close

Opinião

Opinião

O Papel das Mídias Sociais nas eleições de 2018

o papel das mídias sociais nas eleições 2018 – creativosbr

As eleições desse ano movimentaram mais que o normal as mídias sociais. Se você não postou nada de política, com certeza viu alguma postagem ou entrou em alguma discussão. No Whatsapp, Facebook, Instagram, Twitter e até no LinkedIn os ânimos estavam aflorados. Mais do que nunca as pessoas precisavam mostrar e falar suas opiniões em seus canais digitais.

A cada ano que passa estamos mais conectados. O velho marketing político começa a perceber a mudança e a população é totalmente instigada a sair da zona de telespectador de propagandas políticas e interagir diretamente com seu candidato, como já dizia McLuhan: “A tecnologia é a extensão do homem. ” E o que é dito em canais tradicionais ultrapassam as discussões em rodas de amigos e ganham o mundo na internet. Se bem explorados, os multicanais conseguem fazer uma comunicação completa, alcançando vários públicos com diferentes linguagens.

Esse ano não foi só o público que mudou seu comportamento diante as eleições, as próprias mídias sociais estavam mais atentas, em especial o Facebook, que criou ferramentas próprias em sua mídia para esse período e ganhou destaque com a liberação de postagens patrocinadas por candidatos durante campanha eleitoral. Com isso, os candidatos de partidos menores, que não tiveram muito tempo em canais tradicionais, investiram mais pesado no digital e ganharam não só seguidores, mas votos e adeptos da campanha.

Com tanto conteúdo sendo gerado nas mídias sociais, a informação é constante mesmo que em muitos casos venha em forma de Fake News, e por mais que as notícias falsas ainda sejam disseminadas como avalanches, o público já começa a entender o perigo e tenta ficar atento quanto a isso, estimulando até mídias convencionais a abordarem mais o assunto.

O fato é: não foi uma campanha convencional; e – para encerrar – ainda tivemos um novo presidente que fez discurso da vitória por Facebook Live. As mídias sociais estão mais que presentes na rotina do brasileiro, e se você ainda não conseguiu enxergar a importância disso, olhe a estratégia de campanha usada pelo novo presidente. Você pode dizer #ElasSim ou #ElasNão para as mídias sociais, mas precisa compreender a representação desses canais no comportamento da sociedade moderna.

Leia Mais
Opinião

Consultoria ou Agência?

CREATIVOS BR – Opinião – Consultoria ou Agência de comunicação

Dentre as voltas que o mercado (que a vida) dá, vez ou outra me pego pensando: o que será mais eficiente: consultoria ou gestão de comunicação? O que poderá dar melhores retornos para a empresa: concentrar todos os esforços de comunicação ou terceirizar? Posso lhe afirmar que os consultores e agências de consultoria terão ótimos argumentos para convencer de que a consultoria é a melhor opção para a empresa. Por outro lado, gestores e agências de comunicação (e/ou de propaganda) tem toda uma base para contra argumentar e lhe provar que é a gestão que o contratante precisa. Ambas as opções serão eficiente para o cliente, basta entender qual é o momento. Mas o que o cliente precisa de fato? São diversos vieses a serem ponderados para essa decisão.

É evidente o espaço que as consultorias têm ganhado no mercado, incluindo o de comunicação. O fato é que o que vai gerar resultado na empresa pode não ser uma nova comunicação e sim uma reestruturação do negócio, uma evolução do mindset corporativo, ou repensar os processos. Antes de convidar os amigos, organize a casa para recebê-los. O mercado muda muito e as empresas precisam acompanhar essa evolução, e isso incluí as agências de comunicação.

Por outro lado, a agência de comunicação tem a responsabilidade e a expertise de estabelecer diálogo com os públicos de interesse da empresa, que podem ser (e são) extensos e variados. De acordo com o porte e necessidade de comunicação pode ser inviável interiorizar a comunicação e ser importante ter uma agência.

Precisamos entender e acompanhar as voltas que o mercado sempre dá. Vejo empresas que decidiram contratar equipe interna para gerir sua própria comunicação e com isso chamar a responsabilidade pra si sobre a ótica de reduzir custo, ter agilidade e mais relevância. E também vejo empresas que, pelos mesmos motivos, decidem contratar uma agência de comunicação. Diferentes empresas, em diferentes momentos do negócios, carecem de diferentes soluções.

Mas quem disse que não dá para aliar a consultoria e a gestão de comunicação? Principalmente na busca pela relevância, a integração dessas duas frentes podem somar em um resultado sinérgico incrível. Contudo, o que vou dizer serve tanto para o contratado quanto para o contratante, o que fará a diferença é a empatia no negócio. É você, enquanto agência ou consultoria, entender e se preocupar de fato o que será fundamental na empresa, entender e respeitar qual é o momento dela. Ou a você, enquanto cliente, entender o valor da sua verba, olhar para dentro (da empresa), considerar todos os seus recursos, principalmente humanos, e concluir de acordo com os seus desafios (objetivos) o que fará diferença no momento.

Consultoria ou agência? O mercado ganha com as consultorias se envolvendo e balançando as agências e as agências se posicionando e entendendo a essência de uma consultoria.

Leia Mais
Opinião

Grandes agências e médios prazeres pedem novos caminhos

rota

Tenho horror à gente que não se permite mudar de opinião.

Pessoas que até já mudaram de ideia sobre algumas coisas, mas que preferem não tornar público para não ter que admitir que reavaliou e que agora pensa diferente.

Nizan tem uma frase que sempre repetia pelos corredores da agência: “Eu não tenho compromisso com o erro”.

É mais ou menos isso.

Certa vez, um diretor me perguntou qual era o meu objetivo dentro da mídia. Respondi: “Ser o melhor mídia do Brasil, VP dessa agência e quem sabe, Presidente do Grupo de Mídia”.

Resposta de um sonhador, cheio de garras e vontades. Mais emoção do que razão naquelas palavras ditas.

Mas trabalhei, aprendi, apanhei, cresci.

No dia que eu  pedi demissão dessa mesma agência, chamei o mesmo diretor e disse a ele: “Se hoje tu me perguntasse a mesma coisa eu diria que desejaria ser o melhor profissional de mídia do Brasil na visão dos meus subordinados, dos meus clientes e dos meus superiores. Nessa ordem”.

As pessoas mudam e isso é bacana!

Talvez nem todos saibam, mas meu início de carreira não foi nada fácil.

Me formei em uma faculdade no interior do Estado, onde a realidade do mercado publicitário naquela região me distanciava do que acontecia no eixo Rio-São Paulo.

Vinha à São Paulo uma vez por mês, de ônibus de linha e com meus envelopes de currículos na mão, percorria a pé os bairros do Itaim, Vila Olímpia e Pinheiros.

Sem conhecer gente no mercado, deixava meu currículo impresso na portaria dos luxuosos prédios em que abrigavam as principais agências do país. Por inúmeras vezes, ao entregar o currículo e virar de costas, escutava o amassar ou mesmo o rasgar do envelope que acabara de ser entregue.

Ainda estudante, fui em umas três ou quatro edições do Maximídia com o crachá de outra pessoa. Como? Vinha pra São Paulo, ia pra porta do evento e ficava lá esperando algum executivo sair. Dizia a ele que eu era estudante e que não tinha como desembolsar aquela grana toda. Ele me dava o crachá dele e eu entrava. Pois é! Queria respirar criatividade, estar entre os grandes profissionais, viver um sonho.

Mas certo dia, as coisas começaram a acontecer. Talvez a receita devesse conter bastante de dedicação e preparo, somado à uma pitada de sorte e algumas colheres de oportunidade e de repente eu estava dentro de grandes agências, fazendo aquilo que desejei por anos: mídia.

Nesse caminho, percorri agências grandiosas, atuei em campanhas prazerosas e conheci gente boa ‘pacas’.

Na Ogilvy tive chefes maravilhosos que me deram a oportunidade de propor, questionar, participar. Vivi a publicidade de verdade ali.

Fui então pra África. Gosto sempre de dizer uma coisa sobre essa agência: a mesma fama que tira gente de lá é a que leva gente pra lá. Uma agência que trabalha no limite. Isso faz você crescer profissionalmente, muito rápido. Aos mais próximos, digo sempre que talvez tenha sido a agência que mais aprendi dentre todas que passei.

Na Y&R tive rápida passagem à convite de uma pessoa de um coração enorme (única que cito aqui) e que mesmo quando eu estava longe, fazia questão de me acompanhar e me dar bons conselhos: Gustavo Gaion. Um mentor pra mim. Sempre que o vejo, agradeço tudo o que fez e faz por minha carreira. Duvida? Pergunte a ele se não é verdade!

A passagem pela JWT me deu a oportunidade de trabalhar com um player de varejo. Queria entender aquela rotina maluca, os prazos apertados. Ué, todo mundo tem o seu momento de masoquismo. Me deixa.

Em 2014, recebi o convite para assumir a gestão da Central de Mídia de Bradesco, na W/McCann. Momento de Olimpíadas, cliente do setor financeiro, alto investimento. Muita gente pensa que não, mas ali tive oportunidade de aprimorar muito a minha técnica de mídia. Ainda que tivéssemos uma série de divergências, tive um chefe que foi o melhor negociador de mídia que já conheci. Trabalhando com ele, aprendi muita coisa e evolui muito em vários aspectos profissionais.

Me faltava o topo. Me faltava assumir um cargo de Direção em uma agência. A oportunidade surgiu em 2017. Fui para a aktuellmix, uma das maiores agências de live marketing do país. Ali, tomei um susto. Descobri na pele, que a mídia, que é demais importante, é somente uma das partes de um todo bastante mais complexo de um cliente. Trabalhar ali me deu melhor visibilidade do negócio do cliente. Tive experiências muito bacanas, conheci profissionais mais 360 e fica um carinho especial ao trabalho realizado com “dr. Consulta”, onde ajudamos através de boa comunicação, a mudar o status do cliente.

Missão cumprida? Talvez.

Rol de boas agências, boas campanhas na rua, cliente gigantes, pessoas fodas.

Trabalhei com Nizan, Olivetto, Eco, Mohallem e até Justus. Esse último prometo apagar antes de postar.

Percorri a hierarquia dentro da minha atividade como deve ser. Cheguei onde queria, mas… isso não era mais sinal de felicidade.

Agências têm sempre os mesmos problemas. Agências tradicionais possuem estruturas muito quadradas e não andaram na mesma velocidade das necessidades dos clientes.

Nos últimos anos andei pensando muito nas coisas. Fruto de um olhar mais técnico, as agências já não resolvem boa parte dos problemas de comunicação de seus clientes.

Vi por diversas vezes marcas importantes precisando de 4, 5, 6 agências para terem todas as suas necessidades atendidas.

Isso me fez, muitas vezes, perder o tesão no meio de um job. Publicidade tem que ter tesão, senão você pira, não entrega o melhor de si.

Vivemos um mercado de agências apegadas a um formato de receita que não sabemos até onde dura. E mais: o quanto isso é nocivo à estratégia do cliente anunciante?

Hora de repensar a carreira. Hora de mudar. Hora de tentar fazer de um jeito onde eu possa ser mais relevante para meus clientes.

Com a experiência adquirida aqui e acolá trabalhando com desafiadores clientes, agências enormes e pessoas demais técnicas, acho que posso seguir sozinho daqui por diante, sem me perder.

Não estou abandonando a profissão, mas agora quero seguir com o meu negócio.

Quero focar em clientes pequenos e médios que possuem desafios tanto como as grandes contas que atendi.

São empresas muitas vezes esquecidas pelo mercado e que também precisam de um olhar profissional técnico de marketing e comunicação.

Quero poder entregar competência, atenção, dedicação e um trabalho que não se baseia no óbvio ou nas velhas regras. Status? Vamos deixar de lado.

Montei um bom time para isso. Um time novo, sem vícios profissionais e que pira em pensar.

O creativosbr é uma agência pequena. É familiar. É de resultados. Tem gente competente pra entregar gestão de redes sociais, marketing de busca, consultoria estratégica de marca, criação, compra e controle de mídia, assim como treinamento e desenvolvimento para equipes.

Além de agência, somos portal de comunicação para jovens profissionais e estudantes, legado trazido do Blog do Crespo e que, por ser nossa parte de nossa missão, sempre será levado a diante.

O creativosbr é o meu novo sonho. Fruto de madrugadas sem dormir. Não foram duas ou três. Foram centenas de madrugadas em claro montando esse sonho.

Se quiser conhecer a gente, entra no site, segue a gente no Instagram, no Twitter e no Facebook.

Agora então irei dividir o tempo junto com as aulas de Mídia e Planejamento de Mídia na FAAP e na FECAP, atividades outras que amo fazer. Além dessas, ainda acumulo com muito orgulho a função de coordenador de curso na Fecap e de sócio-idealizador do Amigos do Mercado.

As grandes agências foram importantes, mas me trouxeram médios prazeres. Hora de seguir novos caminhos.

Leia Mais
Opinião

O mercado brasileiro está preparado para o data marketing?

O-mercado-brasileiro-esta-preparado-para-o-data-marketing-Creativosbr-Opiniao-BlogdoCrespo-DataMarketing-Creativos-DigitalAnalytics

Não é nenhuma novidade que atualmente as empresas vêm utilizando dados para transformar em informação a fim de desenvolver seus produtos e serviços, alavancar vendas e aumentar suas receitas.

Apesar desse cenário cada vez mais comum, será que no Brasil as empresas estão realizando essa mudança ou apenas fazendo parte dela? É importante ressaltar que em grandes multinacionais existem departamentos, profissionais qualificados e até empresas e agências qualificados para tirar insights, mas mesmo assim ainda grande parte das empresas não possui esse know-how de como usufruir de todas as informações que têm disponíveis. Com isso, empresas terceirizadas como instituto de pesquisas, consultorias e empresas com vasta base de dados entram no jogo.

Na publicidade, marketing e comunicação, por exemplo, existem 4 maneiras de como as empresas se relacionam com dados:

Nascente: campanhas de marketing usando majoritariamente dados de terceiros e compra direta de mídia, com baixa ligação a resultados de venda.

Emergente: campanhas baseadas em dados próprios e compra de mídia programática com otimização e teste de forma independente por canal de mídia.

Conectado: dados integrados e ativados ao longo de múltiplos canais de mídia com clara conexão a ROI e resultado de vendas.

Multimomento: execução dinâmica, otimizada e personalizada baseada no resultado individual de cada cliente em todos os canais de mídia.

Essas classificações foram feitas por um estudo do Google com a Boston Consulting Group (BCG) que avaliou as 60 principais companhias brasileiras.

O estudo indicou que mais de 55% das empresas estão no estágio emergente e quase 2% no Multimomento. Pode-se dizer que as empresas que atuam no Brasil, de maneira geral, não estão explorando totalmente o potencial que possuem.

Com tanta informação disponível, tratar esses dados, criar audiências e extrair informações relevantes para alavancar vendas é o maior dos desafios que, aparentemente, as empresas ainda não estão nem de longe alinhadas em executar com perfeição, até porque esse tipo de evolução necessita de aprendizado.
Vale ressaltar que, se tecnologicamente as empresas estão aperfeiçoando a maneira de tratar e ler os dados, quem dirá de como executá-los nos demais canais que ainda não estão adaptados a todo esse dinamismo repleto de transformações. É clara a existência de um desalinhamento interno que muitas vezes provoca competição entre os próprios canais de e-commerce, o que torna a situação mais desorganizada. A comunicação integrada deve ser impecável neste cenário.

Por fim, acredita-se que é com o tempo, com o erro e o aprendizado que as empresas irão se aperfeiçoar no processo como um todo. Assim como ondas de som, essa transformação que está começando nos departamentos de digital analytics logo em breve atingirá as áreas mais tradicionais de uma organização que, quando começarem a se adaptar, verão os resultados na economia de escala e no aumento de receita, o principal objetivo de toda essa revolução da informação.

Leia Mais
Opinião

Brasil – Um produtor de memes

g1

“O brasileiro precisa ser estudado.” É comum lermos essa frase nos perfis dos amigos nas redes sociais. Mas a brincadeira tem um fundo de verdade. O brasileiro, de fato, precisa ser estudado. Não é normal a forma sarcástica com que o brasileiro lida com os problemas e com as alegrias. Quase tudo o que acontece na internet vira meme e viraliza, principalmente os acontecimentos ruins.

São milhares de memes sobre os mesmos assuntos. Quase que um concurso de quem é o mais criativo e original. E acredite: o brasileiro é muito criativo. São diversos os memes feitos em velocidade incrível e entregues mais rápidos que muitos jobs que os clientes pedem. A agilidade que o brasileiro tem de transformar algo ou alguém em meme chega a ser incrível.

Seja pelas quedas de Neymar ou pelo personagem russo criado como um torcedor macabro, o brasileiro aproveita a Copa para se divertir e divulgar suas piadas. Usa a Copa também para invadir as redes sociais de desafetos que criticam a seleção ou nosso jogador principal. E saem em defesa: “só quem critica um jogador do Brasil é a gente, ninguém mais.”

Os brasileiros invadiram o Twitter do jogador Miguel Layún, do México, após um pisão maldoso no tornozelo do nosso craque. Até ameaça de morte o jogador recebeu. Usaram o Twitter para xingar o ator Matthew Lewis, de Harry Potter, dizendo que o Neymar é melhor ator que ele. Incrível como o brasileiro faz piadas com tudo e toma as dores de quem fala mal do nosso país.

Mas a viralização pode ser perigosa, e acabar com a vida profissional de muitas pessoas públicas, como aconteceu com o youtuber Júlio Cocielo, que após ofender o jogador Mbappe, da França, perdeu seus principais patrocínios e ainda recebeu ameaças de outros artistas na internet.

E você? O que acha dos memes? O que acha da força que a internet tem em viralizar tanto coisas boas quanto ruins? O brasileiro precisa mesmo ser estudado?

Leia Mais
Opinião

O que os Mídias esperam dos veículos?

O-QUE-OS-MÍDIAS-ESPERAM-DOS-VEÍCULOS-MÍDIA-CREATIVOS-BR

Antes de falar sobre isso, precisamos considerar algumas questões que dizem respeito principalmente ao comportamento de consumo e também aos desafios empresariais. Não é nenhuma novidade dizer que somos “multitelas”. Estamos em celulares, computadores e televisões quase sempre. Nos celulares são diversos aplicativos competindo pelo nosso tempo, assim como nos computadores acessamos vários sites e deixamos sei lá quantas abas abertas; e ao assistir TV são bem amplas as opções de canais. Trabalhamos com um notebook, pegamos o celular diversas vezes e fitamos a TV, não necessariamente nessa ordem. Mas também lemos livros, blogs e revistas, somos impactados por mídias out-of-home enquanto ouvimos uma música via streaming. A nossa realidade é fazer muita coisa “ao mesmo tempo”. Temos dois ou três empregos, mais de uma empresa, participamos de alguns projetos, defendemos muitas causas, enfim, são muitas as bandeiras que levantamos. E bem neste cenário cresce a repulsa por propaganda. Pulamos anúncios, instalamos bloqueadores, pagamos streaming para não ouvir e ver propagandas, não pegamos folhetos em semáforos. Ok, mas o que isso tem a ver?

Em um passado não tão distante era possível atingir os objetivos dos clientes praticamente fazendo publicidade, comprar mídia nos veículos de maior audiência e afinidade com o público resolvia. Mas agora a mídia é segmentada, e o anunciante precisa falar adequadamente com seu público em vários canais diferentes. E precisa também integrar o PDV, eventos, marketing direto, endomarketing, marketing digital… e por aí vai. Ah, e tem que ser interessante, tem que ter conteúdo relevante. Todo esse conjunto precisa estimular interatividade e ser passível de mensuração. Culpa ou mérito da evolução digital? Tanto faz, o que importa é que o consumidor quer falar (e ser ouvido) e o cliente quer/precisa saber dos “números”. O Mídia precisa comprovar efetividade e também precisa prover inovação constante.

Hum… e como é a realidade de um departamento de Mídia hoje?

O cliente é como um investidor, e a mídia naturalmente detém o maior montante do investimento. Talvez esse conjunto de fatores pode ter influenciado o crescimento da relevância desse departamento perante os clientes. As equipes estão menores, apesar de terem crescido as responsabilidades. A mídia tem incorporado funções como inteligência de dados (B.I.). Consequentemente os profissionais do departamento têm menos tempo, e precisam de agilidade e assertividade mais do que nunca. Pode ser que alguns departamentos se deparem com outro problema: a “juniorização” da equipe. E aí, meu amigo, por mais inteligente e dedicado que um “júnior” possa ser, por tempo de mercado (e de vida), dificilmente terá a sagacidade que um profissionalmente experiente tem para lidar com problemas, planos e relacionamento com veículos.

E o que os mídias esperam dos veículos?

Primeiramente, que resolvam os problemas dos clientes. Mas para que isso aconteça, o veículo precisa conhecer o cliente, saber das suas dores e intenções. Bom, se é falta de preparo do veículo ou falta de briefing da agência… não sei. Mas sei que se tiver maior proximidade entre veículos e os departamentos de mídia (e entre os departamentos da agência), o cliente sai ganhando, provavelmente com problemas resolvidos e objetivos concretizados.

De acordo com Filipe Crespo, Diretor de Mídia da Aktuellmix, o Mídia precisa das melhores oportunidades de tempo e espaço, que promova diferenciação da concorrência, tenha adequação ao target, traga rentabilidade, e que principalmente estejam atreladas aos objetivos de campanha determinados.

Os Mídias precisam:

  • De propostas claras, focadas no cliente, que tenham dados para basear argumentação tática para defender porquê investir no veículo X para atingir o target da campanha (ranking de audiência, afinidade com o target e análise de concorrência, por exemplo).
  • Apresentações sucintas (pouco importa o layout, o conteúdo tem muito mais valor).  Com tempo bem escasso do mídia e também do cliente, não há tempo para brincar de leilão com o plano de mídia, então espera-se que o veículo apresente sua melhor negociação ou corre risco de ser cortado do plano.
  • Enxergar no veículo a possibilidade de saber das possibilidades de veiculação. Não somente as novidades, mas as características importantes do veículo (por exemplo, as possibilidades de segmentações).
  • Que o veículo se interesse verdadeiramente pelo seu cliente (e não em bater meta de venda). Se o veículo sabe o que o cliente quer comunicar ao seu público… a solução pode ser incrível.

E se a equipe é quase toda júnior? Abrace-a, dê dados e argumentos. Leve-a pra dentro do veículo, mostre a realidade, dê conteúdo, ensine. Contribua com o crescimento desses profissionais. Lembre-se que todo senior já foi júnior um dia.

 

Comente o que os veículos ou os mídias podem fazer para facilitar o seu dia e te ajudar a ser mais assertivo.

 

Leia Mais
Opinião

Influenciadores digitais nas táticas de mídia

influencidor digital-mídia-creativosbr

Que os “influenciadores digitais” estão cada vez mais presentes em nossas vidas, é inegável, mas você já parou para pensar o tanto que as suas respectivas presenças cresceram nos budgets de mídia? Antes de mais nada, o que é um influenciador digital mesmo?

Influência, segundo o dicionário Michaelis significa o poder de influenciar e modificar o pensamento ou o comportamento de outrem sem o uso da força ou imposição. E digital… dispensa comentários. Então pra fechar a ideia, influenciador digital é aquele ser que através de meios digitais tem poder de alterar pensamentos e comportamentos de outras pessoas… interessante, e é aí que está a sacada. É ai que as marcas estão apostando.

Arrisco dizer que os influenciadores digitais podem ser como veículos de mídia especializados, ou melhor, segmentados. Ao definir um veículo de mídia segmentado, como um canal fechado de TV ou uma revista de carros, para uma campanha é preciso conhecer a “linha editorial”, tiragem, circulação, audiência, alcance, entre outras variáveis e opções até chegar a uma decisão do melhor custo-benefício para a campanha e/ou para o cliente. Com o influenciador digital não pode ser diferente, é preciso estar atento a todas as nuances para certificar que aquela pessoa escolhida realmente detém o poder de influenciar comportamento do público de interesse da marca. Ou no final da campanha você pode olhar pro relatório pensando “Influência de quê?”.

Foi-se o tempo em que a efetividade de uma campanha era medida pela abrangência (se é que esse tempo existiu um dia). Então não ache que o melhor influenciador digital é aquele que tem a maior quantidade de fãs, seguidores ou inscritos no seu canal, o melhor é aquele que tem maior proximidade com o público a qual a mensagem se destina. Reforço aqui que o influenciador digital não é necessariamente aquele ser famoso com vários dígitos de seguidores, para comprovar o que estou dizendo veja como a Adorocinema definiu influenciadores para suas ações.

Poderia até listar vários cases de diferentes formas de como os influencers estão cada vez mais presentes na mídia. Mas prefiro encerrar com uma mensagem e um convite. Influenciador digital não é a função é a consequência de um posicionamento coerente com conteúdos frequentes e de qualidade.

Se você quer (ou precisa) saber mais a respeito de como planejar e comprar influenciadores digitais para se destacar no mercado…

OBJETIVO DO CURSO:

Capacitar os alunos presentes quanto ao entendimento dos conceitos e tendências da mídia digital e sua aplicabilidade no dia a dia, possibilitando assim, a construção de um bom e estratégico plano de mídia com influenciadores digitais para marcas de empresas de pequeno, médio ou grande porte. Entender as características do marketing de influência e quem são esses influenciadores e como eles alteraram o negócio da publicidade na mídia digital nos últimos anos. Através de inúmeras atividades práticas, os alunos trabalharão e exercitarão habilidades da técnica da disciplina, que passam por análises de adequação e relevância, alcance e engajamento, além das etapas de segmentação, rankeamento, negociação e mensuração da mídia comprada. O curso inclui o fornecimento do material por parte do professor e certificado de participação.

Mais informações, conteúdo programático e inscrições: https://bit.ly/2Ibe2O4

 

Leia Mais
Opinião

Social Media de que?

creativosbr – socialmediadeque – opinião

Já está bem claro para todo mundo a importância das mídias sociais. Um terço da população mundial está presente nelas. Na fila do banco, no ônibus, no trânsito, nos shoppings, as pessoas estão sempre conectadas. E as empresas, por sua vez, precisam estar onde os clientes estão. Não é o Marketing que muda, é a sociedade.

Com a demanda crescente de empresas querendo se destacar, não demorou muito para Social Media ser uma das profissões mais comentadas do século 21, colocada como uma das carreiras mais promissoras hoje e para a próxima década no Brasil e no mundo, segundo dados do relatório O Futuro do Trabalho, do Fórum Econômico Mundial.

Trabalho há 4 anos na área, e no primeiro ano a demanda de profissionais ainda não era tão intensa. Atualmente tenho até amigos Engenheiros que se especializaram no mundo das Mídias Sociais e estão trabalhando com isso. Acreditem!

Todo mundo deseja fazer o novo, o diferente. Muito conhecimento, ferramentas, artes bem elaboradas, mas o principal em falta, a estratégia. Resultado? Clientes impacientes por resultados e profissionais sem saber o que fazer.

Criar conteúdo com layouts atraentes é o de menos, a ideia é fazer isso se converter no foco principal do seu cliente. E pasmem, não é número de curtidas ou seguidores, isso são apenas métricas de ego. Ou você entra de cabeça na empresa do seu cliente e explora dados que precisam fazer uma interconexão com o processo de vendas, ou você expira.

Mas não se preocupe, isso não é nada complexo, é apenas desligar o modo “máquina” da criação desenfreada sem nexo, e ligar o modo “profissional criativo e inteirado”. Mais do que entender bem das mídias sociais, você precisa entender de pessoas e fazer comunicação real com elas.

 

Leia Mais
Opinião

Big Brother o ano inteiro?

CREATIVOSBR-BLOGDOCRESPO-OPINIAO-BIGBROTHER-O-ANO-INTEIRO

Recentemente o Facebook protagonizou um escândalo sobre compartilhamento indevido de dados de usuários de um quizz com a empresa de consultoria Cambridge Analytica. A vulnerabilidade em que nossas informações se encontram nas mídias sociais me traz o questionamento de até que ponto estamos protegidos quando conectados.

Quando publicamos algo, fazemos check-in em determinado local, quando interagimos com nossos amigos e quando aceitamos os termos de uso do que clicamos na internet, confiamos que aquilo ficará em modo privado e que nada irá acontecer. O que atualmente vemos e que se revela é que esses dados podem ser expostos com mais facilidade do que pensamos.

Somos vigiados o tempo inteiro e há anos Foucault já nos alertava sobre isso. Essa vigilância intensa e de 24 horas por dia nos controla, viabiliza a produção do saber e torna possível nos conhecer, uma vez que o saber produzido reforça as possibilidades de exercer poder sobre nós. As marcas, por exemplo, muito se interessam em conhecer o seu público-alvo, e a ter essa proximidade, estando tão conectadas nas mídias como nós.

É importante sempre manter cautela no conteúdo que vamos expor na internet, uma vez que, após postado, aquilo se eterniza e não temos controle do que isso pode ter. Afinal, a sociedade da vigilância faz parte do nosso cotidiano e, ativamente, somos parte de sua engrenagem.

Leia Mais
Opinião

Não seja publicitário

Creativosbr – blogdocrespo – não-seja-publicitario-texto-opnião

Estava em uma daquelas reuniões de família onde todos os primos mais novos sentam-se no chão e eu agradeço por ser a mais velha e ocupar o último lugar à mesa. Se não fosse por aquele tio que insiste em conversar sobre os mais diversificados assuntos até chegar à famosa pergunta: “mas o que você faz mesmo na faculdade?” e eu prontamente responder: “Publicidade e Propaganda”. Aí ele me olha enquanto passa um único e simples pensamento em sua mente: “mas isso todo mundo já nasce sabendo”.

Pois é. Essa é uma das maiores ou talvez mais certas conclusões acerca da publicidade. Todo mundo já nasce sabendo.

Mas ainda tenho uma definição melhor: todo mundo nasce criativo, isso é verdade, e talvez até um pouco de publicitário, afinal quando você precisa conquistar uma gata na balada você apela para o marketing pessoal para gerar um buzzmarketing, não é verdade? Mas nem todos são publicitários em sua essência.

A questão é que ser publicitário é muito mais que andar descolado por toda agência, e ostentar uma biblioteca com diversos livros “cult.”; é muito mais que ter aquela fantasiada rotina flexível enquanto se dedica 12 horas consecutivas a um projeto, e o cliente manda um famoso “textão” com várias alterações. É, de fato, muito mais que ser o “diferentão” da família.

Seus dias são regados a café a ponto de ser seu melhor combustível, ou talvez parte de você, pois só assim você aguentará o dia agitado entre os almoços com veículos e reuniões que poderiam ter sido um simples e-mail.

A verdade é que a publicidade não envolve somente ser criativo e descolado, envolve muito do seu conhecimento e sua visão sobre o mundo; exige que você se dedique a ela e entenda todos os seus detalhes e as curvas de seu corpo. É preciso arquitetar cada peça e montar uma boa estratégia, além da soberania em dominar Exatas e Humanas, e acordar diariamente disposto a resolver problemas que ainda não existem com inovações geniais, por que o que era novo ontem, hoje já não é mais.

Portanto, se não deseja ser um apaixonado pela vida e não queira saber de cor todos os bordões publicitários, além de nunca poder se sentir orgulhoso por ter feito parte de uma campanha incrível que mudou a vida de alguém, não seja publicitário.

Leia Mais