close

blog

MarketingOpiniãoPublicidade

5 passos para escolher sua área

-Por Sophia Furlan

 

Escolher a faculdade já foi difícil, mas mal sabia eu que ainda teria que escolher um segmento dentro da minha área.

 

Por ter feito ensino técnico eu já tinha experiência como agência, mas fazia um pouco de tudo, e gostava de muitos dos jobs – menos Atendimento.

 

Enfim, comecei a estagiar para quem foi meu jurado da banca de TCC, hoje meu professor, coordenador de curso e chefe, e como se não bastasse um só, quis dar uma de Branca de Neve e ter 7.

 

Mas para ajudar você nessa árdua missão, separei alguns passos para você seguir:

 

Conhecer as áreas

Antes de tudo é necessário que você entenda o que a agência, anunciante e veículo fazem, para que assim possa seguir os próximos passos. Entenda a estrutura de cada um e as funções de cada cargo.

 

Entender o que você gosta

Saber as coisas que te atraem na área é muito importante para você entender o que você gostaria de fazer, assim você não vira um profissional frustrado por trabalhar com o que não gosta.

 

Entender o que você não gosta

Além do que gosta, saiba o que não te atrai muito, principalmente através dos trabalhos da faculdade, nos quais você consegue ver no que não é tão bom e o que não curte fazer.

 

Experimentar

Ter contato através do estágio é muito importante, pois é aí que você colocará a mão na massa e entenderá o que compete a você ou não. E isso não significa fazer estágios na mesma área. Pelo contrário: quanto mais diferente forem uns dos outros, melhor para você ter uma visão geral do Mercado.

 

Fazer o que gosta

Parece clichê, mas quando você é bom no que não gosta e tem dificuldade no que ama, está se torna uma decisão difícil. Aconselho que faça o que gosta independentemente de ser bom ou não, pois você pode se dedicar mais ao longo dos estudos e atuação.

 

Espero ter te ajudado a encontrar seu nicho dentro desta área linda e cheia de lógica! 

 

Daqui 3 anos volto pra contar pra vocês se ainda quero seguir Marketing mesmo!

Leia Mais
Opinião

FUNCIONÁRIO 2020

A proatividade – tomar decisões sem que peçam para que realize um trabalho – é um termo muito citado por atualmente ser algo positivo, mas nem sempre foi assim. Apesar deste termo não existir antigamente, ações ligadas a ele eram mal vistas. Quer entender porquê?

 

Antigamente, um funcionário que fizesse mais do que lhe competia era visto como o “puxa saco” do chefe e que queria subir de nível mais rápido. Basicamente uma pessoa esnobe e metida, pois não era comum que as pessoas se interessassem em realmente dar o melhor de si para o crescimento da empresa, se importando apenas consigo. Porém, no cenário atual, a proatividade surge justamente para estimular os empregados, independentemente de seus cargos, a darem o melhor de si para que a companhia se desenvolva e possa enaltecer aqueles que a fizeram tão importante, são os chamados (por mim) funcionários 2020.

 

Um caso muito interessante de proatividade ocorreu com um amigo meu, que acabava de ter nenê, e após sua esposa e filhinho receberem alta, precisava colocar o pequenino no bebê conforto. No estacionamento do hospital, apenas um rapaz sabia instalar a cadeirinha e colocar o bebê confortavelmente nela. Este funcionário era indicado por todos os outros, parecendo até ser um especialista em colocar crianças no assento. Ao conversar com o jovem, ele contou que foi o único do estacionamento que, após perceber a necessidade que os pais de primeira viagem tinham em colocar o bebê na poltroninha, encontrou uma possibilidade de tirar uma renda extra que chegava a ele através das gorjetas, como gratidão que os pais tinham pelo cuidado com o qual ele lidava com a situação.

 

No trabalho empresarial, ocorrem situações de proatividade que nem percebemos realizar. O amor que tenho pela empresa na qual trabalho me faz pensar em soluções para ela dia e noite, o que me faz levar uns “puxões de orelha” de vez em quando por tentar abraçar o mundo e realizar jobs que sequer foram destinados a mim.

 

Em suma, ser proativo vale a pena – senão não teria caído no bordão de entrevistas de emprego como uma qualidade. Os benefícios da proatividade são o reconhecimento profissional que você terá por mostrar estar interessado em cumprir seu papel da melhor forma possível. Por outro lado, se isto for feito sem primeiro mostrar interesse, somente tomando decisões precipitadas e sem consultar seus superiores, pode ser uma furada para você, pois deixa de ser proatividade e passa a ser um ato de desobediência.

 

E você? Se considera um bom proativo ou já deu umas escorregadas como eu em querer abraçar o mundo?

Leia Mais
Publicidade

Novo posicionamento de O Boticário com histórias reais

Histórias reais para marcar novo posicionamento de marca? Sim! Cheia de emoção e mistério, O Boticário lançou no último domingo (31/3), coque iphone no intervalo do Fantástico, seu novo posicionamento “O Boticário. coque iphone Onde tem amor, coque iphone 2019 tem beleza”. Inspirado em uma história real, coque iphone um senhor conta que, coque iphone com seus 80 anos, decide entrar em um curso de maquiagem. coque iphone soldes Mesmo não tendo tanto talento e vocação como seus colegas de curso, tem um motivo muito especial para estar ali. O filme marca a estreia da Heads para o institucional d’O Boticário.

Leia Mais
Mídia

B.drops inova com campanha que destaca Outubro Rosa

A b.drops é um canal de TV exibido em telas instaladas exclusivamente em salões de beleza, que tem como objetivo levar conteúdo relevante e inteligente para as mulheres em um momento de descontração e bem-estar. Em pouco tempo, a marca se tornou líder do segmento e hoje está presente nos maiores e melhores salões de beleza do Brasil. coque iphone en ligne Em comemoração ao mês de conscientização contra o câncer de mama, eles prepararam uma ação bem interessante para seu público direto: as mulheres. coque iphone xr Este ano, a b.drops inova com a campanha Be Pink, que engaja as mulheres dentro dos salões de beleza com uma programação voltada para a prevenção e o diagnóstico do câncer. coque iphone 8 Nas telas b.drops serão exibidos conteúdos educacionais com entrevista de especialistas, dicas para doação, tratamentos e histórias inspiradoras. “Percebemos que fazer uma campanha de conscientização dentro dos salões é muito oportuna, porque o momento de espera entre um procedimento e outro é muitas vezes forçado, e nada melhor que aproveitar esse tempo ocioso para se atualizar sobre o tema”, declara Felipe Viante, diretor de expansão da b.drops. soldes coque iphone A campanha de conscientização acontecerá em todas as telas da b.drops nos mais de 360 salões de beleza espalhados pelas principais cidades brasileiras (São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Campinas, Brasília entre outras). coque iphone xr Além da programação nas telas b.drops, a Be Pink abrange outras ações como incentivo à doação de cabelos e palestras educadoras com profissionais da área de saúde, dentro dos salões participantes. coque iphone en ligne MG Hair Design, Marcos Proença, C.Kamura, Cats, Vimax, Marly, Frank d´Ferran entre outros grandes nomes da beleza abraçaram a causa.

Leia Mais
Opinião

Transtorno espectro empreendedor

O caráter empreendedor refere-se a uma série de condições caracterizadas por desafios com habilidades individuais, comportamentos, comunicação verbal e corporal, forças internas e diferenças únicas. Sabemos que não existe um único jeito empreendedor, mas vários, motivados ou estimulados por diferentes combinações de influências ambientais, pessoais e de networks.  Trouxe o termo “espectro” exatamente para refletir essa ampla variação das características citadas acima presente em cada pessoa que vive o transtorno de empreender.

Afirmo que todo mundo passa por isso, os sinais mais evidentes de transtorno empreendedor tendem a aparecer logo na infância em uma fase mais conhecida pelos “porquês”. Recomenda-se que os pais, aos perceberem o mínimo sinal, busquem incentivar esse comportamento de curiosidade. Os resultados podem ser incríveis.

Empreender é uma busca, uma perspectiva, ou melhor, é uma visão. Empreender é para todos, mas não é para qualquer um. Não é uma atividade, é um modo de ser, um ponto de visita. É para quem sente dor, uma dor não-física que incomoda. Incomoda tanto que não dá pra ignorá-la, é preciso fazer algo. Empreender é o modo de ser dos inconformados, é o desejo verdadeiro de mudar uma situação, e requer muita paciência e perseverança (pra não dizer insistência).

Perseguir e instigar a mudança são coisas que empreendedores fazem instintivamente como a respiração. Requer certa sensibilidade e senso crítico, pois é preciso sentir e observar antes de agir. O sentimento empreendedor existe dentro de todos e a maneira como é despertado em cada um depende dos estímulos e das percepções individuais.

Por essência, comunicadores são (ou deveriam ser) empreendedores de ideias. A inquietação, a inovação e inconformidade diante das situações tanto globais quanto dos respectivos desafios é o que motiva a inacabável luta para emplacar grandes ideias, a convencer lideres a comprarem as mudanças propostas. Comunicadores precisam ser inconformados com situações ao ponto de empreender vozes capazes de transformá-las.

Empreender é sentir as dores, não aceitá-las. É a busca incessante para transformar as dores em respostas, transtornos em benefícios. Entender a sua missão, a sua razão social e o seu propósito é o caminho para ativar o seu “eu empreendedor”.

Empreender é um olhar, uma perspectiva, ou melhor, é uma visão. Essa é a minha visão, qual a sua?

Leia Mais
1 2 3 109
Page 1 of 109