close
Opinião

Remuneração por resultado

Fonte: Pexels

Na semana passada, a Coca-Cola anunciou durante uma conferência, nos E.U.A., que pretende adotar um padrão de remuneração por resultado, para suas agências de publicidade em todo o mundo.

Mas… o que seria isso?

A Coca-Cola propõe que as agências de publicidade sejam remuneradas de acordo com a sua performance. Caso as metas não forem atingidas, somente os custos de produção serão pagos e as agências ficam sem remuneração. Por outro lado, se as metas forem atingidas, os ganhos das agências podem chegar a 30%, valor bem maior do que o tão conhecido desconto padrão.

A Coca-Cola pretende utilizar esse novo método em 35 países, inclusive Brasil, até o ano de 2011.

Fica a questão: será que esse novo formato, é interessante para as agências? Pensem comigo: será que a agência tem que carregar todo esse peso nas costas?  O sucesso ou fracasso de vendas de produto está relacionado com uma série de outras questões, como produção, distribuição, preço, ações da concorrência, etc,  etc, etc. A publicidade não pode levar toda a culpa. Ela faz a parte dela, e as vezes, até mais do que isso, mas milagres, não!

Outra questão bastante interessante é o fato de que com esse novo formato de remuneração, creio que a agência se livra de um grande pesadelo: a aprovação do cliente. Sim, porque se o ganho da agência se dará pelo que ela produzir, o cliente não vai poder ficar dando palpite e interferindo na criação.

Xiiii, sei não se isso é possível.

Tags : agênciacoca-colametasperformancepublicidaderemuneraçãoresultado
Filipe Crespo

The author Filipe Crespo

Publicitário formado e Mestre em Administração com ênfase em Finanças. Profissional de mídia certificado pelo Grupo de Mídia de São Paulo construiu carreira em agências como Ogilvy, Africa, Y&R, JWT, W/McCann e Lowe, atendendo clientes como: P&G, Unilever, BRFoods, LG, Bradesco e Mastercard. Atualmente é Sócio Diretor do Creativosbr e Consultor de Mídia do McDonalds no Brasil. É idealizador do Amigos do Mercado. É também professor de Planejamento de Mídia na FECAP, na FAAP e no MBA do Mackenzie.

Comentários no Facebook