando gerar novos oportunidades de parcerias neste segmento, a IWM Agency, agência de marketing de influência, acaba de apresentar ao mercado a IWM Lives, um núcleo de negócio desenvolvido com o intuito de captar patrocinadores, além de fornecer um suporte profissional e experiente a artistas e empresas que buscam estar em transmissões adequadas ao seu perfil de público e produto. “Analisamos cada ação que a marca deseja trabalhar para sua imagem, escolhemos a transmissão mais adequada a seu público e interesse, construímos a narrativa que será feita no momento pré, pós e principalmente durante a exibição, e transformamos o artista em um parceiro estratégico da marca, no momento ideal para o consumo dos expectadores daquela live, unindo desta forma artistas e lives, anunciantes e marcas, todos em prol de um mesmo KPI”, comenta Murilo Oliveira, CEO da IWM Lives.

 

Em poucas semanas, a IWM Lives já coleciona cases de sucesso ao fazer trabalhos junto aos principais nomes da música brasileira como Gusttavo Lima que registrou um total de mais de 53,2 milhões de views, sendo 3,1 milhões de visualizações simultâneas e mais de 6,5 mil comentários no vídeo. A live do cantor foi um verdadeiro sucesso, com números excelentes e ativações que deixaram as marcas envolvidas e engajadas com o show e principalmente com o público

 

Outro case de sucesso foi a transmissão do show do Wesley Safadão que teve mais de 1,9 milhão de views simultâneos e um total de 28 milhões de visualizações, em uma das lives mais duradouras dos últimos tempos, tendo ultrapassado dez horas de duração. Segundo análise do Google Trends, a ação para as marcas ativadas na live foi extremamente positiva e o volume de buscas quintuplicou durante a apresentação, demostrando um enorme interesse por parte do público. Além de diversas ativações para Faculdades Estácio, a IWM Lives também trabalhou para Nespresso, Serasa, Faculdades Estácio, Grupo Big, Ricardo Eletro entre outras marcas.

 

Além destes, outros artistas com ativações de marcas são Michel Teló, Luan Santana, Ana Vitória, Raça Negra, Luan Estilizado, Calcinha Preta, Jonas Esticado (sucesso absoluto no Nordeste), além de expoentes nacionais e regionais, que também tiveram suas apresentações recentes com ativações de empresas que procuram a IWM Lives para confiar suas campanhas.

 

Desde o início da pandemia, a IWM Lives já movimentou cerca de R$ 2,8 milhões com suas participações em diferentes transmissões, sendo a transmissão do Gusttavo Lima a maior negociação da empresa até o momento, registrando cifras superiores a R$ 400 mil. Até o fim do ano espera-se a realização de mais 18 lives e um incremento de faturamento estimado para 2020 perto de R$ 2,5 milhões. As chamadas lives corporativas impulsionarão os negócios da IWM Lives durante os próximos meses.

 

“Encontramos uma nova forma de levar entretenimento às pessoas, rentabilizar as empresas e os patrocinadores, além de ajudar os mais necessitados por meio de doações arrecadadas durante as lives. A nossa campanha “Amigos do WSolidário” conseguiu chegar a 14 Estados brasileiros que foram beneficiados com os recursos que adquirimos. Foram mais de 400 toneladas de alimentos, transformamos em cestas básicas todo o dinheiro arrecadado, captamos mais de 49 mil litros de álcool em gel, 93 mil máscaras, entre outros itens essenciais ao combate a Covid-19″, destaca o cantor Wesley Safadão.

 

 

Lives corporativas 

 

A demanda de shows contratados por grandes empresas para as suas tradicionais festas de fim de ano também terá que se adequar ao “novo normal”. A partir de agora, a tendência é que sejam produzidos grandes eventos do tipo, mas no formato virtual, com os artistas realizando seus shows de forma privada, mas em altíssimo nível ao seu público, podendo ser com foco em colaboradores, clientes, ou mesmo o público final.

 

“Temos visto um grande movimento entre as empresas na busca por este tipo de contratação. Nos últimos 15 dias já recebemos 7 solicitações desta natureza, acreditamos que este novo modelo de contratação ganhou força dentro deste novo cenário mundial”, completa Murilo Oliveira.

Leia Mais
DigitalMarketingOpinião

Whatsapp paga ou não paga?

Supermarket online shopping. Shopping basket on a laptop.3d illu

No dia 15 de junho de 2020, uma segunda-feira em meio a pandemia do covid-19, a notícia mais importante para o mundo digital que rolava nas redes sociais, era “O Whatsapp vai permitir enviar e receber dinheiro pelo aplicativo e o Brasil será o primeiro país a testar a nova função”.

Assim que foi anunciado, as marcas que estavam viabilizando essa operação era, a Cielo como intermediaria na transação dos valores de uma conta para a outra, os bancos Nubank, Sicredi e Banco do Brasil por meio dos cartões de débito com as bandeiras: Visa e Mastercard.

Antes de prosseguir no texto, vale a pena abrir um parentese aqui. Pesquisa realizada em 2019 pela Opinion box e Mobile Time demonstra que os aplicativos mais utilizados pelos brasileiros que são usuários de smartphones são: Whatsapp, Facebook, Instagram, Google, Google Chrome, Uber, Youtube e Banco do Brasil, nessa ordem de prioridade. E um relatório da Global Messaging Apps 2019 revela que no Brasil há 120 milhões de usuários ativos mensalmente no aplicativo Whatsapp, colocando assim o Brasil entre os outros países que lideram o acesso à plataforma.

Voltando as notícias, o mercado ficou bastante eufórico com a novidade, principalmente porque após um trimestre de quarentena, o comércio tinha praticamente forçado a se digitalizar e adaptar-se a essa nova realidade que agora é sinônimo de sobrevivência e não mais de tendência. Essa solução do whatsapp, veio a calhar prioritariamente para pequenos players que não dispõem de muitos recursos para realizar esse processo de digitalização da melhor forma possível e no tempo hábil que os consumidores esperam.

Traduzindo, com o comércio fechado, uma das únicas maneiras de se manter o consumo ativo é por meio da venda ‘online’ que é considerado conversão quando ocorre o checkout, o que geralmente é feito através de um e-commerce ou um site com integração a plataforma de transação financeira. Nesse caso boa parte dos pequenos players só podem contar com recursos facilitadores ou soluções reduzidas dessas plataformas.

Por mais que se falem em “tornar o instagram em uma maquina de vendas”, “como vender todo dia pelo whatsapp business” até o momento que esse artigo está sendo publicado, isso são apenas recursos para auxiliar ou facilitar a venda, mas não é a venda propriamente dita, pois, o consumidor está apenas realizando um pedido através da plataforma digital, independente do tamanho da empresa, ela vai ter que se virar para entregar e receber o pagamento do cliente onde quer que ele esteja. Por isso os grandes players ainda saem na frente por possuir uma estrutura maior de logística e sistemas para operacionalizar toda essa parte.

Porém, quando o Whatsapp fala que irá permitir transferir valores financeiros por meio da sua plataforma, isso significa que toda a logística de transação de valor que o pequeno empresário teria que montar ou bancar para que o pedido realizado pelo seu cliente nas redes sociais fosse convertido em receita para o seu negócio, se resume a apenas um clique no whatsapp, ou seja, o whatsapp pode se tornar o maior e-commerce do mundo (nesse caso “e-commerce” no sentido de gerar transação comercial envolvendo recursos financeiros), colocando marcas grande e pequenas no mesmo patamar tecnológico para transações financeiras. Isso é o que se chama de “Game Changer”, a virada de jogo.

Mas como alegria de desprovidos de recursos monetários é curta, no dia 23, terça-feira, praticamente uma semana depois. O Banco Central do Brasil informa a suspensão das bandeiras Visa e Mastercard a iniciarem a opção de pagamento pelo aplicativo do whatsapp alegando que é preciso fazer ainda avaliações para analisar eventuais riscos e se certificar do funcionamento da operação levando em conta os princípios e as regras previstas pela legislação.

Que o Brasil não é para amadores, isso todos já sabem, e o risco de fraudes ou golpes sempre existirá, mas uma coisa é certa, essa é uma pequena função para a plataforma, mas uma gigantesca funcionalidade para o mercado futuro.

E o que nos resta é aguardar a cena dos próximos capítulos. Mantenha o seu acesso no Creativosbr para acompanhar novas atualizações.

Leia Mais
Digital

Live do Amigos recebe, na próxima semana, Carlo Paschoal, Danilo Fuin, Edson Pintan, Isabel Borba e Hiram Baroli

Live do Amigos recebe, na próxima semana, Carlo Franjolli, Danilo Fuin, Edson Pintan, Isabel Borba e Hiram Baroli

Com o objetivo de unir os profissionais do mercado publicitário para um bate-papo semanal e virtual, o Amigos do Mercado vem realizando uma série de lives que debatem, entre outras coisas, o que aprendemos nas últimas semanas.

Nesta semana a Live acontecerá dia 16 de junho, a partir das 18h30.

Na próxima terça-feira, dia 16 de junho, participarão do bate-papo Carlo Paschoal, Diretor de Novos Negócios da Carrega+; Danilo Fuin, diretor comercial da NovaBrasil FM / Estúdio Ene; Edson Pintan, diretor comercial da Mix Media; Isabel Borba, Head de aeroportos da JCDecaux e Hiram Baroli, diretor comercial de operações da Folha de S.Paulo. Eles irão contar suas experiências pessoais e sua visão geral de como o mercado e as empresas nas quais trabalham estão lidando com o momento atual.

A transmissão será pelo YouTube do Amigos do Mercado.

Amigos do Mercado é uma rede que conecta profissionais de publicidade nas redes sociais e eventos.

Leia Mais
Digital

Live do Amigos recebe, na próxima semana, Ana Matozo, Bruno Campos, Marcos Saurin e Henrique Carsalade

Live do Amigos recebe, na próxima semana, Ana Matozo, Bruno Campos, Marcos Saurin e Henrique Carsalade

Com o objetivo de unir os profissionais do mercado publicitário para um bate-papo semanal e virtual, o Amigos do Mercado vem realizando uma série de lives que debatem, entre outras coisas, o que aprendemos nas últimas semanas.

A Live desta semana acontecerá amanhã, dia 09 de junho, a partir das 18h30.

Nesta terça-feira, dia 09 de junho, participarão do bate-papo Ana Matozo, Head Comercial da Outdoor Social; Bruno Campos, diretor de marketing digital e mídia da GM na América Latina; Marcos Saurin, CEO da Myntelligence; e Henrique Carsalade, gerente comercial da Ameixa Produções e embaixador do Grupo Amigos do Mercado Minas Gerais. Eles irão contar suas experiências pessoais e sua visão geral de como o mercado e as empresas nas quais trabalham estão lidando com o momento atual.

A transmissão será pelo YouTube do Amigos do Mercado.

O Amigos do Mercado é uma rede que conecta profissionais de publicidade nas redes sociais e eventos.

Leia Mais
ConteúdoDigital

Live do Amigos recebe, nesta semana, Fabiana Maia, Fábio Brancatelli, Mário Leão, Ricardo Ambrust e Virginia Any

Live do Amigos recebe, nesta semana, Fabiana Maia, Fábio Brancatelli, Mário Leão, Ricardo Ambrust e Virginia Any

Com o objetivo de unir os profissionais do mercado publicitário para um bate-papo semanal e virtual, o Amigos do Mercado vem realizando uma série de lives que debatem, entre outras coisas, o que aprendemos nas últimas semanas.

Estas conversas ocorrem sempre às quintas-feiras, à partir das 18h30.

Nesta quinta feira, dia 04 de junho, participarão do bate papo Fabiana Maia, diretora de mídia e atendimento da Talent Marcel; Fábio Brancatelli, CEO da A+V Zarpa; Mário Leão, diretor comercial da Retail Media; Ricardo Ambrust, procurement senior manager da Johnson&Johnson e Virginia Any, diretora comercial da ELLE. Eles irão contar suas experiências pessoais e sua visão geral de como o mercado e as empresas nas quais trabalham estão lidando com o momento atual.

Para assistir, basta seguir o @amigosdomercado em suas redes.

Amigos do Mercado é uma rede que conecta profissionais de publicidade nas redes sociais e eventos.

Leia Mais
Digital

RedeTV! é a primeira emissora brasileira a ter 10 milhões de inscritos em seu canal no YouTube

RedeTV! é a primeira emissora brasileira a ter 10 milhões de inscritos em seu canal no YouTube

Canal está ainda entre os 15 mais vistos no país na plataforma de vídeos

A RedeTV! é a maior emissora brasileira no YouTube em números de inscritos em seu canal principal. Mantendo-se na liderança entre os canais de TV aberta na plataforma há mais de um ano, a página da RedeTV! alcançou nesta semana a marca de 10 milhões de inscritos. O canal se destaca também em número de visualizações, sendo o único entre as televisões abertas a figurar no ranking dos mais vistos do SocialBlade, ocupando o 14º lugar.

O canal da RedeTV! no YouTube soma 6,1 bilhões de visualizações, mais do que o dobro da segunda colocada do segmento de televisão. De acordo com o ranking do SocialBlade, a página da emissora contempla mais views do que a do sertanejo Gusttavo Lima, por exemplo, que recentemente produziu lives no período de isolamento social.

Muito além de uma televisão aberta, a RedeTV! tem ampliado o desenvolvimento de produções multiplataforma, reforçando sua operação enquanto produtora de conteúdo a ser distribuído em diferentes verticais.

Toda sua estratégia e inteligência digital está concentrada na Peanuts Content, empresa voltada para a produção, gerenciamento e comercialização de conteúdo exclusivo para plataformas de social videos, responsável por tornar a emissora um dos maiores players digitais do país com um crescimento orgânico nas plataformas.

Ao todo a Peanuts administra cerca de 25 milhões de inscritos e seguidores no YouTube e Facebook com uma audiência total de 12 bilhões de views em seus vídeos.

Confira o ranking dos canais brasileiros em visualizações no YouTube:
1) KondZilla: 30,1 bilhões
2) Galinha Pintadinha: 15,3 bilhões
3) GR6 Explode: 14,9 bilhões
4) Luccas Neto: 11,1 bilhões
5) Rezende Evil: 10,3 bilhões
6) Marília Mendonça: 10,3 bilhões
7) Turma da Mônica: 10,1 bilhões
8) Felipe Neto: 9,9 bilhões
9) Maria Clara & JP: 8,1 bilhões
10) AuthenticGames: 7,8 bilhões
11) Henrique e Juliano: 7,8 bilhões
12) Totoykids: 7,6 bilhões
13) Zé Neto e Cristiano: 6,7 bilhões
14) RedeTV!: 6,1 bilhões
15) Gusttavo Lima: 6 bilhões

Fonte: SocialBlade

Leia Mais
Digital

WMcCann apresenta nova estrutura de dados

Deny_Watanabe_3x4

Área de dados da agência muda para abordar dados de outra maneira, alterando o escopo, a forma de trabalho e o organograma

Nos dias atuais, é consenso entre os profissionais de publicidade, propaganda e marketing que os dados vieram para ficar, e sua utilização correta é um grande diferencial na construção de campanhas mais fortes e eficazes. Sua utilização é unânime e ubíqua: todas as áreas de uma agência podem – e devem – enriquecer suas entregas fazendo uso do processo de coleta, análise e interpretação de dados. Este processo, que possibilita novas leituras sobre o negócio de cada cliente, o ambiente social em que ele se encontra, as diversas audiências que ele atinge, dentre outros fatores, não pode ser ignorado por nenhuma delas, sob pena de prejudicarem sua própria sobrevivência.

Se engana quem acha que esta nova ferramenta relegou a criatividade, insumo principal da propaganda desde seu nascimento, ao segundo plano: quanto mais criativo for o seu uso, melhor é o desenvolvimento e resultados das marcas por ela beneficiadas. Para isso, a agência precisa trabalhar não apenas com dados sobre mídia, mas também sobre a própria atuação do cliente e áreas de conhecimento associadas. É essa diversidade que permite que os profissionais desenvolvam olhares e adquiram novas perspectivas sobre assuntos e negócios que já lhe são familiares.

No entanto, apesar de a criatividade ser extremamente importante para o melhor emprego e rendimento dos dados, vemos que, muitas vezes, a área de Business Intelligence fica limitada a atuar apenas como suporte à área de mídia, realizando atividades de pesquisa, social listening, Web Analytics e AdOps. Esta configuração acaba por subaproveitar e podar o grande potencial desta disciplina.

Tendo percebido a insuficiência deste modelo, a WMcCann deu o primeiro passo em direção a uma nova abordagem sobre dados. Para abrir novas frentes com seus clientes e melhor atender suas necessidades, a empresa redesenhou sua área de dados e aumentou seu leque de ofertas de serviços, que agora abrange, além de mídia e mensuração de campanhas, o próprio negócio do cliente.

Para que isso fosse possível, a agência investiu na contratação de profissionais com experiência em diversas indústrias e vindos de diferentes empresas, como consultorias e empresas de tecnologia. São engenheiros, estatísticos e matemáticos, dentre outros profissionais com background técnico, que aplicam a ciência de dados aos serviços tradicionais de comunicação.

Além disso, a forma de trabalho também foi atualizada. A WMcCann quer abordar dados do ponto de vista de engenharia, fazendo design e arquitetura de soluções que funcionam hoje e amanhã, não só para um cliente em uma determinada campanha, mas para todos. Para que isso seja possível, as estruturas são pensadas e construídas com visão no longo prazo, para que possam ser adaptadas conforme a necessidade de cada cliente, que, por sua vez, terá o suporte de profissionais com o perfil mais adequado ao seu momento: clientes que já possuem dados estruturados e sistemas integrados lidarão com equipes diferentes daqueles menos maduros nesta questão. Enquanto uns serão atendidos por especialistas que desenvolverão algoritmos, visualizações de dados e insights, outros trabalharão com profissionais capazes de auxiliá-los na criação e arquitetura de suas estruturas de dados.

Para se adequar a esse novo conceito e olhar sobre os dados na agência, a área de dados foi dividida em duas partes: Insights e Engenharia. A primeira será responsável por Marketing Science, Web Analytics e Pesquisa de Mídia. Já a segunda se encarregará de DataOps e AdOps. Como isso funciona, na prática? É simples: quando um consumidor compra um produto ou contrata um serviço, esta ação é registrada no sistema do anunciante. Este registro chega até a agência através de uma nuvem construída pela própria. Quem cria, otimiza e dá manutenção a este fluxo é o engenheiro de dados (Engenharia). Já quem utiliza essa nuvem para criar algoritmos que geram segmentos de clientes e calculam o desconto mais atraente para cada um deles é outro profissional (Insights). Em outras palavras, a área de Engenharia viabiliza tecnicamente a coleta, o armazenamento e a integração dos dados na nuvem da agência. A área de Insights, por sua vez, irá analisá-los de forma a fazer recomendações de negócios para clientes. Nessa nova configuração, Social Listening passa a ser realizado por Planejamento, sob comando de Renata Bokel, CSO.

Fernando Cardoso, promovido a diretor de Data Science e Head de Insights da WMcCann, é formado em Engenharia da Computação pela PUC-Rio e NYU. Tendo passagens pela TIM, IBM, Litteris Consulting e Dunnhumby, ele explica seu trabalho na WMcCann: “Minha missão é garantir que a gente trabalhe com metodologias analíticas para solucionar problemas de negócio do cliente. Caso ele precise analisar o resultado de uma campanha, eu devo me certificar de que a gente ofereça um método para entender o impacto de cada mídia nas vendas, e que seja uma metodologia robusta, que funciona hoje, amanhã e para todos os setores dos clientes.”

Deny Watanabe é o novo head de Engenharia. Na WMcCann desde Março de 2020, antes atuou como líder de arquitetura de dados para a América Latina na Real Impact Analytics e na Dunnhumby. Deny possui extensa experiência em liderança e desenvolvimento de soluções analíticas, com participação em projetos para empresas como Grupo Pão de Açúcar, Johnson & Johnson, Novartis, Oracle, Unimed, Santander, Daimler Chrysler, Bank Boston e Caixa Econômica Federal. Executor por natureza e focado em excelência técnica, aceitou o desafio de ajudar a agência a reestruturar a equipe de dados.

Com relação aos labs de mídia, cada um possui sua própria estrutura, e o papel dos Diretores de Insights e Engenharia é orientar as equipes sobre quais as ferramentas e metodologias podem ser usadas para cada desafio. Além disso, Fernando irá ajudar na integração entre as expertises. “Meu papel é entender o que está acontecendo com os diferentes clientes e como a gente consegue ajudá-los da melhor forma.”

Mas por que apostar nessa mudança? “A melhor campanha publicitária do mundo não seria boa se o preço, a logística, as avaliações do produto não fizerem parte do mix de marketing. Nós queremos auxiliar os clientes a analisar esses e outros fatores relevantes ao negócio, num ambiente cada vez mais fracionado e complexo, com concorrentes locais e um novo estilo de vida”, finaliza André França, vice-presidente de mídia da WMcCann.

Leia Mais
DigitalMarketing

7 dicas para tirar uma renda extra na quarentena

7 dicas para tirar uma renda extra na quarentena

Durante a pandemia muitas pessoas estão desempregadas ou tiveram reduções salariais. Pensando nisto, trago para vocês algumas dicas que estou colocando em prática para abrir meu ateliê de crochê.

Trabalhe com algo que você já sabe fazer
Para abrir um pequeno negócio durante a quarentena, liste coisas que você sabe fazer: um doce gostoso, artesanato ou identidade corporativa. O importante é você se sentir confiante para vender os seus serviços.

Pode ser algo relacionado ou não com a sua profissão. Eu por exemplo, estou fazendo uns freelas de identidade corporativa, mas também estou abrindo o meu ateliê. Una a sua criatividade com a sua experiência. Uma dica muito boa é partir para o lado gastronômico, já que aumentou muito a demanda para serviços de delivery.

Entenda a demanda
Além de fazer algo que você já sabe, deve entender o quanto as pessoas buscarão por este serviço no momento.

Como dito anteriormente, o delivery está com grande demanda, mas não é só isso. Cosméticos e artesanato são muito procurados em datas especiais, como o Dia dos Namorados e o Dia dos Avós, que estão pertinho já.
Pense em datas nas quais as pessoas comprariam o seu produto e se prepare para deixar tudo pronto e depois só vender.

Encontre fornecedores ativos
Para ter um lucro melhor, o segredo é encontrar bons fornecedores. O problema é que com tantos comércios fechados e com fretes absurdos, fica complicado ter fornecedores com bons preços e variedades de produtos.

Vale a pena procurar fornecedores de fora da sua região, pois os fretes acabam sendo menores que de grandes lojas, e há disponibilidade de mercadoria. Buscando armarinhos, pude perceber que os melhores preços estão em cidades próximas, como São José dos Campos, Campinas e regiões do ABC.

Faça do negócio um negócio de família
O melhor durante a quarentena é o tempo que estamos passando com quem mora com a gente. Eu moro com a mamãe, e como ambas fazemos artesanato, decidimos nos unir para produzir roupinhas de nenê e cachecóis para vender, ela no tricô e eu no crochê.

Encontre algo em comum que você e a pessoa com quem mora sabem fazer: se você faz esfihas e sua noiva faz doces, abram uma conta no iFood e vendam juntos!

O importante é se unir neste momento para conseguir superar as dificuldades.

Tenha redes sociais atrativas
Se for um projeto só para a quarentena, talvez não seja tão interessante abrir uma página para a marca de vocês, e sim trabalhar com as pessoas que já te conhecem.

Use suas próprias redes sociais para ofertar o serviço e tirar dúvidas sobre entrega segura e tempo de produção.

Porém, independente de usar sua própria conta ou uma conta nova, use cores atrativas e faça postagens relevantes para o público, despertando o interesse dele e mostrando que você é confiável para comprarem contigo.

Trabalhe o marketing boca a boca
Como as pessoas estão evitando comprar produtos não essenciais, será mais fácil vender para quem te conhece.
Comunique as pessoas próximas a você e ofereça descontos para elas caso te indiquem para amigos que fecharem encomendas com você também.

É uma forma de você aumentar a sua demanda e incentivar as pessoas a comprarem com você, que foi flexível com elas, incentivando a pessoa que te conhecer a fazer o mesmo, aumentando a sua rede de contatos que confiarão ainda mais no seu serviço por um amigo ter te indicado.

Faça ações sociais
As pessoas esperam ainda mais durante a pandemia que as marcas realizem ações sociais. Por isto planeje-se para doar parte de seus lucros ou produzir máscaras e distribuir em hospitais ou para pessoas necessitadas.

Acima do lucro, o importante é nos ajudarmos durante esta fase difícil, para que todos superem este momento e possam voltar a se ver num futuro mais breve.

Gostou das dicas? Fique em casa e continue vendendo, deixando as pessoas felizes em receberem seus produtos e ajudando a sociedade a espairecer um pouco. Una-se com quem está com você e se divirtam fazendo algo que gostam tirando uma renda em cima disso!

Leia Mais