close

Opinião

Opinião

E se eu soubesse antes dos impactos do Coronavírus?

coronavirus – creativosbr – opiniao

Não adianta se enganar, no fundo você sabia!

Um vírus se alastrava pelo mundo inteiro e todo mundo sabia que um dia ele poderia chegar aqui.

Fomos confiantes, acreditamos, pulamos Carnaval e fizemos memes. Surgiram os primeiros casos, e continuamos confiantes. Até que, um belo dia, a TV resolver mostrar mais. Não era só uma gripe ou brincadeira. O número aumentava e parecia que tudo tinha fugido do controle em pouco tempo. Empresas fecharam, pessoas perderam empregos, álcool em gel estava mais disputado que ar, home-office era legal, e ficar em casa se tornou sinônimo de cuidados.

Mas o que estávamos fazendo se não pensamos em estratégias para isso antes? Não criamos conteúdo com antecedência, não colocamos no plano de marketing, muito menos nas ameaças da análise de SWOT.

Essa crença de que nada falhará é tão crucial quanto perigosa. E agora pensamos no “SE”: e “se eu tivesse comprado álcool em gel antes?”, “e se eu tivesse guardado mais dinheiro?”,  “e se eu estivesse pensando em outra forma de vender meu trabalho?”. Com certeza seria menos duro, mas não seria igual.

Parece que virar tudo de cabeça para baixo faz a gente pensar melhor, mais rápido. E é nesse momento que surgem flores no deserto. Às vezes as tempestades são assustadoras, mas, no dia seguinte, o sol irradia forte.

Se você não fez antes, não precisa se crucificar. Relaxe, é hora de pensar no que você pode fazer. Existe uma imensidão de oportunidades que espera por você.

E pra terminar esse texto cheio de afeto, trago uma frase que escuto o tempo inteiro de senhora minha mãe: “Tudo na vida tem jeito, só não tem pra morte”. Então, saiba disso: tudo passa, fique em casa, se cuide e cuide dos seus.

Leia Mais
Opinião

3 ferramentas importantes para fazer SEO

Creativos-creativosbr-blogodcrespo-opinião-digital-seo-google-3-ferramentas-importantes-para-o-SEO

Toda empresa quer que o seu site apareça no topo da pesquisa do Google. Até porque, qual é o percentual de pessoas que acessam e realizam compras em sites que estão posicionados na segunda ou terceira página na busca do Google?

É por isso que o SEO é a melhor maneira de ranquear o seu site numa posição de grande visibilidade sem ter que se dispor em gastar com anúncios do Google.

É por isso que trouxemos 3 ferramentas que podem ajudar a melhorar a performance da sua página.

1) Ubbersugest: você pode usar essa ferramenta para ter ideia de quais palavras-chave você vai usar em seu site. Além disso, o uso das palavras-chave corretas permite que o seu público alvo te encontre com maior facilidade na busca do Google. Você também pode utilizar o Keyword Planner do Google, embora seja necessário utilizar o Google Ads para pesquisar qualquer palavra-chave.

2) GTMetrix: com o GTMetrix, você consegue saber o que precisa melhorar necessariamente no seu site e avaliar a sua performance como por exemplo o tempo de carregamento, se há algum código fonte quebrado, se há imagens pesadas impactando no tempo de carregamento da página, entre outras funções.

3) Google Analytics: é a ferramenta certa para entender o comportamento das pessoas dentro do seu site. É possível entender por quanto tempo elas navegam, quais páginas acessaram e também de qual site elas vieram.

Leia Mais
Opinião

O porta voz da sua marca deve ter mais fama ou Influência?

O porta voz da sua marca deve ter mais fama ou Influência – Itamar Peixoto – Opinião – Creativos BR

Em tempos de evidência do marketing digital, principalmente em cenário de consolidação e boom de redes sociais, considero totalmente relevante refletir a respeito de fama e influência, como propôs Bárbara Sacchitiello em artigo publicado no Meio & Mensagem. O meu intuito não é de trazer julgamento, apontar como certo e errado, melhor ou pior, e sim de procurar entender como e em qual ocasião selecionar personalidade mais famosa ou mais influente com determinado público. Bárbara discorre, embasada pela pesquisa “Most Influential Celebrities” realizada pela IPSOS, se a fama é sinônimo de influência enquanto marcas e empresas estão cada vez em busca de vozes em suas estratégias para difundir produtos e serviços. Ter fama não necessariamente significa ser influente, mas também não exclui a possibilidade.

Antes de continuar falando sobre fama e influência vamos falar sobre audiência e visibilidade, e relevância e intimidade. Grave esses termos, têm tudo a ver com a reflexão proposta neste artigo. A pesquisa citada pela Sacchitiello, considerou fama relacionada a popularidade, e influência relacionada a capacidade de promover mudanças e influenciar comportamentos. O estudo também observa que o grau de influência está intimamente associado a credibilidade e carisma. Fama e audiência, influência e intimidade. A fama está totalmente relacionada à exposição, a quantidade de vezes que a pessoa “aparece”, fato este indicado na pesquisa, visto que as pessoas listadas como “famosas” possuem relação direta com veículos de mídia de massa (TV, principalmente). Agora sobre influência… a tendência é pessoas confiarem em pessoas, em pessoas próximas. Frequentemente pedimos indicações de produtos e serviços, não é mesmo? Pesquisamos no Google (confiamos na marca), acompanhamos redes sociais, mas o que notavelmente tem peso maior em uma decisão de compra é a indicação de alguém “próximo”. E, na minha opinião, é exatamente aí onde mora a influência, na capacidade que o indivíduo tem de criar essa proximidade com seus públicos. Mesmo a distância, a sua audiência se sente próxima, e a pesquisa da IPSOS atribui esse “fenômeno” ao grau de comprometimento do “Influenciador”.

A fama é quantitativa. O influência é qualitativa. Mas um quesito não exclui o outro. Porém convenhamos, não se agrada Gregos e Troianos, o processo de influência também se dá através do caminho da segmentação. Mas pera lá. O que vale mais: fama ou influência? Vamos trazer para a realidade de uma marca e refazer a pergunta, o que vale mais audiência ou relevância, alcance ou engajamento? O papel do gestor não seria (ou não deveria ser) buscar desenvolver ambos os lados? Destinar esforços para aumento de relevância e engajamento e com isso estabelecer maior proximidade com seu público. Como também, não deixar de lado estratégias que aumentem a quantidade de pessoas que estarão predispostas a, quem sabe um dia, serem influenciadas pelo discurso.

Talvez o mais ideal seja comparar o momento da marca (e do possível porta-voz) e o objetivo da ação. Trazendo nomes bastante conhecidos como exemplo, uma marca X poderia fazer uma ação visando alcance com Rodrigo Faro em um momento, e em outro procurar gerar engajamento com Nathália Arcuri, buscando influenciar público com interesses mais específicos. E por falar em Nathália Arcuri, vale dizer que após ter gerado certo nível de influência na área de finanças, Nathália parece destinar esforços para aumento de audiência ou, como estamos falando neste texto, aumento da fama (Vide participação ativa na TV).

Se já diziam que “Quem não é visto não é lembrado”, podemos acrescentar que quem não gera confiança não é comprado?

Leia Mais
MarketingOpiniãoPublicidade

5 passos para escolher sua área

5 passos para escolher sua área916

-Por Sophia Furlan

 

Escolher a faculdade já foi difícil, mas mal sabia eu que ainda teria que escolher um segmento dentro da minha área.

 

Por ter feito ensino técnico eu já tinha experiência como agência, mas fazia um pouco de tudo, e gostava de muitos dos jobs – menos Atendimento.

 

Enfim, comecei a estagiar para quem foi meu jurado da banca de TCC, hoje meu professor, coordenador de curso e chefe, e como se não bastasse um só, quis dar uma de Branca de Neve e ter 7.

 

Mas para ajudar você nessa árdua missão, separei alguns passos para você seguir:

 

Conhecer as áreas

Antes de tudo é necessário que você entenda o que a agência, anunciante e veículo fazem, para que assim possa seguir os próximos passos. Entenda a estrutura de cada um e as funções de cada cargo.

 

Entender o que você gosta

Saber as coisas que te atraem na área é muito importante para você entender o que você gostaria de fazer, assim você não vira um profissional frustrado por trabalhar com o que não gosta.

 

Entender o que você não gosta

Além do que gosta, saiba o que não te atrai muito, principalmente através dos trabalhos da faculdade, nos quais você consegue ver no que não é tão bom e o que não curte fazer.

 

Experimentar

Ter contato através do estágio é muito importante, pois é aí que você colocará a mão na massa e entenderá o que compete a você ou não. E isso não significa fazer estágios na mesma área. Pelo contrário: quanto mais diferente forem uns dos outros, melhor para você ter uma visão geral do Mercado.

 

Fazer o que gosta

Parece clichê, mas quando você é bom no que não gosta e tem dificuldade no que ama, está se torna uma decisão difícil. Aconselho que faça o que gosta independentemente de ser bom ou não, pois você pode se dedicar mais ao longo dos estudos e atuação.

 

Espero ter te ajudado a encontrar seu nicho dentro desta área linda e cheia de lógica! 

 

Daqui 3 anos volto pra contar pra vocês se ainda quero seguir Marketing mesmo!

Leia Mais
Opinião

FUNCIONÁRIO 2020

FUNCIONÁRIO 2020

A proatividade – tomar decisões sem que peçam para que realize um trabalho – é um termo muito citado por atualmente ser algo positivo, mas nem sempre foi assim. Apesar deste termo não existir antigamente, ações ligadas a ele eram mal vistas. Quer entender porquê?

 

Antigamente, um funcionário que fizesse mais do que lhe competia era visto como o “puxa saco” do chefe e que queria subir de nível mais rápido. Basicamente uma pessoa esnobe e metida, pois não era comum que as pessoas se interessassem em realmente dar o melhor de si para o crescimento da empresa, se importando apenas consigo. Porém, no cenário atual, a proatividade surge justamente para estimular os empregados, independentemente de seus cargos, a darem o melhor de si para que a companhia se desenvolva e possa enaltecer aqueles que a fizeram tão importante, são os chamados (por mim) funcionários 2020.

 

Um caso muito interessante de proatividade ocorreu com um amigo meu, que acabava de ter nenê, e após sua esposa e filhinho receberem alta, precisava colocar o pequenino no bebê conforto. No estacionamento do hospital, apenas um rapaz sabia instalar a cadeirinha e colocar o bebê confortavelmente nela. Este funcionário era indicado por todos os outros, parecendo até ser um especialista em colocar crianças no assento. Ao conversar com o jovem, ele contou que foi o único do estacionamento que, após perceber a necessidade que os pais de primeira viagem tinham em colocar o bebê na poltroninha, encontrou uma possibilidade de tirar uma renda extra que chegava a ele através das gorjetas, como gratidão que os pais tinham pelo cuidado com o qual ele lidava com a situação.

 

No trabalho empresarial, ocorrem situações de proatividade que nem percebemos realizar. O amor que tenho pela empresa na qual trabalho me faz pensar em soluções para ela dia e noite, o que me faz levar uns “puxões de orelha” de vez em quando por tentar abraçar o mundo e realizar jobs que sequer foram destinados a mim.

 

Em suma, ser proativo vale a pena – senão não teria caído no bordão de entrevistas de emprego como uma qualidade. Os benefícios da proatividade são o reconhecimento profissional que você terá por mostrar estar interessado em cumprir seu papel da melhor forma possível. Por outro lado, se isto for feito sem primeiro mostrar interesse, somente tomando decisões precipitadas e sem consultar seus superiores, pode ser uma furada para você, pois deixa de ser proatividade e passa a ser um ato de desobediência.

 

E você? Se considera um bom proativo ou já deu umas escorregadas como eu em querer abraçar o mundo?

Leia Mais
ConteúdoOpinião

Materiais exclusivos de futebol viram investimento na educação

creativosbr-blogdocrespo- opiniao-footballforacause

E se aquela camisa trocada pelo jogador na final da partida ou lançada para torcida pudesse ser transformada em escolas ou livros? É isso que o Football For A Cause faz. coque iphone soldes Caracterizado como Negócio Social, o Football For a Cause faz parcerias com times e jogadores de futebol e recolhe os itens esportivos que geralmente não são reaproveitados pelo time, como camisas, shorts e chuteiras. coque iphone xr Após recolhê-los, esses itens são vendidos no site e metade do lucro gerado é destinado para projetos de destaque na educação básica do país. coque iphone xr

A empresa surgiu na França, quando o fundador, André Georges, percebeu as pessoas oferecendo dinheiro pelas garrafinhas de água usadas pelos jogadores. coque iphone 7 Portanto, as primeiras parcerias criadas e atividades foram realizadas no exterior. coque iphone 2019 Foram recolhidos equipamentos utilizados pelo jogador Luciano Castan durante uma partida oficial do seu antigo clube, Stade Brestois, e vendidos na plataforma, gerando recurso para apoiar a finalização da construção de uma escola no interior do Malawai.

Com pouco menos de 1 ano de atividades no Brasil, o grupo composto por 3 jovens (André Georges, Manuela Carvalho e Laiana Ferrari) já tiveram em contato com alguns times brasileiros, e oficializaram parceria com o Santos, o primeiro clube brasileiro a apoiar a causa.

Nesse período, foi possível financiar um projeto junto com a ONG Parceiros da Educação, que transformou 48 alunos de escolas públicas em escritores.

Leia Mais
Opinião

Agências passivas ou ativas. Em qual delas você está?

De-que-lado-voce-esta

Não, não vamos falar do primeiro assunto que veio à sua cabeça ao ler esse título. coque iphone 8 Queremos conversar sobre o que diferencia uma grande agência, com pessoas grandes, de um lugar pequeno de se trabalhar. soldes coque iphone Hoje os grandes consultores e coaches por aí falam: seja proativo, tenha atitude, seja grande! Como se isso dependesse somente de uma força interior que, de repente, você acorda inspirado e diz: hoje vou ser diferente e levarei uma solução incrível para o meu cliente de surpresa! Bom, ao chegar ao trabalho, você pode se deparar com a realidade de pauta lotada e pessoas que não querem nem conversar umas com as outras… como ser proativo se a ideia não chegará ao cliente? Pautas lotadas, enxovais fechados de estratégia, planejamento idêntico para todos os clientes, pessoas que não se conversam, profissionais que não falam mais de pessoas (e para pessoas). Parece até que essa é a realidade de agências de outro planeta, mas são as agências passivas que se contentam em receber briefings mal feitos, não questionar e continuar sua vida medíocre para toda a eternidade. Parece surreal, mas é mais comum do que imaginamos. As ativas são as que se destacam no mercado, que viram referência e inspiração. Que não usam o discurso “agência de publicidade é quem sai da caixa e gera resultados”, mas saem dela de verdade. vente de coque iphone Elas não precisam gritar para os quatro ventos que buscam coisas diferentes, pois é algo nítido e comprovado. Constantemente apresentam soluções de negócios para os clientes, estudam o mercado, as novas tecnologias, experimentam. De repente passou pelo seu pensamento: mas gerar novos negócios é função do atendimento, estudar o mercado é do planejamento, o criativo vai pegar essas informações e encontrar algo novo. Cuidado. A diferença das agências ativas é que elas trabalham com profissionais ativos, em todas as funções, da prospecção até ao arte-final. outlet coque iphone Colaboradores que querem fazer melhor, fazer mais, e não se contentam só com o “produto que o cliente vai lançar em 2019”. Encontram uma data de conscientização importante e que o cliente não está nem lembrando e propõe uma ação, uma comunicação diferente. Que estudou as tendências que o segmento da conta que ele participa tem e propõe a criação de um novo produto para a marca – por que não? De fato, agências passivas atraem colaboradores passivos, que vão se contentar sempre em receber um briefing pronto, dar conta daquela pauta insanamente lotada, lidar com refações insanas (cliente de uma agência passiva sempre “sabe mais” de comunicação do que os profissionais da agência). Mas talvez você esteja numa agência destes moldes e se sente sufocado pois quer mais, o que fazer? Primeiro é tentar onde você está, e você pode ser responsável de transformar um lugar medíocre em um inspirador. coque iphone soldes Comece levantando ideias novas, soluções. coque iphone pas cher Participe de uma reunião com o cliente e exponha ali as novas soluções que encontrou. Seja um novo ponto de partida. Fez de tudo e não deu certo? Faça como no namoro, parte pra outra. Seja de uma agência ativa, que chama a atenção de quem é inquieto e sabe que a publicidade é mais do que simplesmente aumentar números.

Leia Mais
Opinião

A visão de uma baiana no Carnaval de São Paulo

creativosbr- a visão de uma baiana no carnaval de são paulo – opinião – laianaferrari

Não é novidade que eu me mudei para São Paulo em 2018. Contei para vocês no texto: Baiana em São Paulo. Mas não contei para vocês, o lado carnavalesco das coisas! Cheguei em 2018 em São Paulo, uma semana antes de começar o carnaval, e a pergunta que mais ouvi foi: “Vai antes do carnaval?”, e eu, muito confiante na minha decisão respondia: “O ano já começou. Não posso esperar o carnaval passar.” O primeiro carnaval na capital paulistana em 2018 foi bem tranquilo. Muitas novidades, poucos amigos e sem saber o que fazer. Tirando o dia que eu resolvi sair, fui para 3 bairros diferentes e cheguei atrasada para todos os bloquinhos. Coisas que acontecem, afinal, ainda não sabia que Pinheiros era tão distante do Ibirapuera. Resumindo, fiquei com vontade de ter curtido mais ano passado. Mas 2019 chegou e em janeiro eu já estava na Rua 25 de março, super foliã, carnavalesca, escolhendo as fantasias que ao total foram 5, com muito glitter, confeite e espuma. Os blocos paulistanos trazem essa característica que eu adoro: cada um sai como deseja sair, os abadás caros podem ser substituídos por fantasias criativas, como um homem vestido de “macaco cidadão” – Só quem é ligado nos memes vai entender essa. outlet coque iphone Esse ano, 570 blocos saíram em São Paulo que começou em 22 de Fevereiro e acabou apenas no dia 10 de Março. Alguns desses blocos eram muito grandes e contavam com atrações conhecidas: Bell Marques, Claudia Leitte, Timbalada, Alceu Valença, Elba Ramalho… e outros bloquinhos menores, criados por amigos em bairros com muita bateria (As pessoas adoram baterias aqui). Os blocos rolavam durante o dia, o que de certa forma, democratiza a folia. As crianças entram na festa e eu posso voltar pra casa antes das 18hrs para comer e dormir. coque iphone 2019 soldes (Isso é muito importante!) Ainda tratando de blocos durante o dia, é lindo ver o glitter escorrendo com a maquiagem junto com o suor na sauna do verão paulistano, e para “tentar” mandar os foliões embora, vem a chuva porque essa época nunca tem só sol ou só chuva. soldes coque iphone Mas fiquei emocionada de ver nordestinos com a camisa de Pernambuco, ou do Esporte Clube Bahia, com bandeiras dos seus estados e roupas de cangaceiro no Bloco do Alceu Valença, e cantando forte e alto, como a força do nosso povo. coque iphone 7 Eu me senti representada e orgulhosa. Eu vi cantores de diversos ritmos tocarem músicas baiana e todo mundo cantar em uma só voz, mostrando a energia do carnaval e cultura da Bahia. Vi pessoas no meio do tumulto de um bloco se abaixarem e ajudarem uma senhora a recolher as latinhas do chão. Vi também mulheres livres para usarem o que quiserem, sem medo ou vergonha do que podem falar, pois elas sabem que quem precisar gostar são elas. coque iphone pas cher São Paulo em si é pura pluralidade. No carnaval isso fica mais claro: um carnaval democrático para atender tantos gostos que aqui vivem.

Leia Mais
Opinião

Como anda o seu tempo?

Woman businesswoman with giant alarm clock


Você já parou pra pensar que todos nós temos algo em comum?
Independentemente da nacionalidade, idade, religião, etnia, todos nós
temos 24 horas por dia, nem mais e nem menos.

O tempo não é diferente para ninguém, do mais rico ao menos afortunado,
do mais velho ao mais jovem, a única coisa que diferencia é a forma como
você utiliza o seu  tempo da maneira como acha melhor.

Trago essa reflexão porque estamos sempre correndo contra o tempo, por
mais que esteja tudo sob controle falamos que estamos na “correria” como
se isso fosse algo positivo e que a correria significasse produtividade
e resultados.

Ledo engano, todos já ouviram o velho ditado: “tempo é dinheiro”. Eu
digo mais: tempo é vida. Tempo vale mais do que dinheiro.
Se temos a consciência de fazer uma educação financeira ou uma gestão de
recursos para deixar nossa vida no azul e tirar do vermelho, a gente
esquece de fazer uma gestão de tempo e acaba perdendo “vida” por algo
desnecessário.

Quem nunca falou “perdi x horas da minha vida com essa besteira!”. Isso
é uma má administração ou má gestão de tempo, o que acaba acarretando
no mau gerenciamento dos líderes, pois como alguém que não consegue
gerenciar seu próprio tempo vai gerar demanda ou prazos na agenda de sua
equipe?

Trinta segundos podem ser um tempo curto ou longo, depende do ponto de
vista de quem analisa. E muitas vezes vale mais a pena “perder” uns dois
minutos antes planejando as 12 horas de trabalho do dia do que perder a
metade do dia com imprevistos ou “assuntos fura pauta”.

Por fim, deixo aqui algumas dicas pra evitar a procrastinação e a otimização do tempo:

– Priorize o trabalho
– Agende as tarefas
– Evite o estresse
– Defina prazos
– Faça uma coisa de cada vez
– Ordene tarefas
– Diminua a procrastinação
– Aprenda a dizer não
– Programe cedo
– Faça pausas
Leia Mais
Opinião

A exceção virou regra

foto para site creativosbr

Escasso significa um adjetivo sem fartura, em pequena quantidade que muitos associam a algo negativo, pois representa a falta e a ausência de alguma coisa, enquanto a abundância é algo valorizado, sendo que representa a fartura e a comodidade.

Por muito tempo, o homem era escasso de muitas coisas e, quando era nômade, precisava caçar para sobreviver. Com isso, pôde desenvolver várias ferramentas e até dominar a técnica de produzir o fogo. Pois bem, depois começaram a desenvolver a agricultura, domesticar animais e passaram a construir cidades, estados e formar sociedades, nas quais os elementos que antes eram escassos, passaram a se tornar fartos e abundantes. Com isso, veio o progresso, a revolução industrial, a tecnológica, a era da informação, até chegar o ponto de dar apenas um Google para saber o significado da palavra “escassez”.

Ou seja, o mundo virou abundante, e isso é um “problema”. Mehta e Zhu, que realizaram um estudo em 2015 sobre o teste do plástico-bolha, concluíram que a abundância inibe o olhar inovador, pois gera em nossa memória o uso de recursos previamente realizado antes e diminui a possibilidade de enxergarmos uma situação por outro aspecto, pois sempre iremos utilizar padrões já testados antes que obtiveram resultados positivos.

Psicólogos perceberam que quanto menos recursos, maior a possibilidade de sermos mais “criativos”, no sentido de buscarmos outras ligações neurais para resolver o problema proposto e enxergar outras formas de ressignificar o objeto sugerido.

Por isso, uma das técnicas utilizadas para desenvolver a criatividade no sentido de solucionar problemas é a restrição que consiste em colocar limites de recursos a um problema a ser solucionado.

Quando eu estava lendo sobre isso, me veio o questionamento: o quanto as agências de pequeno porte estão sendo “criativas”? Pois naturalmente elas enfrentam uma restrição que é conhecido por todos nós, o cliente sempre tem pouca verba.

Naturalmente, seguindo a lógica da restrição, era para essas agências darem uma aula de criatividade todos os dias, porém o que mais se observa é a abundância tomando de conta do seu cotidiano. A verba curta já virou padrão e isso não é mais um elemento restritivo para estimular um olhar inovador sobre o problema. A exceção virou regra? Como podemos reverter essa situação sem cair nos clichês e nas formulas prontas?

Desculpe se dessa vez eu não lhe dei respostas ou cheguei na conclusão que você esperava. É porque eu acho que refletir é tão importante quanto consumir. Vamos deixar um pouco a abundância de lado e nos restringir para chegarmos a nossas próprias conclusões.

 

Leia Mais