close

ambev

Marketing

O marketing de grandes marcas e a sustentabilidade na prática

O marketing de grandes marcas e a sustentabilidade na prática – Creativos Br – Marketing

Está cada vez mais crescente as empresas que se posicionam ambientalmente. Algumas apostam em estratégias de logística reversa com embalagens retornáveis, outras investem em criar embalagens através de resíduos. Envolver agentes civis e o poder público no diálogo, assim como desenvolver novos materiais industriais “ecologicamente corretos”, de acordo com texto publicado no Meio & Mensagem por Karina Balan, são ações que possuem potencial para solucionar o problema de desperdício de recursos e descarte indevido de resíduos em escala industrial. Existe um clima de “pressão” sob as marcas para adotarem princípios da economia circular. soldes coque iphone No último final de semana, a economia circular foi tema em muitos painéis do Festival Path, em São Paulo. Representantes de grandes players como Ambev e Coca-Cola e especialistas em políticas sustentáveis, apresentaram seus desafios para escalar práticas sustentáveis no Brasil e no mundo. Thaís Vojvodic, gerente de sustentabilidade da Coca-Cola, disse durante o Path que inovação não é sempre sobre tecnologia, mas sobre romper barreiras culturais entre empresas. coque iphone A Coca-Cola e a Ambev, por exemplo, há dois anos criaram a iniciativa Reciclar Pelo Brasil para oferecer apoio cooperativas de catadores de materiais recicláveis, e têm como parceiros empresas como Vigor e Nestlé. Para Thaís, as empresas continuam sendo concorrentes e competindo entre si, porém, quando se trata de reciclagem e sustentabilidade não há motivos para competir. Os investimentos em embalagens retornáveis e em logística reversas já voltaram a ser uma prática das empresas. Contudo, para Thaís, o desafio é incentivar o consumidor a adotar um hábito antigo, no caso dos retornáveis. O Fórum Econômico Mundial aconteceu em janeiro, em Davos, na Suíça. Na ocasião, James Quincey, CEO da Coca-Cola, compartilhou que até 2030 a companhia pretende coletar e reciclar 100% das suas embalagens. coque iphone en ligne Neste trajeto da economia circular, a Nestlé também caminha junto com a mesma meta, porém com prazo até 2025. coque iphone xr O Head de sustentabilidade da Ambev, Richard Lee, afirma que as práticas relacionadas com sustentabilidade devem ser vistas como parte do core business das empresas, deixando de ser apenas branding. coque iphone “Se não tivermos uma bacia hidrográfica saudável, não conseguimos operar adequadamente”, exemplifica Richard, que afirma também que a empresa investe junto a startups e universidades para incorporar soluções sustentáveis. Sob outro viés, aponta Fernando Penedo, especialista em sustentabilidade urbana, que entre as empresas, a sociedade civil e os governos possuem desalinhamentos no quesito sustentabilidade. “É muito difícil vermos iniciativas de sustentabilidade das empresas sendo criadas junto à sociedade civil. Além disso, geralmente empresas privadas não querem se misturar com assuntos públicos, o que é necessário. coque iphone xs Hoje em dia, quem cuida do pós-consumo no País é apenas o poder público”, ponderou e exemplificou com o caso da cidade de São Paulo, que gasta sozinha mais de R$ 1 bilhão anuais para coletar e transportar o lixo do município. Thaís, da Coca-Cola, ressalta a ótica econômica: “A carga tributária referente a produtos reciclados pode se apresentar pouco viável para algumas empresas. Um produto que já pagou toda a sua cadeia tributária, como uma garrafa PET, quando é reciclado paga o mesmo valor novamente, enquanto o descarte de lixo tem custo menor.

Leia Mais
Marketing

O marketing de grandes marcas e a sustentabilidade na prática

O marketing de grandes marcas e a sustentabilidade na prática – Creativos Br – Marketing

Está cada vez mais crescente as empresas que se posicionam ambientalmente. coque iphone 8 Algumas apostam em estratégias de logística reversa com embalagens retornáveis, outras investem em criar embalagens através de resíduos. Envolver agentes civis e o poder público no diálogo, assim como desenvolver novos materiais industriais “ecologicamente corretos”, de acordo com texto publicado no Meio & Mensagem por Karina Balan, são ações que possuem potencial para solucionar o problema de desperdício de recursos e descarte indevido de resíduos em escala industrial. Existe um clima de “pressão” sob as marcas para adotarem princípios da economia circular. coque iphone 8 No último final de semana, a economia circular foi tema em muitos painéis do Festival Path, em São Paulo. Representantes de grandes players como Ambev e Coca-Cola e especialistas em políticas sustentáveis, apresentaram seus desafios para escalar práticas sustentáveis no Brasil e no mundo. soldes coque iphone Thaís Vojvodic, gerente de sustentabilidade da Coca-Cola, disse durante o Path que inovação não é sempre sobre tecnologia, mas sobre romper barreiras culturais entre empresas. A Coca-Cola e a Ambev, por exemplo, há dois anos criaram a iniciativa Reciclar Pelo Brasil para oferecer apoio cooperativas de catadores de materiais recicláveis, e têm como parceiros empresas como Vigor e Nestlé. Para Thaís, as empresas continuam sendo concorrentes e competindo entre si, porém, quando se trata de reciclagem e sustentabilidade não há motivos para competir. Os investimentos em embalagens retornáveis e em logística reversas já voltaram a ser uma prática das empresas. Contudo, para Thaís, o desafio é incentivar o consumidor a adotar um hábito antigo, no caso dos retornáveis. acheter coque iphone en ligne O Fórum Econômico Mundial aconteceu em janeiro, em Davos, na Suíça. Na ocasião, James Quincey, CEO da Coca-Cola, compartilhou que até 2030 a companhia pretende coletar e reciclar 100% das suas embalagens. Neste trajeto da economia circular, a Nestlé também caminha junto com a mesma meta, porém com prazo até 2025. O Head de sustentabilidade da Ambev, Richard Lee, afirma que as práticas relacionadas com sustentabilidade devem ser vistas como parte do core business das empresas, deixando de ser apenas branding. coque iphone xr “Se não tivermos uma bacia hidrográfica saudável, não conseguimos operar adequadamente”, exemplifica Richard, que afirma também que a empresa investe junto a startups e universidades para incorporar soluções sustentáveis. Sob outro viés, aponta Fernando Penedo, especialista em sustentabilidade urbana, que entre as empresas, a sociedade civil e os governos possuem desalinhamentos no quesito sustentabilidade. “É muito difícil vermos iniciativas de sustentabilidade das empresas sendo criadas junto à sociedade civil. Além disso, geralmente empresas privadas não querem se misturar com assuntos públicos, o que é necessário. Hoje em dia, quem cuida do pós-consumo no País é apenas o poder público”, ponderou e exemplificou com o caso da cidade de São Paulo, que gasta sozinha mais de R$ 1 bilhão anuais para coletar e transportar o lixo do município. Thaís, da Coca-Cola, ressalta a ótica econômica: “A carga tributária referente a produtos reciclados pode se apresentar pouco viável para algumas empresas. Um produto que já pagou toda a sua cadeia tributária, como uma garrafa PET, quando é reciclado paga o mesmo valor novamente, enquanto o descarte de lixo tem custo menor.

Leia Mais
Marketing

O marketing de grandes marcas e a sustentabilidade na prática

O marketing de grandes marcas e a sustentabilidade na prática – Creativos Br – Marketing

Está cada vez mais crescente as empresas que se posicionam ambientalmente. Algumas apostam em estratégias de logística reversa com embalagens retornáveis, outras investem em criar embalagens através de resíduos. Envolver agentes civis e o poder público no diálogo, assim como desenvolver novos materiais industriais “ecologicamente corretos”, de acordo com texto publicado no Meio & Mensagem por Karina Balan, são ações que possuem potencial para solucionar o problema de desperdício de recursos e descarte indevido de resíduos em escala industrial. Existe um clima de “pressão” sob as marcas para adotarem princípios da economia circular. coque iphone 8 No último final de semana, a economia circular foi tema em muitos painéis do Festival Path, em São Paulo. coque iphone Representantes de grandes players como Ambev e Coca-Cola e especialistas em políticas sustentáveis, apresentaram seus desafios para escalar práticas sustentáveis no Brasil e no mundo. Thaís Vojvodic, gerente de sustentabilidade da Coca-Cola, disse durante o Path que inovação não é sempre sobre tecnologia, mas sobre romper barreiras culturais entre empresas. A Coca-Cola e a Ambev, por exemplo, há dois anos criaram a iniciativa Reciclar Pelo Brasil para oferecer apoio cooperativas de catadores de materiais recicláveis, e têm como parceiros empresas como Vigor e Nestlé. Para Thaís, as empresas continuam sendo concorrentes e competindo entre si, porém, quando se trata de reciclagem e sustentabilidade não há motivos para competir. vente de coque iphone Os investimentos em embalagens retornáveis e em logística reversas já voltaram a ser uma prática das empresas. Contudo, para Thaís, o desafio é incentivar o consumidor a adotar um hábito antigo, no caso dos retornáveis. O Fórum Econômico Mundial aconteceu em janeiro, em Davos, na Suíça. coque iphone 7 Na ocasião, James Quincey, CEO da Coca-Cola, compartilhou que até 2030 a companhia pretende coletar e reciclar 100% das suas embalagens. Neste trajeto da economia circular, a Nestlé também caminha junto com a mesma meta, porém com prazo até 2025. O Head de sustentabilidade da Ambev, Richard Lee, afirma que as práticas relacionadas com sustentabilidade devem ser vistas como parte do core business das empresas, deixando de ser apenas branding. coque iphone xr “Se não tivermos uma bacia hidrográfica saudável, não conseguimos operar adequadamente”, exemplifica Richard, que afirma também que a empresa investe junto a startups e universidades para incorporar soluções sustentáveis. Sob outro viés, aponta Fernando Penedo, especialista em sustentabilidade urbana, que entre as empresas, a sociedade civil e os governos possuem desalinhamentos no quesito sustentabilidade. “É muito difícil vermos iniciativas de sustentabilidade das empresas sendo criadas junto à sociedade civil. coque iphone x Além disso, geralmente empresas privadas não querem se misturar com assuntos públicos, o que é necessário. Hoje em dia, quem cuida do pós-consumo no País é apenas o poder público”, ponderou e exemplificou com o caso da cidade de São Paulo, que gasta sozinha mais de R$ 1 bilhão anuais para coletar e transportar o lixo do município. Thaís, da Coca-Cola, ressalta a ótica econômica: “A carga tributária referente a produtos reciclados pode se apresentar pouco viável para algumas empresas. Um produto que já pagou toda a sua cadeia tributária, como uma garrafa PET, quando é reciclado paga o mesmo valor novamente, enquanto o descarte de lixo tem custo menor.

Leia Mais
Marketing

O marketing de grandes marcas e a sustentabilidade na prática

O marketing de grandes marcas e a sustentabilidade na prática – Creativos Br – Marketing

Está cada vez mais crescente as empresas que se posicionam ambientalmente. Algumas apostam em estratégias de logística reversa com embalagens retornáveis, outras investem em criar embalagens através de resíduos. Envolver agentes civis e o poder público no diálogo, assim como desenvolver novos materiais industriais “ecologicamente corretos”, de acordo com texto publicado no Meio & Mensagem por Karina Balan, são ações que possuem potencial para solucionar o problema de desperdício de recursos e descarte indevido de resíduos em escala industrial. Existe um clima de “pressão” sob as marcas para adotarem princípios da economia circular. No último final de semana, a economia circular foi tema em muitos painéis do Festival Path, em São Paulo. Representantes de grandes players como Ambev e Coca-Cola e especialistas em políticas sustentáveis, apresentaram seus desafios para escalar práticas sustentáveis no Brasil e no mundo. Thaís Vojvodic, gerente de sustentabilidade da Coca-Cola, disse durante o Path que inovação não é sempre sobre tecnologia, mas sobre romper barreiras culturais entre empresas. coque iphone 8 A Coca-Cola e a Ambev, por exemplo, há dois anos criaram a iniciativa Reciclar Pelo Brasil para oferecer apoio cooperativas de catadores de materiais recicláveis, e têm como parceiros empresas como Vigor e Nestlé. coque iphone solde Para Thaís, as empresas continuam sendo concorrentes e competindo entre si, porém, quando se trata de reciclagem e sustentabilidade não há motivos para competir. coque iphone xs max Os investimentos em embalagens retornáveis e em logística reversas já voltaram a ser uma prática das empresas. coque iphone 2019 Contudo, para Thaís, o desafio é incentivar o consumidor a adotar um hábito antigo, no caso dos retornáveis. O Fórum Econômico Mundial aconteceu em janeiro, em Davos, na Suíça. coque iphone 2019 Na ocasião, James Quincey, CEO da Coca-Cola, compartilhou que até 2030 a companhia pretende coletar e reciclar 100% das suas embalagens. Neste trajeto da economia circular, a Nestlé também caminha junto com a mesma meta, porém com prazo até 2025. coque iphone 7 O Head de sustentabilidade da Ambev, Richard Lee, afirma que as práticas relacionadas com sustentabilidade devem ser vistas como parte do core business das empresas, deixando de ser apenas branding. “Se não tivermos uma bacia hidrográfica saudável, não conseguimos operar adequadamente”, exemplifica Richard, que afirma também que a empresa investe junto a startups e universidades para incorporar soluções sustentáveis. Sob outro viés, aponta Fernando Penedo, especialista em sustentabilidade urbana, que entre as empresas, a sociedade civil e os governos possuem desalinhamentos no quesito sustentabilidade. “É muito difícil vermos iniciativas de sustentabilidade das empresas sendo criadas junto à sociedade civil. Além disso, geralmente empresas privadas não querem se misturar com assuntos públicos, o que é necessário. Hoje em dia, quem cuida do pós-consumo no País é apenas o poder público”, ponderou e exemplificou com o caso da cidade de São Paulo, que gasta sozinha mais de R$ 1 bilhão anuais para coletar e transportar o lixo do município. Thaís, da Coca-Cola, ressalta a ótica econômica: “A carga tributária referente a produtos reciclados pode se apresentar pouco viável para algumas empresas. Um produto que já pagou toda a sua cadeia tributária, como uma garrafa PET, quando é reciclado paga o mesmo valor novamente, enquanto o descarte de lixo tem custo menor.

Leia Mais
Marketing

Mães trocam seus presentes por cerveja

troca-por-cerveja-um-brinde-as-mães-marketing-creativosbr

Quem disse que as mães não gostam de cerveja? Em ação para o Dia das Mães, a Ambev troca presente por cerveja. Parece que as mães estão cansadas de ganhar presentes que “não são para elas” ou que não lhes proporcionem uma experiência agradável, como lembrancinhas simbólicas e eletrodomésticos. Pensando nisso e para mostrar que elas também gostam de cerveja, a Ambev lançou a campanha #TrocaporCerveja. Com caráter de redenção a ação homenageia as mães e ainda dá a oportunidade delas trocarem aquele presente que não agradou por kits cervejeiros.

“Precisamos lembrar que as mães também adoram cerveja! Queremos mostrar que o universo da cerveja é tão diversificado que, com certeza, encontramos alguma, ou várias, que agrada o nosso paladar”, explica Lia Bertoni, diretora da marca institucional da companhia.

As mães que quiserem trocar seu presente deverão comparecer no Shopping Villa Lobos em São Paulo do dia 14 a 18 de maio. Os kits são compostos por 6 cervejas de diferentes estilos e sabores.

Vale considerar que o Dia das Mães é a segunda data comemorativa mais importante para o comércio perdendo apenas para o Natal. De acordo com estudo do SPC, este ano o varejo deve movimentar mais de R$ 17 bilhões.

Leia Mais
Opinião

Movimento “Sofre” o Torcedor

no thumb

MOVIMENTO “SOFRE” O TORCEDOR

O texto é longo, mas retrata a indignação de um trabalhador
que paga suas contas corretamente e só quer que os seus direitos sejam
atendidos. Nada mais que isso!

Meu nome é Filipe, tenho 30 anos e moro em São Paulo.
Sócio-torcedor do SPFC passei hoje, um dos maiores constrangimentos da minha
vida.

Por querer exercer um único direito: descontos na compra de
produtos participantes do Movimento Futebol Melhor – Sócio Torcedor, mantido
por grandes clubes e empresas como Ambev e Unilever.

Tudo ocorreu por volta da hora do almoço, quando fui com
meus pais ao Hipermercado Extra, localizado na Av. Dr. Ricardo Jaffet, zona Sul
de São Paulo.

Já no caixa, com o carrinho de compras cheio dos produtos
que dariam o desconto prometido e amplamente divulgado na mídia, tomei o
cuidado de informar o meu CPF antes de qualquer compra que fosse cadastrada
pelo operador de caixa. Não apenas o CPF, mas disse que queria o desconto de
Sócio Torcedor, apontando então para uma placa que ali estava e confirmava a
tal promoção.

Convidado a digitar meu CPF, assim o fiz. O operador então
disse que meu CPF não estava cadastrado e solicitou que eu repetisse a ação.
Assim foi feito e com a não aceitação, resolvi então entrar em contato com o
Movimento Futebol Melhor, conforme orientação constante no site do próprio
Movimento. Fiz ali mesmo, do caixa, com meu próprio celular.

Fui atendido por uma moça que se identificou como Amanda e
que, ao analisar meu CPF, constatou que eu além de Sócio-Torcedor ativo e bom
pagador (ou seja, em dia com minhas mensalidades) poderia eu então ter direito
a tais descontos.  Solicitei então a ela,
como eu deveria proceder, uma vez que ela dizia que eu tinha o direito aos
descontos, mas o operador de caixa, dizia o contrário.

A atendente Amanda pediu então para falar com um Gerente da
Loja, o que foi de imediato negado por uma funcionária do Extra. Aquelas garotas
de patins, manjam?

Nesse exato momento, o operador de caixa, confuso que só,
disse que o sistema havia sim aceito meu nome e que poderia passar as compras.
Achei estranho e disse a ele para que tivesse certeza do abatimento do
desconto. Pedi que tivesse certeza, pois a compra era grande e não queria ter
retrabalho.

Com a Amanda (atendente do Futebol Melhor) ao telefone, o
mercado sem querer falar com ela, as compras foram passando e claro, ao término
, já com a compra toda ensacada e no carrinho, constatou-se que o sistema não
havia dado o devido desconto.

Apareceu então um rapaz, chamado Antônio, que quando
perguntei se era gerente, estranhamente se identificou como o “DONO DOS CAIXAS
AQUI”. Embora posteriormente eu tenha constatado que se tratava de um
funcionário do Extra, vi que executava também a função de operador de caixa do
mesmo, ainda que sem o tradicional uniforme utilizado por todos os outros que
executavam a mesma função. Sabe-se lá porque!

O tal Antônio não resolveu nada e então foi chamar um tal de
Carlos, que prontamente se identificou como o GERENTE DE OPERAÇÕES daquela loja
Extra. Pedi seu nome completo e ele disse chamar CARLOS DE LIMA LEMOS.

Eu mesmo contei todo o ocorrido e da necessidade da pronta
resolução do caso, uma vez que eu queria apenas os descontos que me eram
devidos, conforme acabara de atestar a atendente Amanda do Movimento Futebol
Melhor.

Disse a ele que a orientação que eu havia recebido através
da atendente Amanda era de que o mercado entrasse em contato com eles, mas naquele
momento, ele preferiu “resolver” de uma outra forma.

Como primeira tentativa, o tal CARLOS solicitou que eu
tentasse digitar meu CPF em outro caixa, para quem sabe, por conta de atualização
de sistema, etc, conseguíssemos através de outro caixa, passar as minhas
compras, só que desta vez com o desconto. (que na verdade já haviam sido
passadas e estavam embaladas, mas sem o desconto)

Sem sucesso, o tal de CARLOS me fez uma das propostas mais
indecorosas e sujas que eu já vi na minha vida.

Estão sentados? Leiam isso com atenção!

Segundo ele, eu poderia passar as compras num número de CPF
que ele trazia em mãos, que era um “CPF DE SÓCIO TORCEDOR” e desta forma, eu
conseguiria que os meus descontos fossem considerados no final da compra.

Sim, o Extra me sugeriu em alto e bom tom, que eu efetuasse
a compra em um CPF desconhecido!!! Fiquei pasmo e neguei de imediato aquela proposta
anti-ética e criminosa. O tal ANTONIO, (lembram dele?) disse ser um “CPF
genérico” e que não teria problema.

Inconformado e até surpreso com o que ouvira, eu disse em
alto e bom tom, que não existe “CPF genérico” e que aquela numeração pertencia
a alguém (vivo ou morto) que desconhecia toda aquela discussão.

Pedi para chamarem o Papa, se necessário, mas eu não aceitaria
de forma alguma passar minhas compras no CPF de outra pessoa. Queria o meu
direito, que como sócio-torcedor, bom pagador e cadastrado dentro do prazo
solicitado, eu tinha como direito!!!

O tal Antonio chegou a dizer que era um “CPF Ambev”. Notem o
despreparo dessas pessoas. Disse a eles, que Ambev é uma pessoa jurídica e não
tem CPF. Não existe “CPF Ambev”!

Reprovado e indignado com tal atitude daqueles funcionários
que viram nessa história do “CPF genérico” a possibilidade de tirar “o deles”
da reta, eu disse que iria chamar a Polícia Militar e entrar em contato
imediatamente com a Ambev, informando da solução proposta.

Eles pareciam não saber, mas deixei bem claro pra eles, que
aquilo que o Extra estava me propondo era crime. Falsidade ideológica!!!

Duvidando da conivência da Ambev com o que a loja me
propunha, liguei imediatamente ao Movimento Futebol Melhor e fui atendido pela
mesma Amanda.

Contei a solução proposta pelo Extra e atendente Amanda
ficou sem saber o que fazer naquele momento.

O tal Gerente CARLOS solicitou o telefone e tentou convencer
Amanda da resolução via “CPF genérico”. Absurdo!!!!!

 Vendo a gravidade do
caso, Amanda consultou alguns de seus superiores e me retornou com a informação
de que uma tal de MEIRE, funcionária do Extra estava alinhada sobre o
procedimento correto a ser tomado quando algo do tipo acontecesse.

Enquanto eu aguardava uma resolução, seguranças
caracterizados e também à paisana me rodeavam, como se eu fosse um bandido ou
algo do tipo. Solicitei ao Gerente que retirasse aqueles seguranças, pois eu
não era bandido e não apresentava dano algum ao local. Muito pelo contrário, o
local é que apresentava alto dano à mim.

Eu queria o meu direito de Sócio Torcedor! Ah, e não queria
comprar no CPF de outra pessoa porque isso é crime!!! Só isso!

O Gerente do Extra, o Carlos deveria então falar com a tal
Meire. Ele relutou, relutou mas ao fim, pegou seu celular e discou alguns
números.

Enquanto ele falava com alguém no telefone (que eu pensei
ser a tal MEIRE somente), outros funcionários tentavam me convencer de que
efetuar as compras em outro CPF “o genérico”, era o melhor para acabar com toda
aquela confusão.

Em vão, eles não me conhecem!!! Pediram pra voltar no dia
seguinte e colocariam alguma outra compra em meu CPF!

Manja coisa errada?

Depois de alguns minutos ao telefone, o Gerente Carlos pediu
que eu falasse ao telefone. Não quis, não sabia quem era e nem o que iriam me
falar, mas como deveria ser a tal Meire, resolvi atender.

Quando eu disse “alô”, um cara respondeu do outro lado. E
uma mulher. Era um call! Sim, era um call, tipo daqueles que fazemos em nosso trabalho.

Tínhamos Vinícius de outro lado da linha, que se identificou
como trabalhando na Ambev ou em alguma empresa prestadora de serviços para ela.
Ao invés de tentar me convencer de algo, suas palavras foram de desabafo.
Vinicius estava louco da vida, de saber que a loja Extra estava usando seu
número de CPF para casos como o meu.

Olhem só!!! Havia achado o dono do até então “CPF genérico”,
como denominou o funcionário do Extra. Vinicius estava tão p… ou até mais
nervoso do que eu. Vejam só!!!

Me disse ao telefone, que havia informado seu CPF para uma
situação de testes e não para ser utilizado quando houvessem problemas como o
meu.

Vejam, como eu já imaginava, a Ambev não era mesmo conivente
com tal situação e o mais alarmante: o dono do CPF não sabia o que estava sendo
proposto!

Coisa de novela, não?

Mas e o Extra? Bem, como era um call falou então ao
telefone, a tal de MEIRE, que muito objetiva e pragmática, se apresentou como
COORDENADORA DE FRENTE DE CAIXA DO EXTRA. Estava certo que ela iria tentar me
convencer de algo, quando não foi minha surpresa, ela (sim, a MEIRE) dizer que
era um absurdo o que o mercado me propunha.

Calma… a funcionária do Extra divergindo do Gerente da
Loja, o Carlos? Sim, isso mesmo!

Segundo ela, o Extra não aceitava de forma alguma que a
compra fosse passada em CPF alheio e que todo o procedimento informado pelo
mercado estava errado. Para Meire, que parecia bastante alarmada ao telefone, o
mercado estava conduzindo a situação de forma equivocada.

Perguntei então qual era a solução e ela foi tão simples
como deveria ser qualquer pessoa que atende o público. Disse que tínhamos que
resolver e que quando (lá atrás) constatado que meu CPF não entrava, o Movimento
deveria ser contatado (como foi, por mim) e constatando assim que eu era merecedor
do desconto, o desconto deveria ser dado no caixa, de forma manual!

Perceberam a diferença?

Nada de CPF de desconhecido. A resolução era simples: liga
no SAC do Movimento. Se o cara tem direito, o desconto tá na mão!

Pronto! Simples!

Já Carlos visivelmente contrariado com a resolução proposta
pela tal de MEIRE, quis anotar os meus dados para algum procedimento interno
que preferi não questionar.

Espero que não venham na minha casa!

Como contrapartida, quis os dados dele. Justo, não? Mas ele
não quis me dar o número de CPF dele. Deve ter achado que eu compraria coisas
por aí com o número dele.

Definitivamente Carlos não me conhece!!!

Teríamos então que retornar as compras já embaladas para a
esteira.  Lá no início disse ao operador
que não faria isso novamente mas pelo bem da resolução e principalmente em
respeito aos meus pais que estavam ali comigo já tinham 2 horas, resolvi colaborar.

Me atendeu Isabel, operadora de caixa, que percebendo toda a
situação, teve sensibilidade absurda. Aliás, Isabel deveria dar aula de
gerenciamento de crise para Carlos e sua equipe.

Fica a dica, pessoal do Extra! A Isabel manja do que não
manja Carlos!

O desconto foi dado na mão, com uma calculadora Casio
antiga. De uma compra total de R$ 578,00, onde parte disso era produtos  que deveriam ter descontos, paguei algo em
torno de R$ 509,00. O stress foi grande e talvez nem tenha valido os quase R$ 70,00
de desconto.

Bom, era isso.

Sei que não fui conciso, objetivo e elegante, mas ao lembrar
de cada momento, fico novamente furioso.

Nesse momento, agora escrevendo, não me interessa de quem
foi a culpa: Extra, Ambev, ou sei lá quem.

Sei que ficaram algumas certezas. Primeiro de que o
Movimento Futebol Melhor mantido por clubes e empresas não está pronto. O
formato parece bacana, inovador, mas existe um claro problema operacional.

Segunda certeza e que não posso deixar de registrar, foi a
maneira que fui tratado pelo Extra Ricardo Jaffet. Cercado por seguranças, eu
estava pedindo o que eu tinha como direito. Aos demais consumidores, passou sim
a ideia de que eu poderia ter roubado algo ou estava arrumando confusão por
algum fato onde a culpa era minha. Meus pais, com idade na faixa dos 60 anos,
ficaram em pé, nervosos e sem atenção especial alguma!

Passei vexame e medo. Fui convidado a agir como criminoso
para obter meu desconto. Se eu assim o fizesse, estaria resolvendo um problema
ali, de momento, junto ao Extra, mas estaria também sendo conivente e autor de
um crime.

Eu durmo tranquilo toda noite. Graças a Deus!

Fica aqui meu desabafo. Ainda é Domingo e preferia estar
agora com minha família, mas estou mentalmente revivendo cena à cena daquela situação
vexatória e humilhante que tive que passar.

Como disse, não importa de quem foi a culpa, mas sei que não
foi minha.

E mais do que isso: a falta da ÉTICA se fez presente. Ou
pelo menos se tentou fazer presente.

Tenho boa educação. Recebi de meus pais bons valores e bons
princípios. Tem gente que não sabe o que é isso.

Escrevo essa minha carta à mídia, ao Grupo Pão de Açúcar e à
Ambev  para que daqui por diante pessoas
de bem, pais de família, não tenham que passar pelo que passei hoje.

Filipe Vietri Crespo

Leia Mais
1 2
Página 1de 2