close
Opinião

Por que pagar de novo?

Existem algumas regras ou práticas de nossa sociedade que nunca me convenceram e também penso que nunca serei convencido!

É o tal do "pagar duas vezes pela mesma coisa". Como isso me irrita!

E tem um pouco também a ver com aquela coisa de levar vantagem, do jeitinho brasileiro, de ser malandro!

Vou explicar:

Anos atrás, eu costumava ir nesses parques de diversões como Playcenter ou Hopi Hari. Ia juntos com amigos, na maioria das vezes.

Os tickets de entrada eram bastante caros e por esse motivo era muito comum irmos de vans ou ônibus para que o custo de transporte fosse dividido entre todos.

Quando eu chegava nesses parques, já com o bilhete comprado, percebia que havia a possibilidade de compra de um tal de "FURA-FILA", que como o próprio nome diz, oferece ao comprador, que ele passe na frente de todas as demais pessoas, em um número X de brinquedos. Ou seja, que ele fure a fila mesmo!

Muitos de meus amigos compravam tais bilhetes, pois além de se livrarem de filas demoradas e chatas, faziam com que o tempo no parque ficasse maior, possibilitando maior tempo livre e consequentemente, maior diversão.

Funcionava mais ou menos assim: você chegava num brinquedo do parque, mostrava seu ticket "FURA-FILA" para um funcionário do parque e este, por sua vez, te encaminhava por um caminho secreto, muitas vezes, pela porta de saída do brinquedo e pronto, você seria o próximo, a curtir minutos de diversão, na frente de todos os outros que estavam horas esperando "na fila normal e demorada"para ir no mesmo brinquedo.

Ou seja: o próprio parque, que organizava as filas e que deveria prezar pela ordem e pelo senso de justiça entre os clientes, possibilitava que houvesse um "JEITINHO BRASILEIRO" para resolver o problema de quem pudesse pagar! 

Ao meu ver, não tem como não relacionar essa prática com o pagamento de uma propina, onde você paga uma quantia para alguém criar facilidade à você! Que alías, é crime em nosso país!

Não sei se essa prática ainda funciona nesses parques, mas penso que é um absurdo e só mostra de forma indevida que com dinheiro, você pode COMPRAR A FACILIDADE num parque de diversões. Pior: leva às crianças, o entendimento que o DINHEIRO pode resolver outras questões do cotidiano da mesma forma.

Uma segunda prática que também me aborrece e que passa essa ideia de "PAGAR DE NOVO" muito mais clara que a primeira, está na cobrança do PPV pelas operadoras de TV por assinatura.

Desta vez, terceiros não são lesados como no primeiro exemplo citado acima. Porém, também vejo como um absurdo gigantesco e isso muito me incomoda.

Canais como Premiere e Combate só podem ser adquiridos por PPV, ou seja, por um pagamento extra, somando-se assim ao seu pagamento normal de mensalidade do pacote.

Como pode uma coisa dessa? Se a operadora já me cobra um valor X para que eu tenha acesso aos canais, por que me cobrar novamente para me dar acesso à outros canais?

Dia desses, por curiosidade, fui ver qual o valor do PPV para assisitir ao jogo São Paulo x Linense, no Premiere, da NET.

Para que o sinal fosse aberto para mim, eu teria que desembolsar a quantia de R$ 85,00! Um absurdo!

Como cliente da operadora nos serviços de TV, Internet e telefone, eu já pago algo em torno de R$ 140,00 mensais. Por que me cobrar mais?

E outra: R$ 85,00 para me liberarem o sinal de um jogo entre São Paulo x Linense pelo Campeonato Paulista?

Com essa quantia, eu iria de limousine para o Estádio do Morumbi e assistiria de lá, em cadeira numerada. 

A bi-tributação para esses tipos de serviçoes em que citei acima é algo surreal e não podemos aceitar. Alguma coisa tem de ser feita.

Por que pagar de novo?

Desculpem o desabafo!

Boa semana a todos!

Tags : ao vivobi-tributaçãoblogblog do crespocabocombatecrespodadedofura filafutebolgersonhopi harleilutamarketingmídianetpagamentoparqueppvpremierepropagandapublicidadeufc
Filipe Crespo

The author Filipe Crespo

Publicitário formado e Mestre em Administração com ênfase em Finanças. Profissional de mídia certificado pelo Grupo de Mídia de São Paulo construiu carreira em agências como Ogilvy, Africa, Y&R, JWT, W/McCann e Lowe, atendendo clientes como: P&G, Unilever, BRFoods, LG, Bradesco e Mastercard. Atualmente é Sócio Diretor do Creativosbr e Consultor de Mídia do McDonalds no Brasil. É idealizador do Amigos do Mercado. É também professor de Planejamento de Mídia na FECAP, na FAAP e no MBA do Mackenzie.

Comentários no Facebook