close
Vagas

Sua vaga é minha e a minha vaga é sua

imagem

Dia desses, um colega publicitário disse que o mercado de agências aqui em São Paulo, não abre vagas para novos profissionais de mídia já faz um tempão.

É verdade que tem uma ou outra agência que as vezes lança um programa de trainne ou de estágio, mas de forma geral não é assim que acontece.

O colega publicitário, disse que 90% das vagas existentes nos departamentos de mídia das agências são preenchidas por profissionais provenientes de departamentos de mídia de outras agências. Ou seja, existe uma dança de cadeiras, mas entre esses profissionais somente.

Não sei a fonte exata dessa informação colocada pelo colega, porém, devo dizer que acho um dado bastante impressionante.

Se pararmos para pensar, o profissional de mídia é o cara dos contatos, das amizades, enfim… admito que confio no dado da pesquisa.

Pronto, admito! Mas e a quantidade de profissionais de mídia que não conseguem entrar nesse mercado?

Tudo bem… vamos voltar a discutir então a questão da necessidade da experiência. Mas se ninguém dá a oportunidade, como ter a experiência? É a história do ovo e da galinha.

Fui vítima disso por muito tempo e escuto de meus alunos, todos os dias, o que eles devem fazer para trabalharem e atuarem como mídia. Incentivo a leitura, a participação em congressos, workshops. Indico os cursos do Grupo de Mídia, digo para tentar de toda forma, contato com gente da área.

Mas tenho que admitir: ainda assim, é difícil. É uma “panela” e o QI ainda continua sendo a porta principal de entrada em agências paulistanas.

Igual situação, vemos na profissão de treinador de futebol.

Já notaram o quanto é difícil “aparecer” um técnico novo no nosso futebol? Os nomes são sempre os mesmos. Eles apenas mudam de cadeiras. Olhem o Leão. Por quantos clubes ele passou nos últimos anos? Há quem diga que ele ganha mais dinheiro com rescisão de contratos do que com salários mesmo.

Vejam só um exemplo:

Nesse atual campeonato brasileiro, o técnico Ney Franco, foi demitido do Botafogo, e menos de 12 horas depois, já era anunciado como novo técnico do Coritiba. Já o “demitido” técnico do Coritiba, o René Simões, seria anunciado na Portuguesa, horas depois.

Estou exagerando fazendo essa relação dos mídias com os técnicos de futebol ou estou correto?

Qual a opinião de vocês sobre o assunto?

Tags : agênciablog do crespocampeonato brasileiroestágioexperiênciafutebolmídiaoportunidadepropagandapublicidadeqisão paulovaga
Filipe Crespo

O autor Filipe Crespo

Publicitário formado e Mestre em Administração com ênfase em Finanças. Profissional de mídia certificado pelo Grupo de Mídia de São Paulo construiu carreira em agências como Ogilvy, Africa, Y&R, JWT, W/McCann e Lowe, atendendo clientes como: P&G, Unilever, BRFoods, LG, Bradesco e Mastercard. Atualmente é Sócio Diretor do Creativosbr e Consultor de Mídia do McDonalds no Brasil. É idealizador do Amigos do Mercado. É também professor de Planejamento de Mídia na FECAP, na FAAP e no MBA do Mackenzie.

Comentários no Facebook